facebook470x275

Festival Lusófono Exposições sem concurso público

O Governo vai gastar 14 milhões só para a organização da exposição anual de artes com quatro mostras temáticas de arte contemporânea – um dos eventos do “Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa”. O Instituto Cultural (IC) explica ao PLATAFORMA que optou pelo ajuste direto para escolher os curadores em vez do concurso público porque “era necessário que tivessem uma boa compreensão e ligações com artistas de diferentes países e possuíssem mérito profissional no âmbito da cultural e arte contemporânea da China e dos Países de Língua Portuguesa”.

Nas exposições vão participar artistas e haverá obras de arte contemporânea do interior da China e de países de língua portuguesa, provenientes dos diferentes continentes. “Considerando que o planeamento das exposições se reveste de uma certa particularidade e especialidade, foi necessário passar por um mecanismo como a comissão de avaliação para analisar a experiência internacional e a capacidade de execução dos curadores no ramo profissional artístico”, acrescenta o IC.

Na resposta enviada ao jornal, o organismo explica que a comissão de avaliação da “Exposição Anual de Artes entre a China e os Países de Língua Portuguesa” – responsável pela seleção dos curadores – é composta pelos pintores Mio Pang Fei e Lok Hei, o arquiteto Carlos Marreiros, Lúcia Lemos – à frente do centro de indústrias criativas Creative Macau, e um dos coordenadores do Instituto Cultural. “Cada membro da comissão é especializado no respetivo ramo de atividade artística, tem bons conhecimentos sobre o desenvolvimento das artes em Macau e compreensão sobre a situação da arte contemporânea internacional e no Interior da China”, refere o instituto ao PLATAFORMA. 

O artista português Vhils foi um dos curadores escolhidos pelos membros da comissão, que teve em conta a “experiência profissional e a capacidade de execução dos curadores”. 

Para a seleção dos artistas e obras que vão ter lugar na exposição, o IC explica que deu primazia a dois requisitos: estreia, e a presença de aspetos da arte contemporânea da China e dos Países de Língua Portuguesa.

O “Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa”- subordinado ao tema “Encontro em Macau” – vai custar 28 milhões de patacas. 14 milhões do orçamento total estão destinados à exposição anual de artes com quatro mostras temáticas de arte contemporânea. O evento conta com obras dos portugueses Miguel Januário, Wasted Rita, Ricardo Gritto e do estúdio de design Pedrita, do português radicado em Macau, João Miguel Barros, e a arte do artista local, Fortes Pakeong Sequeira.

O festival começa na próxima sexta-feira e termina dia 15 de julho. Além das exposições, inclui também um festival de cinema, a “Exposição e Palestra “Chapas Sínicas – Histórias de Macau na Torre do Tombo” e Fórum Cultural entre a China e os países lusófonos, com o tema “diversidade cultural”. A primeira edição do evento conta ainda com um “Serão de Espetáculos” com grupos artísticos dos oito países de língua portuguesa e da província chinesa de Gansu.

O IC quer fazer do festival lusófono um evento anual. 

C.B.S.  29.06.2018

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019