China-outbound-investment

É mais grave ser homossexual do que fugir aos impostos

No Continente, fugir aos impostos é mais grave do que bater na mulher, mas menos grave do que a homossexualidade. As conclusões são do estudo “The Ethics of Tax Evasion: An Empirical Study of Chinese Opinion”, do académico Robert W. McGee que já está a trabalhar noutra versão que inclui Taiwan e Hong Kong.

O objetivo do novo estudo é comparar as opiniões sobre a fuga aos impostos de Taiwan, Hong Kong e do Continente. Macau ficou de fora por não terem sido realizados no território inquéritos da World Values Survey, nos quais se baseia o académico. O novo estudo tem como ponto de partida as perguntas: se a visão sobre o crime difere entre os territórios; se os mais velhos e mais novos, homens e mulheres têm uma posição diferente; se a forma como se encara o delito mudou ao longo dos anos e, caso tenha mudado, em que sentido. 

Robert W. McGee decidiu avançar com a pesquisa depois de ter realizado um estudo semelhante, mas só sobre o continente. McGee e Zhaoxu Liu, ambos da Fayetteville State University, na Carolina do Norte (EUA), decidiram avançar com “The Ethics of Tax Evasion: An Empirical Study of Chinese Opinion” por constatarem que existem poucos estudos sobre a forma como a população chinesa encara a fuga aos impostos em termos éticos.

“Decidi realizar um estudo sobre a China porque não é um país ocidental. Queria perceber se a visão sobre a fuga aos impostos era muito diferente”, explica Robert W. McGee, depois de notar que praticamente todos os inquéritos que conduziu até hoje foram realizados em países ocidentais e que a bibliografia que encontrou sobre o assunto também tinha apenas fontes do ocidente.

Participaram 1885 indivíduos de várias partes do Continente no inquérito, publicado em finais de 2016, a partir de informação recolhida por investigadores que contribuíram para o World Values Survey (uma rede global de académicos de Ciências Sociais), em 2012. Ainda que a amostra esteja muito aquém da população do Continente – atualmente com 1,3 mil milhões de habitantes, o académico garante que os resultados são “altamente fiáveis”. 

Robert W. McGee realça que os investigadores procuraram recolher informação de um grupo diversificado de pessoas com base na idade, género, condição social, nível salarial e localização geográfica, entre outros critérios. O objetivo era ter pluralidade para que os resultados fossem consistentes, válidos e pudessem ser sintomáticos da visão nacional. 

“Em estatística não é necessário inquirir uma larga percentagem da população para que se obtenham resultados fidedignos. Muitos inquéritos válidos foram conduzidos com base numa amostra de apenas 300 a 500 participantes. Esta amostra tem 1885 participantes, o que é muito superior ao que é preciso para se ter resultados credíveis”, assegura.   

O estudo mostra que 43,4 por cento dos inquiridos defende que a fuga aos impostos é inadmissível, independentemente dos motivos. “O que quer dizer que quase 57 por cento acredita que é justificável em alguns casos”, realça McGee, acrescentando que o resultado não surpreende e que é similar ao de inquéritos realizados noutros países. 

A gravidade com que se encara o incumprimento comparado com outras questões é talvez um dos pontos mais curiosos do inquérito. De acordo com os dados do estudo, fugir aos impostos é considerado ligeiramente mais grave do que bater na mulher e ligeiramente menos grave que a homossexualidade. O roubo de propriedade, a prostituição e aceitar subornos também são considerados comportamentos mais reprováveis do que a fuga aos impostos. O mesmo não acontece com o suicídio, violência contra terceiros, aborto ou eutanásia que, entre outros comportamentos, são considerados menos condenáveis que o de não pagar os impostos. “O resultado também não me surpreende, ainda que não soubesse o que esperar”, refere o também advogado. 

