Guan Zhaoyu 1

Empresas norte-americanas mais receptivas a “Uma Faixa, Uma Rota”

O investigador associado do Instituto de Chongyang de Estudos Financeiros da Universidade de Renmin da China defende que a indústria norte-americana está a mudar de atitude em relação à inciativa chinesa “Uma Faixa, Uma Rota”. Guan Zhaoyu diz que há várias empresas americanas de diferentes áreas envolvidas. O académico recorda no entanto que os Estados Unidos da América (EUA), como nação, continuam a recusar juntar-se ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas.

- Durante a palestra que deu em Macau, salientou que os EUA nos últimos anos têm mostrado uma mudança de atitude em relação à Iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”. Que mudança é essa?

Guan Zhaoyu – Depois de a China ter lançado esta iniciativa em 2013, os EUA mostraram oposição, tanto ao nível do Governo como do setor privado. Viam-na como uma forma de combater a Parceria Transpacífico e a hegemonia global norte-americana. Os EUA tinham um conhecimento muito superficial da iniciativa. Isso mudou em 2017, quando a política atingiu o ponto mais alto. Os EUA acabaram por se aperceber de que a iniciativa é diferente do que assumiram inicialmente, como algo agressivo ao país. 

- Diferente de que forma?

G.Z. – Em primeiro lugar, a iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota” é um conceito ligado ao desenvolvimento que se foca em colaborações económicas. Não é uma estratégia política. Em segundo lugar, a indústria americana, incluindo algumas grandes empresas como a General Electric (GE), já estavam envolvidas nesta iniciativa e já estavam a receber benefícios com a sua participação. A indústria americana pôde assim gozar um pouco das vantagens deste projeto, estando pronta para abandonar o seu preconceito inicial e julgar a Iniciativa pelo que ela realmente é. Depois do pico da Iniciativa em 2017, a China chegou até a discutir com os EUA o assunto, e convidou várias empresas americanas a conhecerem melhor o projeto. Ao fim de algum tempo, os EUA mostraram apreço pela iniciativa. Donald Trump chegou a dizer que tem interesse em participar, quando a oportunidade e a altura certa chegarem. 

- Ou seja, a atitude norte-americana em relação à “Uma Faixa, Uma Rota” sofreu uma ligeira mudança, mas não mudou drasticamente.

G.Z. - Se tivesse de apontar onde se notou uma mudança, diria que foi claramente no setor privado. 

- Acredita que os EUA poderão aderir ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas?

G.Z. – Para já ainda se opõem. As opiniões do Governo, académicos e setor privado em relação ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas divergem. O Governo está contra. Já o setor privado prefere esperar para ver o que sucede. Porque preferem esperar? Para compreender de facto em que tipos de projetos o Banco está envolvido e se existe a possibilidade de lucrar com os mesmos. Diria que a curto prazo, os Estados Unidos não irão participar no Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas. Se nos próximos anos, o Banco tiver sucesso com os projetos, acredito que a indústria americana estará mais receptiva a participar.

- Fora o Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas, que outras formas existem para os EUA participarem na “Uma Faixa, Uma Rota”?

G.Z. – Usando como exemplo a americana GE, se analisarmos as cooperações levadas a cabo com empresas chinesas (privadas e públicas), veremos que as mesmas desenvolveram entre si uma relação interdependente na cadeia de valor. Como resultado, quando empresas chinesas têm trabalho fora do país, levam a GE com elas. Quando têm lucro, a GE também sai beneficiada. Se houver prejuízo, a GE poderá também sofrer alguma perda. Por isso, podemos dizer que a indústria americana já está envolvida na inciativa “Uma Faixa, Uma Rota”. 

- Mas não há noção de um envolvimento evidente das empresas norte-americanas?

G.Z. – Não podemos dizer que não é evidente, apenas que algumas áreas ainda são desconhecidas do público.

- A promoção da Iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota” é essencial para a internacionalização da moeda chinesa. Mas, se empresas americanas estiverem também envolvidas, irão continuar a apoiar a hegemonia do dólar americano. Esta situação não será problemática para o objetivo de internacionalização da moeda chinesa?

G.Z. - Em primeiro lugar, aquilo de que tenho completa certeza é que a “Uma Faixa, Uma Rota” irá ser vantajosa para a internacionalização da moeda chinesa. Agora, irá a entrada dos EUA criar alguns obstáculos? Não nos devemos preocupar demasiado com este assunto. Se uma moeda entra no mercado e competição internacionais, significa que tem já um nível alto de competitividade. Se estivermos preocupados com o poder do dólar, e de que forma poderá afetar o RMB, significa que não vemos um nível de competitividade alto na moeda chinesa, e nesse caso, como é possível internacionalizar uma moeda na qual não se acredita?

- Qual papel poderá Macau assumir nas relações sino-americanas?

G.Z. – Segundo o meu entendimento, Macau é uma cidade com muitos meios de comunicação. Mas, ainda há espaço para crescer ao nível da inovação. Desde o 18º Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês, especialmente depois da terceira sessão plenária, o Continente tem enfatizado a importância das novas ideias e inovação. Porquê dar tanta importância a este aspeto? Porque hoje em dia, especialmente a nível internacional, são precisos grupos inovadores para representar a China. Se os grupos inovadores do Continente representam a China, então grupos correspondentes em Macau devem representar a cidade, certo? Claro que os órgãos de comunicação são uma ótima plataforma, mas muitas vezes é necessário mais conteúdo académico. As pessoas de Macau precisam de partilhar histórias de Macau, histórias sobre este encontro entre a China e o Ocidente. Por isso espero que Macau no futuro desenvolva mais esta área, podendo não só ligar a China e o mundo através dos media, como também partilhar a verdadeira voz de Macau. A inovação pode ajudar neste objetivo. 

Perfil

Guan Zhaoyu é investigador convidado no Centro de Investigação das Nações Unidas e Outras Organizações Internacionais, e na Universidade de Estudos Estrangeiros de Pequim. Participou também no estudo “A posição americana na Iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”: Um caso de estudo e um plano de ação”, publicado no ano passado. Estudou no Japão e nos EUA, e trabalhou no Centro de Comércio Estrangeiro Chinês, no Ministério de Comércio.

Davis Ip  29.06.2018

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram