Antigo consultor do governo de Timor-Leste detido pelo FBI por alegada fraude

Díli, 23 jun (Lusa) - Um antigo consultor fiscal do governo timorense foi detido, na semana passada, nos Estados Unidos por alegada fraude contra o Estado de Timor-Leste no valor de 3,5 milhões de dólares, anunciou a organização não-governamental La'o Hamutuk.

Na quinta-feira, o FBI anunciou em comunicado ter detido Bobby Boye, um homem do condado de Bergen, em New Jersey, acusado de alegada fraude contra um país estrangeiro num valor superior a 3,5 milhões dólares (cerca de 2,5 milhões de euros) em pagamento a uma empresa detida secretamente pelo indivíduo, a Opus and Best.

"Sem saber que a Opus and Best era uma empresa simulada e com base na recomendação de Bobby Boye, o país adjudicou contratos à Opus and Best em 2012. Segundo os termos do contrato de consultadoria, Boye era um dos coordenadores do projeto que agia em nome do país e tinha autoridade para receber a aprovar as faturas para pagamento", refere o FBI, sem nunca revelar o nome do país.

Segundo a La'o Hamutuk, Bobby Boye começou a trabalhar em 2010 na divisão fiscal do petróleo do Ministério das Finanças de Timor-Leste pago pela Noruega.

Em 2011, o indivíduo começou a ser pago por Timor-Leste, tendo recebido naquele ano 250 mil dólares (cerca de 183 mil euros) de ordenados.

A organização timorense refere também que durante o ano de 2012, a Opus and Best obteve contratos de Timor-Leste no valor de 7,8 milhões de dólares.

"Desde o início de 2013 tem estado nos Estados Unidos por razões médicas", refere a La'o Hamutuk.

No comunicado, o FBI refere também que Bobby Boye usou o dinheiro para comprar quatro propriedades em New Jersey, três veículos de luxo e dois relógios.

MSE // DM.

Lusa/Fim



Macau 20 anos depois

É o título da série documental de Carlos Fraga e Helena Madeira. Realizador e produtora querem perceber o que mudou em Macau desde o fim da administração portuguesa. Carlos Fraga e Helena Madeira voltaram a Macau para gravar o quarto documentário de uma série de seis sobre a cidade. O trabalho da produtora LivreMeio é uma

“Portugal está disponível para encontrar instrumentos de coinvestimento”

Portugal quer atrair financiamento de Macau e da China para o futuro fundo de apoio à internacionalização das empresas portuguesas. Eurico Brilhante Dias, secretário de Estado português da Internacionalização a participar na Feira Internacional de Macau (MIF), explica que o país pretende por esta via mobilizar meios para a cooperação sino-lusófona. - Participa durante a

Pequim entre o isolacionismo e a afirmação como superpotência

A China quer intervir mais além-fronteiras, mas continua fragilizada por questões internas, afirmam analistas, numa semana em que o Presidente Xi Jinping confirma o estatuto de mais forte líder chinês das últimas décadas. “Vamos assistir à reclamação da China da posição de grande potência, que será atribuída ao pensamento do atual líder”, afirmou David Kelly, diretor

A vida das empregadas domésticas

“The Helper” tem como protagonistas as empregadas domésticas estrangeiras que trabalham em Hong Kong. Joanna Bowers decidiu realizar o documentário por sentir que são descriminadas apesar de serem a “base” da sociedade. Estreou há uma semana em Hong Kong e o objetivo é que passe em Macau e na China Continental, e finalmente seja comprado

Transporte aéreo em Macau deve atrair mais companhias low-cost e oferecer mais escalas

Com cada vez mais ligações na região de Guangdong-Hong Kong-Macau, o mercado dos transportes aéreos também enfrenta, em simultâneo, uma situação complexa de competição e cooperação. Académicos da área dos transportes e membros da indústria turística consideraram, em declarações ao Plataforma, que Macau deve esforçar-se para encontrar o respetivo nicho de mercado, em particular criando

João Lourenço promete mudar quase tudo no estado da nação angolana

No seu primeiro discurso sobre o estado da Nação, o novo Presidente angolano, João Lourenço falou de José Eduardo dos Santos para elogiar o país pacificado que deixou, ao sair do poder, em setembro, 38 anos depois, sobrando mais de 55 minutos em que, da economia à educação, passando pelo combate à corrupção e maus