B8_2

OHNO: ROUPA NACIONAL PRODUZIDA COM MATÉRIA-PRIMA SUSTENTÁVEL

 

Fundada por três jovens portugueses, esta marca de vestuário recorre apenas a ingredientes “amigos do ambiente” como o algodão reciclado ou virgem, o tencel e o poliéster reciclado.

 

A OHNO é uma marca de roupa, criada por três jovens portugueses, que utiliza quase exclusivamente matérias-primas sustentáveis. Todo o trabalho de estampagem é feito com tintas à base de água. Uma “t-shirt”, por exemplo, é constituída por 50% de algodão orgânico reciclado e por 50% poliéster reciclado.

A marca foi idealizada em 2013 por Pedro Henriques, 26 anos, Ivo Fernandes, 27 anos e Nuno Samarra, 27 anos (mais tarde, Nuno teve de abandonar o projecto, sendo substituído por Helena Cadete, 45 anos). Os criadores queriam que o nome da marca sugerisse um grito de alerta — daí o “oh no!” — para promover uma consciência ambiental mais sólida. “Temos consciência de que a natureza tem de ser preservada e honrada por tudo o que representa, por isso tivemos a ideia de criar uma marca de roupa com um padrão ecológico”, refere Pedro ao P3 numa conversa telefónica.

Cada peça de roupa  é composta no mínimo por 95% de matéria-prima sustentável. É o caso do algodão orgânico virgem ou reciclado, do poliéster reciclado, que resulta da transformação de antigos produtos PET em novos produtos, e do tencel, uma fibra de celulose natural feita a partir da polpa da madeira retirada de florestas auto-sustentáveis.

Toda a linha de produção da OHNO está, segundo Pedro Henriques, baseada nos princípios de comércio justo, no diálogo, na transparência e no respeito, na procura pela maior igualdade no comércio internacional. O projecto contribui para o desenvolvimento sustentável, garante Pedro, e oferece as melhores condições comerciais aos produtores e aos trabalhadores que integram a cadeia produtiva.

A OHNO não tem acesso às matérias-primas originais, porque é a empresa inglesa com que trabalha — cujo nome Pedro não quis revelar — que reúne os materiais, transformando-os e produzindo peças. A OHNO apenas trata de todo o processo de design do vestuário. Contudo, como os têxteis são certificados, os criadores dizem ter a certeza de que estão a trabalhar com produtos sustentáveis.

Esta marca de roupa ecológica, para além de ter como objectivo alcançar o mercado internacional, pretende começar a produzir calças, calções, acessórios e utilitários desportivos, como mochilas e sacos, por exemplo, tudo com uma vertente ecológica. Entre as suas marcas distintivas está uma solução de tecido, aplicada ao lado do bolso das “t-shirts”, que permite pendurar os óculos de sol, ou os auriculares, por exemplo, sem danificar a gola.

A marca já conta com uma loja online, onde os preços variam entre 23,90 euros (uma “t-shirt” básica) e 27,90 euros (uma “t-shirt” com um bolso e a aplicação).

 

Exclusivo P3 para o Plataforma Macau

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019