A6_1

MACAU APOIA PROMOÇÃO DA MODA PORTUGUESA NA ÁSIA

 

Nomes da moda portuguesa vão estar este mês representados em Hong Kong e Taipé através da Munhub, um projeto de Macau que ajuda empresas lusófonas a entrar no mercado asiático. 

 

Pullovers termorreguladores ou meias de vidro antimosquito são alguns dos produtos da empresa portuguesa Manifesto Moda que vão estar à venda este domingo no Design Market, em Hong Kong, e a partir de dia 8 de outubro em Taipé no evento In Bed with Designers.

Representantes comerciais de uma tecnologia antimosquito certificada contra doenças como a malária e a febre de dengue, a empresa, criada em 2010, alia a investigação científica à indústria da moda. “A ideia do nosso projeto é pegar na inovação têxtil e nanotecnologia para poder trazer muito do que existe neste setor no desporto, saúde ou área militar para a roupa do dia a dia”, explica em entrevista ao Plataforma Macau uma das sócias da Manifesto Moda, Ana Salcedo Guimarães.

O Design Market na região vizinha de Hong Kong apanha o sul da China a mãos com uma epidemia de dengue, que já fez pelos menos quatro vítimas mortais na província de Guangdong, entre os cerca de onze mil casos registados. Os produtos da Manifesto Moda, vendidos para vários mercados na Europa e zonas endémicas, como o Panamá, Quénia ou Moçambique, procuram agora entrar no continente asiático.

“Trabalhamos com cientistas da Universidade do Minho que desenvolveram uma nova fórmula através de nanopartículas de sílica que se agarra à fibra têxtil e tem uma durabilidade de 50 a 90 lavagens, ou seja, é um grande salto em termos de capacidade têxtil”.

A empresa portuguesa está também em contacto com organizações não governamentais e autoridades da saúde de vários países para apresentar soluções acessíveis em termos financeiros para que estas peças de roupa possam chegar a um maior número de pessoas.

 

PARCERIA COM MACAU

A representação de nomes lusófonos no Design Market e, mais tarde, no evento In Bed with Designers na capital taiwanesa, está a cargo da Munhub, uma empresa criada há pouco mais de um mês pela marca de Macau Lines Lab. “É uma plataforma que pretende dar continuidade a um projeto de internacionalização da nossa marca, só que a diferença é que abrimos este serviço a outras marcas”, explica um dos responsáveis pelo projeto, Manuel Correia da Silva.

“São marcas à partida muito parecidas com a nossa e, por isso, comungamos dos mesmos desafios, das mesmas necessidades”.

Além da Manifesto Moda, também as portuguesas AForest, Qwiu e o português natural de Angola, Louis de Gama, vão estar representados pela Munhub nestes dois eventos.

É uma parceria essencial para o estabelecimento da Manifesto Moda neste canto do mundo, admite Ana Salcedo Guimarães. “Não só pelo lado de proteção e acessibilidade [dos nossos produtos], mas também temos o lado do conforto, do bem-estar, do styling e do designing, que é igualmente importante para o dia a dia das pessoas”.

A responsável ressalva que, entre os países que compõem o universo da lusofonia, “há uma forte conexão” e “temos de nos juntar e ter oportunidades de mostrar o que está a ser feito”.

Também a marca portuguesa Aforest quer virar-se para o oriente. O projeto de Sara Lamúrias vai estar pela segunda vez este ano no Design Market com um grupo de acessórios que incluem malas e mochilas. A designer de moda acredita que “um conjunto de marcas com um elemento comum – as suas origens – terá mais força”. Esta nova parceria “marca pela união e pela diferença”, nota.

De Macau, a Munhun já levou a edições anteriores do Design Market de Hong Kong as peças de vestuário de San Lee, criador local da marca ZICS.

Foi a primeira vez que o trabalho do jovem de 30 anos saiu de Macau. “É uma boa oportunidade para os profissionais locais explorarem outros mercados, seja no continente chinês ou mesmo lá fora”, sublinha San Lee ao Plataforma Macau. “Para os designers de Macau sobreviverem da indústria da moda, é importante conhecer outros ambientes”.

San Lee, que terminou o curso de Moda no Centro de Produtividade e Transferência de Tecnologia de Macau, dedica-se também ao design gráfico e de interiores. Vai ser representando pela Munhub na edição de novembro do mercado de design de Hong Kong, onde estarão à venda as novas peças de vestuário para a coleção outono/inverno.

 

Catarina Domingues

 

 

Inspirado em mercados como o de Portobello em Londres ou o Chelsea em Nova Iorque, o DESIGN MARKET HONG KONG junta profissionais das várias áreas do design que aqui podem mostrar e vender as suas peças. As próximas edições deste mercado, instalado numa antiga esquadra de polícia, a PMQ (Police Married Quarters), na Hollywood Road, realizam-se nos dois primeiros domingos de outubro e de novembro.

 

IN BED WITH DESIGNERS é uma iniciativa da loja online buyMeDesign com sede em Hong Kong, que transforma uma série de quartos de hotel em pequenos universos decorados com as peças de designers de todo o mundo. Os visitantes têm oportunidade de interagir e mesmo “ir para a cama” com os criadores. A próxima edição realiza-se em Taipé, capital de Taiwan, entre 8 e 12 de outubro. Em 2015, é a vez dos designers se deitarem em Singapura e Sidney.

 

 

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019