Francisco_Leandro

“A China não está interessada em desequilíbrios”

Francisco Leandro lança para a semana um estudo detalhado sobre a Iniciativa Faixa e Rota. O livro “Steps of Greatness: the Geopolitics of OBOR” (One Belt One Road) mapeia em vários aspectos o projeto charneira da política externa chinesa desde há cinco anos a esta parte. 

O académico, professor e investigador no Instituto de Pesquisa dos Países de Língua Portuguesa da Universidade da Cidade de Macau, salienta a dinâmica de soma positiva do projeto, sem deixar de realçar a importância do nível de participação dos estados que aderem à iniciativa. 

PLATAFORMA – Tem estado a acompanhar e  estudar a iniciativa Uma Faixa Uma Rota desde que foi lançada há cinco anos. Entre tudo o que já foi escrito e dito, afinal do que é que estamos a falar? Como definir este projeto?

Francisco Leandro - Um caminho que se faz caminhando. Uma das coisas que aprecio na Faixa e Rota é que é um projeto que se constrói a ele próprio. Tenho insistido neste ponto. A Faixa e Rota dá o enquadramento. O produto final depende muito do enquadramento com características chinesas e a participação de cada um dos estados. O escrutínio nacional é um fator decisivo naquilo que vier a ser o resultado final da iniciativa.

Será um passo maior que a perna? Será algo demasiado ambicioso e assertivo para a China contradizendo os conselhos de prudência de Deng Xiaoping, como apontam alguns críticos?

F.L. – É e não é. O racional é o de Deng Xiaoping, de alguma contenção, limite e low-profile. Mas a certa altura com a liderança do presidente Xi Jinping na sequência dos resultados económicos que levaram a China ao segundo lugar na economia mundial, não faz muito sentido esse discurso. A mensagem da iniciativa é basicamente conciliatória, não agressiva, de jogo de soma positiva.

- É esta uma iniciativa que acaba por ser a impressão digital de um modelo de globalização centrado e impulsionado pela China?

F.L. – Sim e não.  A segurança económica acaba por estar no centro de tudo. A Faixa e Rota está alicerçada nesta ideia também defendida por Deng Xiaoping quando este foi às Nações Unidas e diz: “Não há verdadeiramente independência política sem independência económica”. Nesse aspeto parece haver a continuidade dessa perspetiva mas de uma forma intercontinental, interregional. Por outro lado, o modelo de globalização indica a total abertura. Um dos pilares da globalização até certa altura parecia ser o modelo neoliberal. A Faixa e Rota vem oferecer um outro modelo.

 - Uma alternativa…   

F.L. – A palavra é essa: alternativa. Tenho falado com imensas pessoas um pouco por todo o mundo e a sensação que tenho é que este modelo está gasto. A Faixa e Rota vem criar uma série de sinergias que vão desde a reformulação do sistema económico, das instituições financeiras, do modelo das trocas comerciais, dos acessos, da dimensão não material. 

- Alguns críticos da iniciativa Faixa e Rota sugerem que estamos perante uma forma de neo-imperialismo. Como encara esta visão? 

F.L. – Todos os modelos são criticáveis. Agora, eu gosto de olhar para os modelos naquilo que eles têm de positivo. Eu continuo a achar que nos devemos centrar na participação nos mais de 70 estados neste projeto. 

As estruturas foram criadas pela administração chinesa, mas a evolução das estruturas para o seu equilíbrio funcional é um processo que está a ser feito. Dou o exemplo do Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas.

- E quanto à crítica que a iniciativa Faixa e Rota fomenta a chamada cilada do endividamento? 

F.L. – Na última cimeira do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), o presidente da Namíbia a certa altura diz: “A maneira como nos relacionamos percorreu um determinado caminho mas continua a ser desequilibrada, pelo que no futuro temos de ser capazes de resolver este desequilíbrio”. Eu estou absolutamente convencido de que a administração chinesa não está interessada em desequilíbrios. 

