0011

O “REGRESSO A CASA” DA GUINÉ EQUATORIAL

 

O Governo da Guiné Equatorial considera a entrada do país na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) como um “regresso a casa” e pretende agora chegar ao Fórum PALOP e à UCCLA.

 

O ministro dos Assuntos Exteriores da Guiné Equatorial, Agapito Mbo Mokuy, disse, em entrevista à agência Lusa, que o país foi colonizado mais tempo por Portugal do que por Espanha, pelo que os laços entre a lusofonia e a Guiné Equatorial são “muito fortes e históricos”.

“Hoje em dia, integrar a CPLP é somente voltar a casa”, completando uma “realidade histórica”, salientou Agapito Mbo Mokuy.

O país foi descoberto no século XV por navegadores portugueses, que fundaram a atual capital, Malabo, na antiga ilha de Fernão Pó (atual Bioko). Em 1777, o território que compõe a atual Guiné Equatorial foi entregue à Coroa espanhola no âmbito do Tratado de São Ildefonso, permitindo a regularização das fronteiras interiores do Brasil, que estavam muito além dos limites impostos pelo Tratado de Tordesilhas, de 1494.

No processo de adesão à CPLP, a Guiné Equatorial foi obrigada, entre outras condições, a ter o português como língua oficial e está em curso um programa de ensino no país.

Agapito Mbo Mokuy, que está já a ter aulas de língua portuguesa, mostrou-se confiante no sucesso do ensino, considerando que “o espanhol é muito similar ao português e, por isso, será muito fácil aprender”.

No entanto, a “aprendizagem do português não tem que ser o único objetivo” na entrada da Guiné Equatorial, que aposta mais na “integração económica e política dos países da CPLP”.

“É verdade que estamos a aprender o idioma, mas o que temos como objetivo final é esta integração económica e política” dos países da CPLP que “usam o português como veículo e idioma de comunicação”.

O país introduziu o português, a par do espanhol (o idioma mais vulgar) e do francês, como línguas oficiais, mas Agapito Mbo Mokuy preferiu valorizar as relações políticas e as novas oportunidades económicas que se abrem.

“O idioma não é um fim em si, mas apenas um veículo de comunicação”, disse.

A entrada do país na CPLP corresponde a uma estratégia de abertura do Presidente, Teodoro Obiang Nguema, disse o ministro: “Quando um país fala muitos idiomas, este país tem muito mais vantagens que os países que não falam idiomas”.

Por isso, “o governo já tem programas tanto a nível de ensino geral como ao nível dos ministérios para que todos possam falar português” e, no final do processo, “será uma vantagem porque o equato-guineano terá um idioma mais”, explicou o ministro.

Em fevereiro, os chefes da diplomacia da CPLP decidiram recomendar a entrada da Guiné Equatorial na organização, que foi decidida pelos Chefes de Estado e de Governos na cimeira de Díli, que teve lugar na quarta-feira.

 

ALARGAR INFLUÊNCIA

Agapito Mbo Mokuy, disse, em entrevista à Lusa, que vai pedir a entrada no Fórum PALOP, depois de assegurar a entrada CPLP.

“Queremos integrar-nos na CPLP e nos PALOP [Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa]”, disse o governante, embora salientando que este alinhamento não significa que o país se queira afastar de outras potências regionais.

“Não se tem que se separar África pelos idiomas dos países colonizadores. África é um continente de países irmãos” e “tentar agrupar os países africanos com base nos seus idiomas só nos recorda o período colonial e hoje em dia nós já não estamos no período colonial”, sustentou.

Agapito Mbo Mokuy defende que “os países africanos são livres e independentes e cooperam entre si” e os “idiomas herdados da colonização permitem fazer trocas”, reafirmando que a aproximação ao bloco lusófono não coloca em causa as relações com os países vizinhos.

“Gabão e Camarões são países irmãos, se falamos o mesmo idioma colonial, pouco importa”, disse.

No caso da lusofonia, “a maioria dos países da CPLP são africanos e são países irmãos que têm que se unir”, explicou.

O secretário-geral da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA), Vítor Ramalho, também disse recentemente que Malabo, capital da Guiné Equatorial, quer aderir à organização, o que deverá ser decidido em 2015 pelas 40 cidades lusófonas que a integram.

