3F3

Encontro assegurado no próximo ano

O Encontro de Mestres de Wushu 2017 foi “um sucesso” e para o próximo ano já está confirmada uma nova edição, afirma o presidente do Instituto do Desporto, Pun Weng Kun.

O evento decorreu entre os dias 10 e 13 de agosto e conseguiu juntar perto de 80 mil visitantes, o que corresponde a mais 10 mil do que no ano passado, segundo o dirigente, numa estimativa. 

O principal destaque deste ano foi a competição mundial Suncity Grupo CKF Desafio Internacional de Combate – Macau, homologada pela Federação Internacional de Luta de Kung Fu Chinês. “A competição em Macau foi realizada em dez provas de diferentes categorias de peso, que incluem os atletas da China e de Macau a competirem com os atletas de alto nível da Tailândia, Turquemenistão, Sérvia, Filipinas, EUA, Rússia, Brasil, Irão e Bélgica”, segundo a organização. “E também houve mais seis provas para os atletas competirem para o cinto dourado, com os favoritos locais Cai Liangchan — antigo campeão Mundial de Wushu Sanda — e João Ramos — especialista em kickboxing — a competirem com os atletas tailandeses e brasileiros.” Entre os outros destaques da edição deste ano figuram ainda a Competição Internacional de Taolu e o SJM 4º Campeonato Asiático das Danças de Dragão e de Leão. 

Ao fazer o balanço desta segunda edição, Pun Weng Kun destacou que os visitantes “agora passam a saber que existe este Encontro de Mestres de Wushu no verão”, fazendo com que Macau se transforme numa “plataforma para promover” esta modalidade, e assegurando, ao mesmo tempo, que “os visitantes passam a conhecer melhor a cultura tradicional da China”. Apesar de ainda não terem números precisos sobre a adesão à edição deste ano, o dirigente espera, com as “sugestões dos media e dos espectadores”, perceber o que deve ser alterado nas próximas edições. 

A edição deste ano, contrariamente à do ano passado, que se concentrou no espaço exterior da Praça do Tap Seac, esteve espalhada pela cidade. As atividades do Suncity Grupo CKF Desafio Internacional de Combate – Macau tiveram lugar no Pavilhão Polidesportivo Tap Seac, enquanto o SJM 4o Campeonato Asiático das Danças de Dragão e de Leão decorreu no Fórum de Macau e a Competição Internacional de Taolu aconteceu no Pavilhão do Estádio do Centro Desportivo Olímpico. Ainda assim, mantiveram-se alguns espaços exteriores — o Festival de Wushu de verão aconteceu na Praça da Amizade e na Praça do Tap Seac, e o Campeonato dos Desafiadores de Sanda teve lugar na Praça do Tap Seac. Questionado sobre se a mudança surtiu efeitos positivos, o dirigente referiu que “este ano foi melhor”.

No último dia do evento, decorreu também a Parada de Wushu e de Danças de Dragão e de Leão, que contou com a participação de “várias equipas de wushu de Macau”, atraindo “cidadãos e visitantes”. A parada iniciou-se no Largo do Senado, passando pelos diferentes pontos turísticos, como o Largo da Igreja de S. Domingos, as Ruínas de São Paulo e o Albergue da Santa Casa da Misericórdia. “Várias equipas de Wushu de Macau realizaram vários tipos de wushu e de kong Fu Chinês na parada”, indicou a organização. “E entraram participantes que trouxeram elementos culturais alusivos a danças chinesas ao longo da parada, além de atletas em diferentes [trajes] temáticos de wushu, danças e músicas, criando uma atividade festiva com vários elementos, atraindo a apreciação dos cidadãos e visitantes no local ao longo da parada”, descreve a organização. 

Para terminar o evento, destaque para o espetáculo de encerramento no Pavilhão Polidesportivo Tap Seac, que contou com atuações dos atletas e mestres das diferentes modalidades, jogando com efeitos de luzes, tecnologia e música. Houve demonstrações de kong fu dos mestres locais Lei Man Iam, Un Oi Mou, Lam Hong Sang, Leong Sio Nam e Hoi Io Kong, além de espetáculos em canas e espadas, terminando o espetáculo com os membros da Escola de Wushu Juvenil de Macau e da equipa de estágio da Associação de Wushu.

Nos espaços exteriores do evento — a Praça do Tap Seac e a Praça da Amizade — destaque ainda para uma zona de jogos e de fotografias 3D, com jogos interativos de realidade virtual, tendas a promoverem produtos temáticos de wushu e das indústrias culturais e criativas do território.

O Encontro de Mestres de Wushu 2017 foi organizado em conjunto pelo Instituto do Desporto do Governo da RAEM e pela Associação Geral de Wushu de Macau, e com a colaboração da Direção dos Serviços de Turismo, do Instituto Cultural e do Fundo das Indústrias Culturais. 

3F14

Macau com prémios nas danças de dragão e leão

O território ganhou alguns prémios no SJM 4º Campeonato Asiático das Danças de Dragão e Leão, uma das competições em destaque do Encontro de Mestres de Wushu.

A decorrer no dia 12 de agosto no Fórum de Macau, o evento SJM 4o Campeonato Asiático das Danças de Dragão e Leão incluiu as modalidades de Dança de Leão do Sul, Dança de Dragão, Dança de Leão do Norte, nas categorias das corridas e categoria de obstáculos. A equipa de Macau venceu o primeiro lugar na Dança de Leão do Sul (categoria de obstáculos), contra a equipa da Tailândia e da Malásia. Assegurou ainda um segundo lugar, na Dança de Dragão (categoria das corridas) e Dança de Leão do Norte (categoria das corridas), tendo sido derrotada em ambas as competições pela equipa da China. Nestas duas modalidades, a formação da Indonésia obteve um terceiro lugar.

No que toca à Dança de Leão do Sul (Taolu Tradicional), participaram sete equipas, incluindo a de Macau, que assegurou um segundo lugar. “Não era o que estávamos à espera, queríamos ganhar”, diz Lao Kuong Long, atleta da formação do território. Ainda assim, garante que gostaram de participar no evento e diz que houve “boa atmosfera” junto dos vários atletas, fazendo um balanço positivo do Encontro de Mestres de Wushu. Quanto a características importantes para vencer um desafio do género, Jin Thiraway, de Macau, refere que “é preciso mais treino e menos stress”, salientando que “houve alguma pressão”. A formação da Malásia ganhou a medalha de ouro na Dança de Leão do Sul (Taolu Tradicional), ao passo que a equipa da China conquistou o terceiro lugar. 

Já na Dança de Dragão, na rotina obrigatória, Macau conquistou o primeiro lugar e a Malásia ficou na segunda posição. Por outro lado, na rotina opcional com designação da base Taolu da Dança de Dragão, a equipa de Taipé alcançou o primeiro lugar contra a formação da China, que ficou na segunda posição. Hong Kong conquistou o terceiro lugar. “Estávamos preparados para o melhor, quisemos mostrar o nosso melhor”, diz ao PLATAFORMA o atleta Li De Jhih, de Taiwan. Satisfeito com a participação no evento deste ano, o atleta taiwanês afirma que “o evento correu bem”, tendo “tido bastante tempo para praticar”. Li De Jhih declara ainda que o nível dos atletas em competição era bastante elevado. Entre as características principais que é preciso possuir para vencer este campeonato, destaca “a prática todos os dias”, mais do que a aptidão. 

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019