algas

ALGAS DA RIA DE AVEIRO PARA O MUNDO

 

Empresa criada há dois anos está a exportar macroalgas que podem ser usadas na indústria alimentar, cosmética ou mesmo rações para animais.

 

Uma empresa criada há dois anos por dois biólogos está a exportar macroalgas produzidas na Ria de Aveiro e pretende fazer renascer a sua apanha, outrora feita em barco moliceiro, para as vender a granel. Estabelecida em Ílhavo, partilhando as infraestruturas com uma unidade de aquacultura que cria robalos e douradas, a AlgaPlus dedica-se à produção controlada de macroalgas marinhas, que têm aplicação variada, desde a indústria alimentar à cosmética, ou a rações para animais.

“Neste momento o que estamos a vender destina-se ao consumo humano direto, mas também vendemos para empresas que usam essas algas para outras áreas, e estamos a evoluir mensalmente e a ganhar mais clientes”, disse à Lusa Rui Pedro Pereira, biólogo e co-fundador da AlgaPlus.

As macroalgas não são propriamente novas em Portugal, mas resultam da apanha na costa. A novidade está na sua produção controlada em aquacultura, tecnologia em que a Algaplus é pioneira em Portugal e uma das poucas a usá-la na Europa. O mercado português ainda é pequeno, apesar de haver cada vez mais adeptos da comida vegetariana em que as algas têm larga aplicação, pelo que a empresa trabalha também para a exportação, nomeadamente para França, Suíça e Inglaterra.

A ligação à investigação mantém-se e é uma das formas de rendimento da empresa, como explica Helena Abreu, bióloga e co-fundadora da AlgaPlus: “As algas têm propriedades bioativas que podem ajudar a melhorar a alimentação de animais, como aditivos nas rações. Essa é uma das vertentes que temos em investigação para valorizar as algas de recolha, a que chamamos ‘algas low-cost’, destinadas a mercados de maior volume”.

algas5 algas4 algas3 algas2

O bioplástico é outra aplicação em estudo, estando a AquaPlus a trabalhar em consórcio num projecto europeu com 12 parceiros de vários países, cabendo-lhe a responsabilidade de fornecer a biomassa e trabalhar na otimização da sua composição, através da manipulação do cultivo.

“Há toda uma ligação das comunidades a essas atividades. Um dos nossos objetivos é a revitalização tanto da atividade, como das áreas em si. Existe muita área abandonada na Ria de Aveiro que, com adaptações, é propícia ao cultivo de macroalgas. Além da produção em cultivo, há a possibilidade de haver uma recolha sustentável dos recursos que existem na Ria, onde há duas espécies de algas, uma vermelha e outra verde, cujos nomes comuns são o “cabelo de velha” e a “alface do mar”, em que temos estado a desenvolver produtos para lhes dar valor comercial”, explica Helena Abreu.

A bióloga acredita que, revista que seja a regulamentação e com novas aplicações para essas algas, poderá voltar a haver interesse económico na apanha de algas na Ria de Aveiro, ainda que já não nos típicos barcos moliceiros. “É uma atividade que, inclusive, pode colmatar a sazonalidade das atividades da pesca e da apanha de bivalves, podendo os pescadores fazer a recolha de algas noutras épocas do ano”, destaca. Além da atividade de investigação e da venda de algas a granel, a AlgaPlus vende também diretamente ao consumidor vários produtos, sob a marca Tok de Mar.

 

algas8 algas6algas_bacalhau-com-mac3a7c3a3-cannellone-de-legumes-e-reduc3a7c3a3o-de-espumante-politc3a9cnico-da-guarda-1

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019