O problema diz respeito aos modelos de participação chinesa nos projetos nacionais. Estou convencido de que é uma questão de tempo até eles se voltarem a  reequilibrar. 

- E qual é o lugar de Portugal na iniciativa Faixa e Rota? 

F.L. – Faz sentido que Portugal adira ao projeto, mas não pelas razões que têm sido apontadas. No discurso das relações China-Portugal realça-se uma parceria estratégica que data de 2005. A evolução dessa parceria estratégica vai depender de como a Faixa e Rota se vai equacionar. Do meu ponto de vista Sines tem sido um pretexto para iniciar o diálogo. Das minhas várias visitas à China, das conversas que tive com colegas, formam-se duas ideias. A primeira: o verdadeiro interesse que a China tem relativamente à cooperação com Portugal é a questão da Base das Lajes. Não pela razão da utilidade que ela tem agora, mas por causa do programa espacial chinês.  Se isso for para a frente é algo de muito bom para as duas partes. A segunda razão que é questão  da extensão da Plataforma Continental. Portugal não demostrou até agora ter capacidade para explorar os recursos em causa.

- E Macau tem um papel importante a desempenhar?  Fala-se muito da ligação Macau-Lusofonia no âmbito da Faixa e Rota. 

F.L. – Desde logo não faz sentido Macau ir sozinha a jogo. Faz sentido que seja integrada no Delta  do Rio das Pérolas, desde logo porque a Rota Marítima da Seda está desenhada a partir da Grande Baía e a partir da região do litoral sul da China. Faz sentido é olhar para isto como uma malha com os eixos de desenvolvimento doméstico que terminam com zonas económicas especiais ou cidades de fronteira ou regiões administrativas especiais. E a partir daí faz-se a articulação entre os seis corredores e a rota marítima.  

José Carlos Matias 23.11.2018

Artigos relacionados

 
 

“Há uma nova Lusofonia, onde não se fala só português e o chinês vai fazer parte”

O Festival This Is My City chega ao fim de mais uma edição no domingo, com a estreia em São Paulo, Brasil. O fundador Manuel Correia da Silva diz que o evento prova que Macau pode ser a ligação entre a China e os países de língua portuguesa. A Lusofonia já está a mudar, defende.

A reunião que mudou a história

Há 40 anos uma reunião do Partido Comunista da China marcou o início do processo de abertura e reformas económicas. Deng Xiaoping escrevia a primeira página de uma História marcada por profundas transformações dentro e fora de portas.  Naquele  início de dezembro de 1978, Deng Xiaoping estava finalmente em condições para começar a moldar o

“Não fazia falta na Universidade de Macau”

Quatro anos depois, Inocência Mata está de volta à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Do período passado no território, a professora leva a riqueza da experiência humana e cultural, bem como a decepção de ter sido “subaproveitada” na Universidade de Macau. “Estava à espera de encontrar um outro tipo de academia”, admite. Inocência

País em impasse político

As eleições legislativas foram adiadas ‘sine die’ e ninguém se compromete com uma data. A tensão política regressou ao país. Desta vez, por alegadas irregularidades no processo eleitoral. Depois de mais de três anos de uma grave crise política, os principais atores políticos guineenses chegaram em abril a um acordo sobre um nome para ser

China e Portugal, uma relação que vem de longe

O reforço do papel de Macau no relacionamento entre a China e Portugal e como plataforma entre a China e os países de língua portuguesa, assim como a assinatura de um memorando de entendimento que formaliza a adesão de Lisboa à iniciativa de Pequim “Uma Faixa, Uma Rota” são dois dos marcos da visita de

“Desvinculei-me de mim”

“Sétimo Sentido” marca uma nova fase na carreira do escritor e professor de comunicação José Manuel Simões. O ex-jornalista e diretor do Departamento de Comunicação da Universidade de São José publica a sua terceira obra de ficção, tendo como referência uma viagem que fez à Índia e a voz de uma personagem feminina, a médica