image

Conferência da Área da Grande Baía em Dongguan

Arranca hoje e termina sábado em Dongguan a Conferência Académica da Área da Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau (4ª edição da Conferência Académica de Guangdong), organizada pela Federação Académica de Guangdong e o Governo Popular de Dongguan, com o apoio da Agência Xinhua.

“Abraçar uma nova era, aproveitar novas oportunidades e criar novas forças motrizes” é o tema central do encontro. Do programa da conferência consta a apresentação de relatórios, entrevistas, demonstrações de resultados e avanços, exposições, relatórios de investigação e seminários, com foco em áreas como a construção da secção de Dongguan do Corredor de Inovação Tecnológica Cantão-Shenzhen e a transformação de Dongguan num centro avançado de produção e inovação na Área da Grande Baía. A conferência procura também promover um desenvolvimento coordenado e inovador da região, apoiar e acelerar o desenvolvimento de Dongguan e construir um sistema económico e um modelo de desenvolvimento com base em inovação. 

O evento conta com a presença de cerca de 60 académicos e mais de 100 peritos na área da ciência e tecnologia. Além destes convidados também irão estar presentes representantes de empresas-líderes na área da tecnologia. As atividades irão contar ainda com a participação de peritos de Hong Kong e Macau, contribuindo para o conceito de futuro inovador na Área da Grande Baía. Está ainda prevista a apresentação de um relatório especial assim como reuniões sobre assuntos como produção inteligente, medicina regenerativa e inteligência artificial. 

A conferência integra também as necessidades de desenvolvimento inovador da cidade Dongguan, apresentando três grandes seminários sobre uma nova geração de informação tecnológica e produção inteligente, tecnologia de novos materiais e desenvolvimento industrial e, por fim, desenvolvimento da indústria biomédica, correspondendo às três indústrias-chave no desenvolvimento de Dongguan. Ao longo destas atividades, peritos e investigadores vão também discutir com empresas locais estratégias de desenvolvimento com base em inovação. 

Recentemente, a delegação de Dongguan do Partido Comunista e do Governo do município têm implementado várias medidas com base neste conceito, procurando a construção de uma economia inovadora. O passo seguinte será tornar Dongguan numa cidade inovadora a nível nacional com a construção de quatro grandes sistemas: inovação criativa, inovação tecnológica, inovação industrial e conversão de resultados. 

A conferência académica anual de Guangdong é a principal atividade organizada pela Federação Académica da província, sendo esta a quarta edição. A federação junta mais de 200 especialistas académicos cantoneses ou a trabalhar em Guangdong, e cerca de 1300 peritos em tecnologia, todos trabalhando em conjunto para um “banco de ideias” e para a criação de novas propostas tecnológicas. O objetivo final é transformar Guangdong num centro de inovação a nível nacional e numa província que continuamente procure trazer inovação e vitalidade às áreas da ciência e tecnologia.

A Federação, que assumiu a atual designação em maio deste ano, estabeleceu já cooperações estratégicas a vários níveis com regiões como Cantão, Shenzhen, Foshan e Meizhou. 

Xinhua 02.11.2018

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019