edgar1

EDGAR MARTINS A IMPOSSIBILIDADE POÉTICA DE CONTER O INFINITO

 

‘A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito’ é o mais recente trabalho do artista macaense Edgar Martins, realizado ao longo de 2012 e 2013 nas várias instalações da European Space Agency (ESA), em nove países de três continentes.

 

Este trabalho singular é o resultado de uma situação inédita: pela primeira vez, a agência espacial abriu portas a um olhar externo, investindo na relação com o grande público através da mediação artística.

Nos últimos dois anos, o artista viajou por todo o mundo, desde o Reino Unido, Holanda, França, Alemanha, Espanha, Rússia, Cazaquistão e Guiana Francesa para fotografar instalações classificadas como centros de teste e robótica, departamentos onde se localizam simuladores espaciais, laboratórios, plataformas e centros de treino de astronautas e salas de montagem de satélites.

As fotografias foram captadas com exposições bastante longas, a composição limpa e a nitidez híperrealista das imagens contraste com o véu de segredo e enigma que geralmente encobre atividade relacionada com o espaço.

Embora raramente acessível  ao olhar público, a tecnologia e as instalações que Edgar Martins fixa no seu trabalho artístico ‘A Impossibilidade poética de conter o infinito’ surgem-nos como estranhamente familiares, facto que denota a influência e a importância do tema na  sociedade e na formação da nossa compreensão sobre a exploração espacial.

Ao procurar entender melhor  a relação entre tempo, espaço e matéria, Edgar Martins contribui para o questionamento sobre as políticas de exploração espacial, o papel crescente da ciência e da tecnologia na nossa sociedade e sobre a nossa relação com o desconhecido, tocando assim em questões mais amplas em torno de epistemologia, metafísica e, finalmente, sobre a concepção que a humanidade constrói de si mesma

O levantamento rigoroso realizado por Edgar Martins revela a escala do empreendimento, talvez o maior registo desta natureza levado a efeito na actualidade: são mais de 80 fotografias que registam desde o macro-foguete, satélites, módulos de formação a micro-componentes pouco visíveis ao olhar humano.

A sua abordagem é tanto descritiva como especulativa. Situando-se o seu trabalho algures entre o facto e a ficção, é nesse lugar de ambiguidade que as suas fotografias assumem o seu significado pleno.

Patente anteriormente na Fundação Calouste Gulbenkian em Portugal, a exposição ganha agora em Coimbra uma nova dimensão: apresenta, pela primeira vez associados às imagens de Edgar Martins, um conjunto de instrumentos científicos da ESA que integraram algumas das mais importantes missões ao Espaço, como sejam  a missão Rosetta, Phobos, Corot. Com a curadoria de Catarina Pires a mostra contará ainda com objectos pessoais do artista e do astronauta sénior Jean François Clervoy ( objectos que estiveram presentes em várias missões ao Espaço).

Sensível à importância do trabalho artístico de Edgar Martins, a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra associou-se a este projecto desde o momento da sua criação e produção. Em parceria com a Câmara Municipal de Coimbra mostram a exposição em Coimbra onde ficará patente até dia 3 de Janeiro de 2015, na sala da cidade.

 

Jorge Simões 

 

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019