B2_1

JIA RUI QUER VOLTAR A TRAZER OURO PARA MACAU

 

Foi o primeiro atleta a dar a Macau uma medalha de ouro nos Jogos Asiáticos. Jia Rui, de 27 anos, quer repetir a proeza e garante que vai dar o seu melhor na prova de wushu em Incheon.

 

A primeira medalha de ouro de Macau nos Jogos Asiáticos, conseguida em Cantão, há quatro anos, tornou Jia Rui popular. Na edição deste ano da competição, em Incheon, na Coreia do Sul, o atleta de wushu salienta que vai “envidar todos os esforços” para voltar a chegar ao pódio. “Claro que desejo conquistar uma medalha, alcançar um resultado excelente e fazer brilhar o nome de Macau no exterior”, disse em declarações ao Plataforma Macau.

Jia Rui ressalva, no entanto, que a responsabilidade de ter conseguido uma medalha de ouro na prova anterior não lhe gera maior pressão. “Não tenho nenhum sentimento especial, é como qualquer outra competição, normalmente treino duas horas por dia”, explicou.

Macau vai levar a Incheon sete atletas de wushu. Para Jia Rui, a competição chega em força de todas as partes da Ásia. “Acho que todos os atletas dos países asiáticos são excelentes, os de Hong Kong, do Japão, do Vietname, de Taiwan, da Malásia e especialmente da Coreia do Sul, que é o país anfitrião e, por isso, está em vantagem”, constatou.

Jia Rui é natural da província chinesa de Henan e foi convidado a participar num intercâmbio em Macau em 2003. Desde então reside no território e participa em competições de wushu no exterior com as cores da Região.

Foi com cinco anos que começou a praticar esta arte marcial chinesa, porque lhe “parecia um desporto muito interessante” e dois anos depois estava a participar em competições.

Na sua estreia nos Jogos Asiáticos, em 2006, ganhou uma medalha de prata e o ouro chegou na edição seguinte.

Desde 2006 que ensina wushu a crianças e em 2011 tornou-se treinador de futuros atletas de Macau.

 

Patrícia Neves com Laura Lao

 

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019