EEUU-vs-China-De-la-guerra-comercial-a-la-guerra-de-divisas

Guerra comercial: pode haver vencedores

Os economistas do Banco Mundial fizeram contas e dizem que os países em desenvolvimento podem encontrar oportunidades no pior dos cenários.

São precisos dois para dançar o tango, mas se tudo falhar a música não pára. Ou, pelo menos, não para todos. Os presidentes chinês, Xi Jinping, e norte-americano, Donald Trump, estão a duas semanas de se encontrarem em Buenos Aires, durante a cimeira do G20,  para jantar. As hipóteses de um acordo que ponha fim à atual guerra comercial são reduzidas e o cenário de perdas para todos é o mais apontado. Mas há países que ainda poderão ganhar alguma coisa.

A ideia de que ainda pode haver vencedores de  novas barreiras tarifárias no comércio internacional é defendida  num estudo do Banco Mundial publicado esta semana. Cinco economistas modelaram o comportamento das economias em desenvolvimento caso as tarifas continuem a subir, e caso China, Japão, União Europeia,  México e Canadá retaliem com vigor. Excluindo México e China, o resto do mundo emergente pode ter solução.

Mesmo o pior dos cenários oferece quatro estratégias: envolver-se na guerra; não fazer nada; estabelecer acordos regionais de comércio com outros países que não incluam os Estados Unidos; e dar a outra face – ou seja, descer as tarifas para produtos norte-americanos. As melhores opções para o PIB são as duas últimas, e antagónicas: excluir Washington ou fazer-lhe a vontade.  Mas ambas garantem pelo menos 0,4 por cento de crescimento adicional no estudo liderado pelo economista-chefe do Banco Mundial, Shanta Devarajan. 

“Os resultados mostram que envolver-se na guerra comercial é a pior opção para os países em desenvolvimentos (duas vezes pior do que não fazer nada), ao passo que formar acordos regionais de comércio como regiões não-EUA e liberalizar tarifas às importações aos Estados Unidos (dar a outra face) é a melhor”, defendem os autores. Os cálculos projetam perdas de 0,2 por cento nas economias se a opção for escolher uma trincheira, e de 0,1 por cento ao optar por não agir. 

Segundo o estudo, a razão para estes resultados é a de que “uma guerra comercial entre os Estados Unidos e os seus principais parceiros comerciais cria oportunidades para que os países em desenvolvimento aumentem as suas exportações para esses mercados”. E, por outro lado, “liberalizar tarifas aumenta a competitividade dos países em desenvolvimento, permitindo que capitalizem essas oportunidades”.

Nos cenários do Banco Mundial, um país que já está a aumentar as vendas de soja à China, após as tarifas retaliatórias às compras do bem aos Estados Unidos, o Brasil, surge como um dos que têm maior potencial para aumentar vendas ao exterior ao seguir a estratégia de dar a outra face. Podem ver as exportações crescer 2,5 por cento. A Índia e a generalidade dos países de África também podem aumentar exportações em 2,5 por cento. Mas na África austral, onde está Moçambique, o potencial é menor: 1,2 por cento. Esta será também a melhor opção para o Sudeste Asiático, que aparece a vender mais 4,2 por cento de bens ao resto do mundo. 

Já a realização de acordos regionais, que excluam os EUA, devolve também crescimento aos países que façam essa aposta – no PIB e nas exportações – mas em regra algumas décimas abaixo da opção de ceder e descer tarifas às indústrias dos Estados Unidos. 

O grupo de economistas do Banco Mundial entende assim que os resultados a que chegaram “sublinham que os decisores políticos nos países em desenvolvimento podem desempenhar um papel proactivo e importante de melhorar o impacto prejudicial da escalada de restrições comerciais às suas economias”. 

“Ao terem um liberalização progressiva, ao procurarem acordos regionais de comércio e ao trabalharem no quadro da Organização Mundial do Comércio, podem não apenas ajudar a mitigar os termos negativos dos efeitos comerciais de maiores medidas protecionistas, mas também alcançar benefícios por explorar”, aconselham. 

Maria Caetano 16.11.2018

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019