Cape Verde legislative elections

Governo alargado no arranque do novo ano

Cabo Verde inicia 2018 com o reforço do elenco governamental que, a partir de hoje, passa a ter mais dois ministros e seis secretários de Estado e uma nova orgânica que inclui, pela segunda vez na história do país, a figura de vice-primeiro-ministro.

Vinte meses depois da posse – a 20 de abril de 2016 – o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva, do Movimento para a Democracia (MpD), concretizou as mexidas no Executivo, previstas desde maio de 2017.

A remodelação, que se traduziu no alargamento do elenco governamental de 12 para 20 elementos, está a ser entendida por vários quadrantes como um reforço das áreas em que o Executivo registou mais problemas ao longo do período de governação, mas também como reveladora da falta de coragem para substituir alguns dos ministros mais polémicos e com piores prestações.

Entram assim para o Executivo dois novos ministros: um ministro adjunto do Primeiro-Ministro para a Integração Regional, cargo que será ocupado pelo diplomata Júlio Herbert Lopes, e um ministro com a pasta da Indústria, Comércio e Energia, que resulta da divisão em três do agora ministério da Economia e Emprego, que será Alexandre Monteiro, atual presidente do Conselho de Administração da empresa pública de energia Electra.

A criação do cargo de ministro adjunto do Primeiro-Ministro para a Integração Regional traduz uma aposta do Executivo numa maior aproximação à Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO), mas está a ser também encarada como uma desvalorização, nesta matéria, do papel do ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares.

Luís Filipe Tavares liderou o processo de candidatura do país à presidência da comissão da CEDEAO, que Cabo Verde perdeu em dezembro para a Costa do Marfim.

Do “desmembramento/desdobramento” do ministério da Economia e Emprego, tutelado por José Gonçalves, resultará ainda a criação dos ministérios do Turismo e Transportes e Economia Marítima, que continuarão com o mesmo ministro.

O ministério da Economia Marítima passa a localizar-se na ilha de São Vicente e terá como secretário de Estado Adjunto, Paulo Lima Veiga.

O segundo vice-ministro da história do país

As mudanças no elenco governamental cabo-verdiano incluem ainda a criação do cargo de vice-primeiro-ministro, que será ocupado, em acumulação, pelo atual ministro das Finanças, Olavo Correia.

A criação do cargo de vice-primeiro-ministro visa, segundo o Executivo, reforçar a “coordenação política e financeira, a coordenação das reformas económicas, o planeamento estratégico e o ecossistema para a competitividade e o emprego”. 

Na prática, traduz a formalização do peso, influência e protagonismo dentro do Executivo do ministro das Finanças, Olavo Correia, que é também vice-presidente do partido que sustenta o Governo, o Movimento para a Democracia (MpD).

Olavo Correia tem dado a cara por algumas das principais medidas do Governo e assumido um protagonismo, em muitos casos, superior ao do primeiro-ministro, sendo dado, por algumas correntes, como o mais que certo sucessor de Ulisses Correia e Silva.

Nas novas funções, Olavo Correia irá ser apoiado por três secretários de Estado, uma figura até agora inexistente no Executivo.

O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, terá como secretário-adjunto das Finanças, o técnico do Banco Mundial Gilberto de Barros, como secretária de Estado da Modernização Administrativa, a atual vereadora da Câmara da Praia, Edna Oliveira, e como secretário de Estado para a Inovação e Formação Profissional, o especialista em comunicação Pedro Lopes.

Entra também para o elenco governamental, o atual diretor do gabinete do Primeiro-Ministro, Carlos Monteiro. Vai assumir o cargo de secretário de Estado Adjunto do Ministro de Estado, coadjuvando o atual ministro dos Assuntos Parlamentares e da Presidência do Conselho de Ministros, Fernando Elísio Freire, que sobe a ministro de Estado.

O presidente do Instituto Superior de Ciências Económicas e Empresariais, Amadeu Cruz, entra para secretário de Estado Adjunto da Educação, um setor que este ano registou vários problemas, o mais grave dos quais terá sido a disponibilização de manuais escolares com vários erros.

O episódio suscitou forte reação de pais, professores e especialistas em educação e levou à demissão da Diretora Geral da Educação e ao anúncio da retirada dos manuais do mercado. 

Apesar da contestação e dos pedidos de demissão, a Ministra da Educação, Maritza Rosabal, mantém-se no cargo, contando agora com um secretário de Estado para a ajudar.

Oposição diz que mudanças revelam “falta de coragem”

A líder da oposição cabo-verdiana, Janira Hopffer Almada, considerou que o alargamento do Governo revela “falta de coragem” para agir “em tempo útil” e afastar ministros que “têm dado grandes dores de cabeça”.

“Há que realçar a falta de coragem do primeiro-ministro de Cabo Verde para agir em tempo útil e para mexer nos titulares que tantas dores de cabeça têm dado e tanto têm contribuído para fragilizar a imagem do país”, disse Janira Hopffer Almada.

A presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) assinalou ainda o facto de o primeiro-ministro ter deixado cair a promessa e o compromisso de manter um “governo reduzido, magro e enxuto”.

“O Governo regista um alargamento para quase o dobro, passando de 12 para 20 membros. O Governo engordou extraordinariamente”, sublinhou.

Para Janira Hopffer Almada, “são vários os ministros” cuja atuação não tem correspondido e que, a seu ver, deveriam ser substituídos, dando como exemplo a ministra da Educação e o ministro dos Negócios Estrangeiros. 

Quanto à criação do cargo de vice-primeiro-ministro, Janira Hopffer Almada alertou para o risco de “concentração da área económica e fiscal numa única pessoa”. 

O líder do terceiro partido cabo-verdiano, a União Cabo-Verdiana Democrática e Independente (UCID), António Monteiro, mostrou-se surpreendido com o aumento de membros do Governo de 12 para 20 membros, considerando a remodelação “demasiado profunda e extensa”.

“Surpreendeu-nos com um Governo em que entram, de uma só assentada, oito elementos, o que deita por terra todos os argumentos que MpD defendeu, de ter um Governo reduzido, magro e eficiente”, disse Monteiro.

No quadrante político do Governo, as reações são de elogio generalizado. Contudo,  o antigo presidente do MpD ,(2002-2008) Agostinho Lopes, sublinhou que “há sinais na sociedade de que as coisas não estão bem”.

“As reclamações são setoriais e mais vincadas nos desempenhos da Educação, das Indústrias Criativas e Comunicação Social, da Saúde, das Infraestruturas, da Economia e Emprego e dos Negócios Estrangeiros”, escreveu num post na sua página pessoal no Facebook.

“Pela forma como a remodelação foi feita, fica evidente que o PM reconhece os sinais vindos da sociedade, mas entende que um rearranjo na distribuição das pastas, um reforço político do elenco, serão bastantes para melhorar a perceção global do desempenho governativo.

Veremos se assim é”, acrescentou.

Para Agostinho Lopes, ficou, no entanto, claro “que a ideia de um governo pequeno em Cabo Verde, só tem pernas para andar se ela for seguida de uma profunda reforma do Estado, especialmente da administração pública”. 

Cristina Fernandes Ferreira-Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019