Antigo consultor do governo de Timor-Leste detido pelo FBI por alegada fraude

Díli, 23 jun (Lusa) - Um antigo consultor fiscal do governo timorense foi detido, na semana passada, nos Estados Unidos por alegada fraude contra o Estado de Timor-Leste no valor de 3,5 milhões de dólares, anunciou a organização não-governamental La'o Hamutuk.

Na quinta-feira, o FBI anunciou em comunicado ter detido Bobby Boye, um homem do condado de Bergen, em New Jersey, acusado de alegada fraude contra um país estrangeiro num valor superior a 3,5 milhões dólares (cerca de 2,5 milhões de euros) em pagamento a uma empresa detida secretamente pelo indivíduo, a Opus and Best.

"Sem saber que a Opus and Best era uma empresa simulada e com base na recomendação de Bobby Boye, o país adjudicou contratos à Opus and Best em 2012. Segundo os termos do contrato de consultadoria, Boye era um dos coordenadores do projeto que agia em nome do país e tinha autoridade para receber a aprovar as faturas para pagamento", refere o FBI, sem nunca revelar o nome do país.

Segundo a La'o Hamutuk, Bobby Boye começou a trabalhar em 2010 na divisão fiscal do petróleo do Ministério das Finanças de Timor-Leste pago pela Noruega.

Em 2011, o indivíduo começou a ser pago por Timor-Leste, tendo recebido naquele ano 250 mil dólares (cerca de 183 mil euros) de ordenados.

A organização timorense refere também que durante o ano de 2012, a Opus and Best obteve contratos de Timor-Leste no valor de 7,8 milhões de dólares.

"Desde o início de 2013 tem estado nos Estados Unidos por razões médicas", refere a La'o Hamutuk.

No comunicado, o FBI refere também que Bobby Boye usou o dinheiro para comprar quatro propriedades em New Jersey, três veículos de luxo e dois relógios.

MSE // DM.

Lusa/Fim



“Há uma nova Lusofonia, onde não se fala só português e o chinês vai fazer parte”

O Festival This Is My City chega ao fim de mais uma edição no domingo, com a estreia em São Paulo, Brasil. O fundador Manuel Correia da Silva diz que o evento prova que Macau pode ser a ligação entre a China e os países de língua portuguesa. A Lusofonia já está a mudar, defende.

A reunião que mudou a história

Há 40 anos uma reunião do Partido Comunista da China marcou o início do processo de abertura e reformas económicas. Deng Xiaoping escrevia a primeira página de uma História marcada por profundas transformações dentro e fora de portas.  Naquele  início de dezembro de 1978, Deng Xiaoping estava finalmente em condições para começar a moldar o

“Não fazia falta na Universidade de Macau”

Quatro anos depois, Inocência Mata está de volta à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Do período passado no território, a professora leva a riqueza da experiência humana e cultural, bem como a decepção de ter sido “subaproveitada” na Universidade de Macau. “Estava à espera de encontrar um outro tipo de academia”, admite. Inocência

País em impasse político

As eleições legislativas foram adiadas ‘sine die’ e ninguém se compromete com uma data. A tensão política regressou ao país. Desta vez, por alegadas irregularidades no processo eleitoral. Depois de mais de três anos de uma grave crise política, os principais atores políticos guineenses chegaram em abril a um acordo sobre um nome para ser

China e Portugal, uma relação que vem de longe

O reforço do papel de Macau no relacionamento entre a China e Portugal e como plataforma entre a China e os países de língua portuguesa, assim como a assinatura de um memorando de entendimento que formaliza a adesão de Lisboa à iniciativa de Pequim “Uma Faixa, Uma Rota” são dois dos marcos da visita de

“Desvinculei-me de mim”

“Sétimo Sentido” marca uma nova fase na carreira do escritor e professor de comunicação José Manuel Simões. O ex-jornalista e diretor do Departamento de Comunicação da Universidade de São José publica a sua terceira obra de ficção, tendo como referência uma viagem que fez à Índia e a voz de uma personagem feminina, a médica