Presidente eleito da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, toma hoje posse

Bissau, 23 jun (Lusa) - O presidente eleito da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, toma hoje posse em mais uma cerimónia que marca o regresso do país à ordem constitucional.

O parlamento ditado pelas eleições legislativas de 13 de abril prestou juramento na última semana e, depois de empossado, o novo chefe de Estado poderá colocar em funções o primeiro-ministro (Domingos Simões Pereira) e respetivo governo.

Chega ao fim o período em que o país foi dirigido por autoridades e figuras nomeadas na sequência do golpe de Estado militar de abril de 2012 - que depôs o executivo em que José Mário Vaz era ministro das Finanças.

Vários chefes de Estado, governantes e outras figuras vão participar na cerimónia marcada para as 11:00 no Estádio Nacional 24 de Setembro - entre os quais Rui Machete, ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, cujo avião Falcon da Força Aérea Portuguesa aterra às 09:30 em Bissau e volta a partir às 14:30.

O novo presidente, militante do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) desde 1989, é conhecido como "o homem do 25" por ter conseguido pagar pontualmente os ordenados da função pública (no dia 25 de cada mês) quando era ministro das Finanças.

Hoje os serviços públicos (incluindo forças de segurança) acumulam seis meses de salários em atraso, o aparelho de Estado não funciona, a economia caiu a pique, os indícios de corrupção são generalizados e os recursos naturais são saqueados, referem organizações nacionais e estrangeiras.

Ainda assim, José Mário Vaz disse num recente encontro com jornalistas que "a partir de agora, nada é impossível" - para contrariar a expressão em crioulo "djitu ka ten" aplicada aos problemas do país e que significa "não tem jeito, não há solução".

Prometeu ainda dar estabilidade ao governo e dialogar com todos os representantes da sociedade guineense para garantir paz e desenvolvimento.

José Mário Vaz foi eleito à segunda volta a 18 de maio, depois de o PAIGC, que o apoiou, já ter conquistado maioria absoluta nas eleições legislativas.

Foram as primeiras eleições realizadas na Guiné-Bissau desde o golpe de Estado de 12 de abril de 2012 e que permitem normalizar relações diplomáticas e de cooperação com a generalidade da comunidade internacional - que não reconheceu as autoridades de transição nomeadas depois do golpe militar.

LFO // APN

Lusa/fim



O que fazem em Lisboa as startups de Macau?

Clara Brito, Wini Cheong e Athena Choi estão a estudar negócios no mercado português. Fazem planos que ligam Macau, China e Portugal.  Portugal está nos planos de alguns dos novos negócios de Macau. As startups apoiadas no programa de intercâmbio do Governo que coloca jovens empresários no espaço de coworking de Lisboa Second Home e

“O Governo interferiu na suspensão do deputado da assembleia”

O advogado de Sulu Sou não tem dúvidas de que o Executivo interferiu no caso que envolveu o deputado. Jorge Menezes elogia a juíza mas defende que o processo em que o ativista foi constituído arguido foi uma derrota do Estado de Direito. Onde pôde, o Governo interferiu. A suspensão de Sulu Sou como deputado

Livre-circulação é nova prioridade da CPLP

A livre-circulação de pessoas dentro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) foi um dos objetivos assumidos na cimeira da organização, em Cabo Verde, que terminou quarta-feira. Os estados-membros também reforçaram a aposta na cooperação económica e voltaram a pedir à Guiné Equatorial que acabe de vez com a pena de morte.  O presidente

“O tribunal não quis estragar a vida ao Sulu Sou”

Pedro Leal discorda da sentença, mas defende que a juíza fez tudo o que podia para resolver o caso de Sulu Sou, para ser julgado rapidamente, por ser deputado e estar suspenso das funções para ser julgado. Um dos advogados de defesa do caso do ano diz não ter sentido interferências no processo judicial. Sulu

Indústria de convenções e exposições ainda por desenvolver

O Governo de Macau tem adotado uma política de promoção da indústria de convenções como uma importante atividade fora do setor do jogo. Peritos da área acreditam que ao longo dos anos a indústria tem evoluído, mas ainda necessita, claramente, de apoio governamental.  Alguns representantes desta indústria não se candidatam aos subsídios oficiais e têm

Impasse que perdura

Depois de mais de um ano de tensão política e dois meses após as eleições antecipadas em Timor-Leste, os solavancos políticos continuam por resolver. O impasse entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses sobre a nomeação de nove membros do VIII Governo permanece. De um lado Francisco Guterres Lu-Olo, Presidente da República e