Feira Xangai foto Xi2

Tempo de abertura

Presidente Xi Jinping anunciou porta aberta ao comércio mundial. 

A Lusofonia e o papel de Macau também estiveram em foco na Feira Internacional de Importações da China.

A China compra. Esta é uma das mensagens chave na primeira Feira Internacional de Importações da China (FIIC) que abriu as portas na segunda-feira e termina amanhã em Xangai. O mote foi dado pelo presidente Xi Jinping no discurso de abertura: a China deverá importar 40 biliões de dólares em bens e serviços nos próximos 15 anos. 

“É o nosso sincero compromisso abrir o mercado chinês”, afirmou Xi Jinping, que prometeu que a China “vai abraçar o mundo”. A declaração num contexto de “guerra comercial” com os Estados Unidos da América e numa altura em que câmaras de comércio se têm queixado que Pequim está a ampliar as suas importações, visando atender à procura dos consumidores e fabricantes domésticos, mas bloqueia o acesso a vários setores. Mas Xi Jinping apelou aos críticos que resolvam os seus próprios problemas antes de apontarem o dedo à China.

“Cada país deve trabalhar no duro para melhorar o seu ambiente de negócios. Não se podem embelezar enquanto criticam os outros ou apontar o foco sobre outras pessoas sem olharem para si próprios”, afirmou.

O líder chinês prometeu maior abertura no setor das telecomunicações, serviços de saúde, educação ou cultura. 

Xi não referiu as disputas comerciais com os Estados Unidos, em torno das ambições chinesas para o setor tecnológico, mas, afirmou que “o sistema de comércio multilateral deve ser defendido”, naquilo que foi lido por analistas com uma mensagem com destino a Washington. 

A plataforma de Macau

O papel de Macau na ligação entre a China e os Países de Língua Portuguesa é também realçado neste certame. A exposição “Macau Hub” em exibição no Pavilhão da China destaca a posição do desenvolvimento de Macau como um centro de turismo e lazer e uma plataforma com a Lusofonia.

 Durante a visita de Xi Jinping, o Chefe do Executivo de Macau informou o presidente sobre o desenvolvimento de Macau, segundo um comunicado oficial. Macau também está presente na zona de produtos alimentares e agrícolas através do pavilhão do Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau. Em Xangai esteve também no início da semana uma delegação de Macau que integrou 90 empresários locais chefiada pelo Secretário para a Economia e Finanças de Macau Lionel Leong. No âmbito destas visitas tiveram lugar bolsas de contacto, fóruns e outros eventos que promoveram Macau como plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

O Brasil, representado pelo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, é um dos 12 países em destaque na Feira. Cerca de 150 empresas brasileiras participam na FIIC, sendo na maioria companhias do setor de alimentos e agrícola, equipamentos médicos e de saúde, comércio de serviços e de bens de consumo.

Portugal também trouxe um ministro ao evento, o titular da pasta da agricultura Luís Capoulas Santos, ao qual se juntou o  secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira. 

José Carlos Matias 09.11.2018

Com agências

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019