moneygram

Capitais chineses limitados por Pequim e Washington

O investimento direto de empresas chinesas nos EUA caiu 35 por cento em 2017. O controlo de capitais em casa e a crescente rivalidade assumida no país-destino fazem prever que a queda se mantenha este ano. 

Depois de um 2016 recorde em que os investidores chineses tiveram nos Estados Unidos o principal mercado mundial de ativos de empresas, com 45,2 mil milhões de dólares aplicados, o investimento externo chinês no país registou no último ano uma quebra abrupta, de 35 por cento, atirando os volumes aplicados para um nível de apenas 29,4 mil milhões de dólares. 

De acordo com a consultora Rhodium, que monitoriza regularmente os fluxos de capitais chineses dirigidos às economias norte-americana e europeia, o número de negócios de compra de participações de empresas nos Estados Unidos caiu em 2017 de 177 para 141, ao mesmo tempo que diminuíram ainda mais acentuadamente os anúncios de futuras aquisições ainda não realizadas – menos 90 por cento, face a 2016, com as intenções de compras limitadas a um valor total de 8,7 mil milhões de dólares, o mais baixo dos últimos seis anos.

Os dados dos negócios fechados e dos negócios a realizar traduzem em primeiro lugar, segundo a Rhodium, o amuralhar contra a saída de capitais da China que tem vindo a ser levado a cabo pelas autoridades de supervisão financeira em Pequim desde finais de 2016. E, num segundo momento, a inversão das perspetivas de diálogo económico entre Washington e Pequim durante o primeiro ano da Administração de Donald Trump, com o reforço dos mecanismos de bloqueio ao investimento externo – a par com novas medidas de proteção comercial de que são exemplo as recentes tarifas especiais impostas à importação de painéis solares e máquinas de lavar roupa nos Estados Unidos.

“Grande parte desta queda é atribuível à repressão regulatória de Pequim sobre as saídas de capitais, mas os crescentes obstáculos regulatórios nos Estados Unidos – sobretudo, maiores dificuldades em obter autorizações do Comité sobre Investimento Externo dos Estados Unidos (CFIUS) – foram um segundo golpe para os investidores chineses”, reflete o relatório da consultora, publicado na última semana.

Se a origem e natureza dos investimentos não se alterou – 90 por cento continuam a ser iniciados por empresas privadas, e a quase totalidade (98 por cento) diz respeito a compra de participações sociais em ativos existentes –, a quebra de volumes é assinalável e reflete-se nas áreas de atividade mais sujeitas a restrições quer por Pequim, quer por Washington. 

A aquisição de empresas na área do entretenimento representou em 2017 um volume de investimento de apenas 524 milhões de dólares, ascendendo a 4,78 mil milhões de dólares no ano anterior. O investimento em imobiliário e hotelaria também caiu de 16,52 mil milhões de dólares para 10,4 mil milhões de dólares.

Tratam-se de dois setores classificados como estando sujeitos a restrições no novo regime de adotado por Pequim para combater investimento externo considerado “irrazoável”, e aos quais foram impostos controlos adicionais com orientações aos bancos chineses para que vigiassem o eventual impacto negativo do crédito a determinadas empresas chinesas nos respetivos balanços. A capacidade de endividamento das maiores compradoras chinesas de ativos internacionais foi também limitada por restrições impostas às subsidiárias no exterior.

Entre os negócios anunciados que acabariam por não vingar fruto das medidas de controlo de saída de capitais estiveram a compra de duas produtoras norte-americanas – Dick Clark e Voltage Pictures – pelo grupo Wanda e por um grupo ligado à produção de cobre, o Anhui Xinke, respetivamente.

Mas muitos outros negócios gorados foram noticiados ao longo do ano, desta vez devido a atuação da agência governamental americana que monitoriza a segurança do investimento estrangeiro no país, o CFIUS. O mais recente caso de bloqueio ao dinheiro chinês foi conhecido no início deste ano, quando a Ant Financial, do universo do grupo Alibaba, viu impedida a compra da empresa de remessas MoneyGram devido a preocupações com a segurança dos dados dos cidadãos americanos. 

Em 2017, o Comité sobre o Investimento Estrangeiro dos Estados Unidos passou a considerar novos riscos na avaliação aos investimentos planeados, passando a incluir também aqueles que digam respeito à transferência de tecnologia e à proteção de dados. 

É de prever que já durante este ano se intensifique o escrutínio e as barreiras regulatórias: o Congresso norte-americano deverá votar o “Foreign Investment Risk Review Modernization Act”, proposto em agosto último, e a Administração Trump apresentou uma nova Estratégia de Segurança Nacional que redefine a China como rival estratégica dos Estados Unidos.

Por outro lado, também na China, apesar de a preocupação com a saída de capitais ser momentaneamente menor, é de esperar o reforço dos controlos perante a continuada subida do preço do dólar.

“O apetite comercial chinês pela expansão do investimento nos Estados Unidos está mais forte do que nunca, mas os obstáculos regulatórios não vão diminuir em Pequim e é quase certo que aumentarão nos Estados Unidos”, conclui a Rhodium.  

Maria Caetano  26.01.2018

Artigos relacionados

 
 

“Tiananmen foi o acontecimento mais extraordinário a que assisti”

Mark O’Neill revisita uma carreira de quatro décadas como jornalista e escritor na Grande China. Fala das transformações que testemunhou e do seu interesse crescente pela História da China. Chegou a Hong Kong, oriundo de Londres, em 1978, ano em que Deng Xiaoping lançava o plano de reformas económicas na China continental. Nos 40 anos

Prioridade nas creches é pouco

Mais de quatro mil famílias receberam, no ano passado, subsídios do Governo destinados a agregados vulneráveis. O Instituto de Ação Social desconhece, no entanto, quantas crianças estão em situação precária. A partir deste ano, as famílias carenciadas passam a ter prioridade nas creches subsidiadas pelo Executivo.  As creches apoiadas pelo Governo vão passar a ter

“Não me apetece repetir fórmulas”

A jornalista portuguesa Isabel Lucas vem a Macau curiosa com uma cultura que ainda chega pouco à Europa. Em entrevista ao PLATAFORMA, fala da experiência que foi escrever um livro de mochila e literatura às costas pelos Estados Unidos. Pensa em repetir a experiência, mas sem repetir fórmulas. Cada sítio, diz, pede uma abordagem. “Viagem

Buraco em Angola sobe para 3.000 milhões de euros em 2018

O ‘buraco’ nas contas públicas de Angola em 2018 deverá subir para quase 800 mil milhões de kwanzas (3.000 milhões de euros) face ao aumento da despesa com a contração de 20.000 professores e 1.500 médicos, não prevista no orçamento inicialmente preparado pelo Governo. Em causa está a lei do Orçamento Geral do Estado (OGE)

Fernando Pessoa (Pei Suo A) à conquista da China

Foi só em 1999 que uma obra de Fernando Pessoa foi pela primeira vez publicada na China continental, mas escritores e artistas do país não hesitam em apontar o português como um dos mais “influentes e profundos” poetas do século XX. Cheng Yisheng, que traduziu os poemas de Alberto Caeiro para chinês, revela que Pessoa

Ano do Cão: a prova de fogo

O tufão Hato é o acontecimento em destaque no ano chinês que termina hoje. Amanhã começa o Ano do Cão. é a recta final do governo. este ano será a última vez que chui sai on apresenta as linhas de ação governativa. Espera-se um líder mais capaz de resolver os problemas que incomodam a população