Hortêncio-Cassemene

Estudante angolano vence prémio na China

Hortêncio Cassemene venceu um prémio de Melhor Escritor Estrangeiro na China com o livro “The Foreigner”. Uma obra que o angolano descreve como “um guia de adaptação à China”, pensado para ajudar os estudantes internacionais, mas não só, a ultrapassar o choque cultural.

Hortêncio Cassemene venceu em maio passado o concurso de Melhor Escritor Estrangeiro na China, atribuído pela Elevare – uma empresa que procura ajudar estudantes internacionais no país -, com o livro “The Foreigner – Adapting to a New Environment”. O angolano, que chegou à China em 2013, admite ao PLATAFORMA que levou dois ou três anos para se sentir “confortável por cá”. 

A obra reúne entrevistas a 42 pessoas de 26 países que falam sobre os “muitos desafios em termos de adaptação psicológica, social e também académica”, explica o escritor. O objetivo é ajudar outros estudantes internacionais. “Se alguém com mais experiência me tivesse dado dicas, imagino que a minha jornada na China teria sido mais leve”, afirma o angolano. Ainda assim, o escritor rejeita generalizações sobre racismo e choque cultural, defendendo que “a maioria dos problemas advém de dificuldades de comunicação ou de um complexo de inferioridade”.

A obra “The Foreigner” aconselha os estrangeiros não apenas a aprender mandarim, mas sobretudo a “manter uma mente aberta” para saber mais sobre a cultura, a história e o modo de vida do povo chinês, explica Hortêncio Cassemene. “As pessoas às vezes assustam-se quando vêm um negro, não querem sentar-se ao teu lado no autocarro. Uma pessoa acaba tendo dias frustrantes e pensando que os chineses te odeiam”, admite o angolano. Com o tempo, o escritor começou “a acreditar que não era racismo, era curiosidade”.

Desconhecimento mútuo

Hortêncio Cassemene lamenta que haja ainda um enorme desconhecimento mútuo entre a China e África. “Muitos chineses fazem perguntas que às vezes parecem de uma criança. Não sabem que África é um continente e não um país. Perguntam se comemos bichos ou insetos, se vivemos em árvores no meio da floresta”, sublinha.

O escritor lamenta que, apesar da presença significativa de chineses em Angola, a imagem do povo para os angolanos também não vá muito além dos estereótipos. “Temos essa perceção da China do kung fu”, diz o escritor, “e não acreditam quando lhes digo que nem todos os chineses sabem lutar como o Jackie Chan (famoso ator de artes marciais de Hong Kong)”.

Após terminar o curso de Engenharia de Segurança da Informação na Universidade de Telecomunicações e Correios de Chongqing, Hortêncio Cassemene voltou a Angola no mês passado. Uma das primeiras tarefas que tem em mãos é traduzir “The Foreigner” para português. “Não só para aqueles que pretendem ir para a China, mas também para as pessoas que estão aqui em Angola e curiosas por saber como é o estilo de vida na China”, explica.

Um relatório divulgado em junho passado pelo Centre for China and Globalisation revela que já há cerca de um milhão de imigrantes e estudantes vindos do exterior a viver na China continental. “Só agora os chineses começaram a perceber a utilidade deste livro, porque no princípio achavam que era um livro só para estrangeiros”, diz. “Há cada vez mais chineses com vontade de perceber o que é que os estrangeiros pensam da China.” 

Vítor Quintã 17.08.2018

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019