Presidente eleito da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, toma hoje posse

Bissau, 23 jun (Lusa) - O presidente eleito da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, toma hoje posse em mais uma cerimónia que marca o regresso do país à ordem constitucional.

O parlamento ditado pelas eleições legislativas de 13 de abril prestou juramento na última semana e, depois de empossado, o novo chefe de Estado poderá colocar em funções o primeiro-ministro (Domingos Simões Pereira) e respetivo governo.

Chega ao fim o período em que o país foi dirigido por autoridades e figuras nomeadas na sequência do golpe de Estado militar de abril de 2012 - que depôs o executivo em que José Mário Vaz era ministro das Finanças.

Vários chefes de Estado, governantes e outras figuras vão participar na cerimónia marcada para as 11:00 no Estádio Nacional 24 de Setembro - entre os quais Rui Machete, ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, cujo avião Falcon da Força Aérea Portuguesa aterra às 09:30 em Bissau e volta a partir às 14:30.

O novo presidente, militante do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) desde 1989, é conhecido como "o homem do 25" por ter conseguido pagar pontualmente os ordenados da função pública (no dia 25 de cada mês) quando era ministro das Finanças.

Hoje os serviços públicos (incluindo forças de segurança) acumulam seis meses de salários em atraso, o aparelho de Estado não funciona, a economia caiu a pique, os indícios de corrupção são generalizados e os recursos naturais são saqueados, referem organizações nacionais e estrangeiras.

Ainda assim, José Mário Vaz disse num recente encontro com jornalistas que "a partir de agora, nada é impossível" - para contrariar a expressão em crioulo "djitu ka ten" aplicada aos problemas do país e que significa "não tem jeito, não há solução".

Prometeu ainda dar estabilidade ao governo e dialogar com todos os representantes da sociedade guineense para garantir paz e desenvolvimento.

José Mário Vaz foi eleito à segunda volta a 18 de maio, depois de o PAIGC, que o apoiou, já ter conquistado maioria absoluta nas eleições legislativas.

Foram as primeiras eleições realizadas na Guiné-Bissau desde o golpe de Estado de 12 de abril de 2012 e que permitem normalizar relações diplomáticas e de cooperação com a generalidade da comunidade internacional - que não reconheceu as autoridades de transição nomeadas depois do golpe militar.

LFO // APN

Lusa/fim



Turismo para dinamizar relações

União Europeia (UE) aposta no turismo e tecnologias verdes para reforçar laços com Macau. Chefe do Gabinete da UE para Macau e Hong Kong também salienta cooperação jurídica e reforço de direitos como vetores importantes.  O turismo será a próxima área chave para a cooperação entre União Europeia (UE) e Macau, referiu ao PLATAFORMA Carmen

“Estou muito atento à questão dos direitos, liberdades e garantias”

Leonel Alves diz ter algum receio face a eventuais alterações ao Código Penal e Código de Processo Penal. Salienta que é preciso preservar os direitos fundamentais e defende diálogo com especialistas da China continental.  Considera que o futuro Chefe do Executivo deve ter um bom conhecimento económico, mas não exclui nenhum dos nomes mais falados:

Maioria absoluta, mas não total

A coligação opositora em Timor-Leste venceu as eleições com maioria absoluta, derrotando nas urnas o partido no poder, a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin).  Este resultado põe fim a oito meses de tensão política no país, mas não dá o poder político total à Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), liderada por Xanana

Mão pesada para Sulu Sou

O Ministério Público pediu pena de prisão efetiva para o deputado suspenso Sulu Sou e para o ativista Scott Chiang durante o julgamento que envolve os dois membros da Associação Novo Macau, segundo o canal português da Rádio Macau. Ambos são acusados do crime de desobediência qualificada na sequência de uma manifestação organizada em 2016

EDP: Mercado à espera que CTG suba a parada

O valor oferecido pela China Three Gorges pelo controlo da EDP é considerado baixo pela administração da empresa, analistas e mercado – que segue a valorizar as cotações da elétrica acima da proposta de OPA. Com o mercado a dar mais pela EDP do que a China Three Gorges, são fortes as expectativas de uma

Vida depois do “fim do mundo”: Wenchuan dez anos depois

Em Beichuan, província de Sichuan, o tempo parou. Nesta cidade que em tempos alojou 160 mil pessoas, os únicos sinais de vida hoje são as borboletas que sobrevoam os destroços das habitações, edifícios e carros destruídos.  No dia 12 de maio de 2008, às 14 horas e 28 minutos, Sichuan foi atingido por um terramoto