 

“DIFAMAÇÃO”

O ministro dos Assuntos Exteriores da Guiné Equatorial alega que o país tem sido vítima de “difamação e propaganda barata”, respondendo às queixas de violações dos direitos humanos.

“A Guiné Equatorial foi vítima de uma difamação e de uma propaganda barata sobre o que se está realmente a passar no país”, disse, considerando que o problema tem sido de comunicação e não de atentados aos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos.

Em resposta às acusações de violações de direitos humanos, feitas por várias ONG, como a Human Rights Watch, e alguns países, como os Estados Unidos, Agapito Mbo Mokuy reconhece que “uma das debilidades do [seu] Governo foi tentar vender a imagem da Guiné Equatorial no exterior”.

“Na Guiné Equatorial hoje em dia respeita-se mais os direitos humanos que em muitos países e ninguém fala desses países”, afirmou ao defender que é necessário “perceber a história” do país antes de se fazer “acusações injustas”.

Em 1979, o atual Presidente chegou ao poder através de um golpe militar. O ministro sublinha que o país tem 13 partidos políticos e que  “existe um desenvolvimento de infraestruturas em todo o país, um tipo de progresso que não existe em muitos países”.

“De onde sai este dinheiro? Sai dos recursos económicos do petróleo que tem a República da Guiné Equatorial”, resumiu, acusando a oposição de “trabalhar com certos países” e de ser responsável pela má imagem do país.

“Se em Portugal, no passado, não queriam apoiar a integração da Guiné Equatorial [na CPLP] foi por estas influências e pressões um pouco infundadas. Mas agora, as autoridades [portuguesas] estão a ver de perto o desenvolvimento económico, político, social e cultural e já se deram conta de que existe uma injustiça internacional porque o que se está a dizer fora não coincide com o que se vive hoje em dia” no país, acrescentou.

Para o ministro, a “comunidade internacional tem de fazer justiça ao Presidente da República e ao Governo da Guiné Equatorial e felicitá-los” pelo trabalho feito.

Artigos relacionados

 
 

“Há uma nova Lusofonia, onde não se fala só português e o chinês vai fazer parte”

O Festival This Is My City chega ao fim de mais uma edição no domingo, com a estreia em São Paulo, Brasil. O fundador Manuel Correia da Silva diz que o evento prova que Macau pode ser a ligação entre a China e os países de língua portuguesa. A Lusofonia já está a mudar, defende.

A reunião que mudou a história

Há 40 anos uma reunião do Partido Comunista da China marcou o início do processo de abertura e reformas económicas. Deng Xiaoping escrevia a primeira página de uma História marcada por profundas transformações dentro e fora de portas.  Naquele  início de dezembro de 1978, Deng Xiaoping estava finalmente em condições para começar a moldar o

“Não fazia falta na Universidade de Macau”

Quatro anos depois, Inocência Mata está de volta à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Do período passado no território, a professora leva a riqueza da experiência humana e cultural, bem como a decepção de ter sido “subaproveitada” na Universidade de Macau. “Estava à espera de encontrar um outro tipo de academia”, admite. Inocência

País em impasse político

As eleições legislativas foram adiadas ‘sine die’ e ninguém se compromete com uma data. A tensão política regressou ao país. Desta vez, por alegadas irregularidades no processo eleitoral. Depois de mais de três anos de uma grave crise política, os principais atores políticos guineenses chegaram em abril a um acordo sobre um nome para ser

China e Portugal, uma relação que vem de longe

O reforço do papel de Macau no relacionamento entre a China e Portugal e como plataforma entre a China e os países de língua portuguesa, assim como a assinatura de um memorando de entendimento que formaliza a adesão de Lisboa à iniciativa de Pequim “Uma Faixa, Uma Rota” são dois dos marcos da visita de

“Desvinculei-me de mim”

“Sétimo Sentido” marca uma nova fase na carreira do escritor e professor de comunicação José Manuel Simões. O ex-jornalista e diretor do Departamento de Comunicação da Universidade de São José publica a sua terceira obra de ficção, tendo como referência uma viagem que fez à Índia e a voz de uma personagem feminina, a médica