forte4

MOEDAS COMEMORAM 100 ANOS DO FORTE DE COPACABANA

 

A Casa da Moeda do Brasil lançou esta semana uma medalha comemorativa dos 100 anos do Forte de Copacabana, uma base militar de importância histórica que se tornou num ponto turístico na zona sul do Rio. As moedas foram confeccionadas em ouro, prata e bronze. De acordo com o gerente do Clube de Medalha da Casa da Moeda, José Vitor Martins, o tema foi escolhido, no ano passado, entre 250 concorrentes.

moedas1 moedas2 moedas3

A seleção é feita por uma comissão de sócios do clube, de pesquisadores de museus e da sociedade. Após a escolha, foi definido o desenho, de acordo com sugestão enviada pelo próprio Forte de Copacabana. Assinam a criação as artistas Fernanda Costa e Érica Takeyama, da Casa da Moeda.“Depois que a peça se esgota, não tem como ser produzida uma nova tiragem, porque fica marcada na moeda quantas iguais a elas foram produzidas. Quando se esgota, a moeda vira uma peça rara”, explicou o gerente. Os exemplares podem ser comprados no catálogo online do Clube da Medalha. Cada uma das de bronze custa R$ 70 (30 dólares), enquanto o valor das de prata é R$ 330 (136 dólares), e o das de ouro, R$ 23.266 (9.609 dólares).

O Forte de Copacabana localiza-se na ponta de Copacabana, ao final da praia e bairro de mesmo nome, no Fio de Janeiro.Oficialmente denominado como Museu Histórico do Exército / Forte de Copacabana (MHEx/FC), atrai atualmente um fluxo de cerca de dez mil visitantes por mês, constituindo-se como um dos mais belos cartões-postais da cidade.

 

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019