Chinese President Xi Jinping with his hand on the Constitution takes the oath, after he is voted as the president for another term, at the fifth plenary session of the National People's Congress (NPC) at the Great Hall of the People in Beijing

Escolhidos para liderar mais cinco anos

A Assembleia Popular Nacional (APN) elegeu esta semana, nos últimos dias  da sessão plenária anual,  os órgãos da República Popular da China (RPC) para  um mandato de cinco anos. O presidente Xi Jinping foi eleito por unanimidade e aclamação pelos quase 3000 delegados do órgão supremo legislativo da China. Já Wang Qishan, que tinha abandonado a estrutura liderante do Partido Comunista da China  (PCC) no XIX Congresso realizado em Outubro de 2017, regressou ao palco principal da política chinesa ao ser eleito, com apenas um voto contra, vice-presidente da RPC, substituindo Li Yuanchao.

Um outro aliado próximo de Xi Jinping, Yang Xiaodu, foi a escolha para liderar a recém criada poderosa Comissão Nacional de Supervisão, um órgão com amplos poderes disciplinares e de luta contra a corrupção que visará funcionários do estado e gestores públicos, mesmo os que não são membros do PCC. Ao nível do Conselho de Estado, Li Keqiang foi reconduzido para um segundo mandato como primeiro-ministro, sendo acompanhado por quatro novos vice-primeiros ministros. Tal como tinha sido antecipado por analistas, dois dirigentes promovidos em outubro ao Comité Permanente do Polituburo do PCC ascenderam ao órgão legislativo de topo e à estrutura principal de aconselhamento do Governo Central: Li Zhanshu como presidente da APN e Wang Yang como presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC). As sessões plenárias da CCPPC e da APN encerraram nos dias 15 e 20 março, respetivamente.  

José Carlos Matias  23.03.2018

Artigos relacionados

 
 

“Pensavam que o português não ia servir. Hoje já me dão razão”

Edith Silva diz que o maior desgosto foi não ter conseguido introduzir o português nas escolas, enquanto liderou a Educação. Foi diretora dos Serviços de Educação e Juventude durante oito dos 15 anos que trabalhou no organismo. Integrar o português nas escolas foi uma das lutas que começou, mas sem sucesso. Hoje, sublinha, dão-lhe razão.

SJM: Aumentos só para alguns

Trabalhadores não-residentes da SJM voltaram a ser excluídos de aumentos salariais. A operadora diz não haver discriminação e promete aumentá-los. A presidente da Associação Novo Macau para os Direitos dos Trabalhadores do Jogo diz que há residentes que também não foram aumentados. Não-residentes da Sociedade de Jogos de Macau (SJM) voltaram a ficar de fora

Pontapé de saída na China de olho em Macau

Empresa britânica ligada ao futebol quer organizar eventos em Macau. A Soccerex entrou na China esta semana com uma conferência e exposição em Zhuhai.  A Soccerex, uma das maiores empresas de eventos empresariais ligados ao futebol, está interessada em entrar no mercado de Macau, como parte da sua estratégia para a República Popular da China.

Patriotismo e integração

Reforço dos valores patrióticos e do projeto de integração de Macau na zona da Grande Baía estiveram em foco na sessão de Perguntas e Respostas do Chefe do Executivo na Assembleia Legislativa.  Cinco meses após as Linhas de Ação Governativa, o Chefe do Executivo, Chui Sai On, regressou à Assembleia Legislativa, na terça-feira 17 de

A Europa entre Washington e Pequim

Lisboa foi palco de um debate sobre as relações Europa-China. No Museu do Oriente discutiu-se como Bruxelas se poderá aliar ou não a Washington e a Tóquio para obter uma melhor balança com Pequim. A Europa está numa encruzilhada. Com a saída do Reino Unido num horizonte próximo, prepara-se para viver com um novo orçamento.

“Neoliberalismo desenfreado” versus “socialismo escalavrado”

Cabo Verde está, por estes dias, envolvido num debate sobre a visão política que melhor serve o futuro do país, depois de o ex e o atual primeiro-ministro se terem envolvido numa troca de acusações.  José Maria Neves diz que o Governo tem uma visão de desenvolvimento do país assente num “neoliberalismo desenfreado”, enquanto Ulisses