Soccerex-4-e1515674457631

Pontapé de saída na China de olho em Macau

Empresa britânica ligada ao futebol quer organizar eventos em Macau. A Soccerex entrou na China esta semana com uma conferência e exposição em Zhuhai. 

A Soccerex, uma das maiores empresas de eventos empresariais ligados ao futebol, está interessada em entrar no mercado de Macau, como parte da sua estratégia para a República Popular da China. Philip Gegan, diretor-geral da Soccerex, afirmou ao PLATAFORMA que plano nacional de reforma e desenvolvimento do futebol na China, lançado em 2015 com o aval do Presidente Xi Jinping, contém ingredientes para um futuro promissor dentro e fora das quatro linhas.

A Soccerex, empresa britânica fundada em 1995, deu um pontapé de saída na sua abordagem ao mercado chinês esta semana, com a organização da primeira edição do Soccerex China, em Zhuai, entre terça-feira e quarta-feira. O evento incluiu uma exposição com cerca de 60 empresas e agentes – oriundos de 15 países – ligadas a produtos, mercadorias e serviços relacionados com o mundo do futebol. Em paralelo, teve lugar uma conferência em que participaram altos quadros dirigentes do mundo do futebol, incluindo a Secretária-Geral da FIFA, Fatma Samoura, o vice-Presidente da Associação de Futebol da China Zhang Jian e antigas estrelas do futebol mundial como Deco e Hernan Crespo, além de diretores desportivos e de academias de futebol de vários clubes.

O enorme potencial do mercado chinês 

Philip Gegan mostra entusiasmo com a forma como decorreu a conferência e a exposição. “Este evento em Zhuhai foi o nosso primeiro passo para entrarmos no mercado chinês e será seguido por mais edições do Soccerex China nos próximos anos”, referiu ao PLATAFORMA. O motivo do interesse da empresa na China está à vista de todos. Um estudo recente levado a cabo pela escola de gestão alemã WHU – Otto Beisheim School of Management, conclui que a China já é o mercado do futebol mais dinâmico do mundo com um média de 300 milhões de pessoas a visionar jogos de futebol pelo menos uma vez por semana. O valor de mercado da Super Liga Chinesa está avaliado em cerca de 400 milhões de libras. As transferências milionárias colocaram a China, definitivamente no centro da atenção de agentes desportivos. Os brasileiros Óscar e Hulk protagonizaram negócios acima das 50 milhões de libras quando rumaram na época 2016/2017 ao Shanghai SIPG, com o primeiro, oriundo do Chelsea, a auferir um salário de 400 mil libras por semana.

“A China é, obviamente, um mercado com um enorme potencial, especialmente após a adoção do plano nacional de desenvolvimento da modalidade com metas muito ambiciosas, quer em temos domésticos, quer internacionais e também dentro e fora das quatro linhas”, sublinhou Philip Gegan.

Um lugar para Macau

O futebol em Macau tem longa tradição, mas com uma dimensão diminuta face ao que está a brotar do outro lado das Portas do Cerco. Contudo a Soccerex olha com atenção para Macau como palco para eventos e operações. “Faz parte do nosso plano para expandir a presença na região. Por isso estamos à procura de oportunidades para trabalhar com Macau”, que podem passar por “organizar atividades” na RAEM.

Esse olhar para Macau foi já consubstanciado com a recente nomeação do veterano do futebol local Rui Cardoso, múltiplas vezes campeão de Macau, como jogador, e como treinador, para representante da Soccerex no território.

José Carlos Matias  20.04.2018

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019