A oriente não muda muito

Com o estudo, Robert W. McGee, professor do departamento de Contabilidade da Fayetteville State University, acabou por concluir que a postura não difere muito em relação ao ocidente. “A oposição à fuga aos impostos é forte, em geral. Apesar de os chineses, tal como praticamente em todo o lado, acreditarem que pode ser justificada em alguns casos”, sublinha. 

No que diz respeito ao género, McGee diz não ter encontrado grandes diferenças na forma como mulheres e homens olham para a conduta no Continente. 

O académico explica que a similitude ou diferença de opinião entre homens e mulheres sobre o tema muda de país para país, mas que a tendência é para as opiniões serem parecidas ou de as mulheres serem mais intransigentes do que os homens na matéria.

“Não é claro porque as mulheres poderão ser mais contra a fuga aos impostos do que os homens em alguns países e noutros não. Um dos motivos apresentados por investigadores é que, em culturas patriarcais, a mulher tende a ter mais respeito pela autoridade e têm uma posição mais vincada face ao desrespeito pela lei”, refere o académico. O mesmo já não acontece em sociedades mais igualitárias, onde homens e mulheres tendem a ter opiniões mais próximas. 

Já no que diz respeito à idade, o especialista refere que as posições dos mais velhos e mais novos não são muito díspares. McGee confessa ter ficado surpreendido, tendo em conta os resultados obtidos noutros territórios onde, por norma, a população mais adulta mostra mais respeito pela autoridade e é mais inflexível no que toca a violar a lei. 

“Uma das explicações possíveis para esta diferença face a outros inquéritos pode estar relacionada com as mudanças que o sistema económico chinês tem sofrido nas últimas décadas, e que o aproxima cada vez mais de um sistema de mercado”, especula. 

Outro dos dados que surpreendeu Robert W. McGee foi o que estabelece a relação entre o nível de educação dos entrevistados e a opinião sobre a fuga aos impostos. O estudo mostra que os dois grupos com menos educação ficaram em lados opostos da lista. Os inquiridos sem escolaridade são os mais transigentes, sendo que os que completaram apenas o ensino primário são o grupo mais intransigente. Já o grupo de pessoas com formação universitária ficou a meio da lista. Tendo em conta estudos que estabelecem conclusões com base no mesmo critério, o académico explica que há três padrões: os indivíduos com mais educação são os que mais se opõem; ou, os com menos educação são os que se opõem mais; ou, não se confirma uma relação entre o grau académico e a posição que se assume sobre a matéria. “Os resultados deste estudo sobre a China não encaixam em qualquer um destes três padrões dominantes”, ressalva o professor.

Ao contrário do que sucede com o nível académico, Robert W. McGee não se mostra surpreso com o que estabelece a relação entre a condição socioeconómica e a postura que se tem face à fuga aos impostos. Os dois grupos de classe média são os que mais se opõem ao crime, enquanto os entrevistados da classe mais alta são os mais tolerantes. 

Robert W. McGee salienta também que, ainda que a posição dos indivíduos entrevistados varie de região para região, é na zona de Chongqing, no sudoeste do Continente, que se encontra mais oposição à fuga aos impostos. Já os habitantes da província de Heilongjiang, no nordeste, são os mais condescendentes, sendo que não foi recolhida informação na região de Fujian.

O professor explica que no estudo que realizou constatou ainda que indivíduos casados e viúvos tendem a opor-se mais à evasão fiscal do que os solteiros ou indivíduos separados/divorciados, à semelhança do que acontece na maioria dos territórios. 

Em jeito de conclusão, Robert W. McGee nota que há uma tendência para se relativizar cada vez mais a fuga aos impostos. Ainda que se mantenha uma forte oposição, é menor face a 1990. Com base em literatura histórica e filosófica, o académico considera plausível concluir que as pessoas são cada vez mais tolerantes devido à perceção de que os governos são corruptos, que os impostos são demasiado elevados ou de que o que os contribuintes pagam não se reflete de forma proporcional no que beneficiam no acesso a serviços e bens na sociedade. 

Sou Hei Lam

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram