EEUU-vs-China-De-la-guerra-comercial-a-la-guerra-de-divisas

Guerra comercial: pode haver vencedores

Os economistas do Banco Mundial fizeram contas e dizem que os países em desenvolvimento podem encontrar oportunidades no pior dos cenários.

São precisos dois para dançar o tango, mas se tudo falhar a música não pára. Ou, pelo menos, não para todos. Os presidentes chinês, Xi Jinping, e norte-americano, Donald Trump, estão a duas semanas de se encontrarem em Buenos Aires, durante a cimeira do G20,  para jantar. As hipóteses de um acordo que ponha fim à atual guerra comercial são reduzidas e o cenário de perdas para todos é o mais apontado. Mas há países que ainda poderão ganhar alguma coisa.

A ideia de que ainda pode haver vencedores de  novas barreiras tarifárias no comércio internacional é defendida  num estudo do Banco Mundial publicado esta semana. Cinco economistas modelaram o comportamento das economias em desenvolvimento caso as tarifas continuem a subir, e caso China, Japão, União Europeia,  México e Canadá retaliem com vigor. Excluindo México e China, o resto do mundo emergente pode ter solução.

Mesmo o pior dos cenários oferece quatro estratégias: envolver-se na guerra; não fazer nada; estabelecer acordos regionais de comércio com outros países que não incluam os Estados Unidos; e dar a outra face – ou seja, descer as tarifas para produtos norte-americanos. As melhores opções para o PIB são as duas últimas, e antagónicas: excluir Washington ou fazer-lhe a vontade.  Mas ambas garantem pelo menos 0,4 por cento de crescimento adicional no estudo liderado pelo economista-chefe do Banco Mundial, Shanta Devarajan. 

“Os resultados mostram que envolver-se na guerra comercial é a pior opção para os países em desenvolvimentos (duas vezes pior do que não fazer nada), ao passo que formar acordos regionais de comércio como regiões não-EUA e liberalizar tarifas às importações aos Estados Unidos (dar a outra face) é a melhor”, defendem os autores. Os cálculos projetam perdas de 0,2 por cento nas economias se a opção for escolher uma trincheira, e de 0,1 por cento ao optar por não agir. 

Segundo o estudo, a razão para estes resultados é a de que “uma guerra comercial entre os Estados Unidos e os seus principais parceiros comerciais cria oportunidades para que os países em desenvolvimento aumentem as suas exportações para esses mercados”. E, por outro lado, “liberalizar tarifas aumenta a competitividade dos países em desenvolvimento, permitindo que capitalizem essas oportunidades”.

Nos cenários do Banco Mundial, um país que já está a aumentar as vendas de soja à China, após as tarifas retaliatórias às compras do bem aos Estados Unidos, o Brasil, surge como um dos que têm maior potencial para aumentar vendas ao exterior ao seguir a estratégia de dar a outra face. Podem ver as exportações crescer 2,5 por cento. A Índia e a generalidade dos países de África também podem aumentar exportações em 2,5 por cento. Mas na África austral, onde está Moçambique, o potencial é menor: 1,2 por cento. Esta será também a melhor opção para o Sudeste Asiático, que aparece a vender mais 4,2 por cento de bens ao resto do mundo. 

Já a realização de acordos regionais, que excluam os EUA, devolve também crescimento aos países que façam essa aposta – no PIB e nas exportações – mas em regra algumas décimas abaixo da opção de ceder e descer tarifas às indústrias dos Estados Unidos. 

O grupo de economistas do Banco Mundial entende assim que os resultados a que chegaram “sublinham que os decisores políticos nos países em desenvolvimento podem desempenhar um papel proactivo e importante de melhorar o impacto prejudicial da escalada de restrições comerciais às suas economias”. 

“Ao terem um liberalização progressiva, ao procurarem acordos regionais de comércio e ao trabalharem no quadro da Organização Mundial do Comércio, podem não apenas ajudar a mitigar os termos negativos dos efeitos comerciais de maiores medidas protecionistas, mas também alcançar benefícios por explorar”, aconselham. 

Maria Caetano 16.11.2018

Artigos relacionados

 
 

“Há uma nova Lusofonia, onde não se fala só português e o chinês vai fazer parte”

O Festival This Is My City chega ao fim de mais uma edição no domingo, com a estreia em São Paulo, Brasil. O fundador Manuel Correia da Silva diz que o evento prova que Macau pode ser a ligação entre a China e os países de língua portuguesa. A Lusofonia já está a mudar, defende.

A reunião que mudou a história

Há 40 anos uma reunião do Partido Comunista da China marcou o início do processo de abertura e reformas económicas. Deng Xiaoping escrevia a primeira página de uma História marcada por profundas transformações dentro e fora de portas.  Naquele  início de dezembro de 1978, Deng Xiaoping estava finalmente em condições para começar a moldar o

“Não fazia falta na Universidade de Macau”

Quatro anos depois, Inocência Mata está de volta à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Do período passado no território, a professora leva a riqueza da experiência humana e cultural, bem como a decepção de ter sido “subaproveitada” na Universidade de Macau. “Estava à espera de encontrar um outro tipo de academia”, admite. Inocência

País em impasse político

As eleições legislativas foram adiadas ‘sine die’ e ninguém se compromete com uma data. A tensão política regressou ao país. Desta vez, por alegadas irregularidades no processo eleitoral. Depois de mais de três anos de uma grave crise política, os principais atores políticos guineenses chegaram em abril a um acordo sobre um nome para ser

China e Portugal, uma relação que vem de longe

O reforço do papel de Macau no relacionamento entre a China e Portugal e como plataforma entre a China e os países de língua portuguesa, assim como a assinatura de um memorando de entendimento que formaliza a adesão de Lisboa à iniciativa de Pequim “Uma Faixa, Uma Rota” são dois dos marcos da visita de

“Desvinculei-me de mim”

“Sétimo Sentido” marca uma nova fase na carreira do escritor e professor de comunicação José Manuel Simões. O ex-jornalista e diretor do Departamento de Comunicação da Universidade de São José publica a sua terceira obra de ficção, tendo como referência uma viagem que fez à Índia e a voz de uma personagem feminina, a médica