Rosa-Pacavira-JEF-VP-

ANGOLA QUER COMBATER VENDA DESREGRADA

 

Autoridades vão lançar ofensiva contra diversas formas de comércio à margem das normas‭ ‬

 

O Ministério do Comércio de Angola quer combater as vendas desregradas no país, centrando as suas atenções no comércio ambulante e na comercialização de produtos expirados, bem como no exercício da atividade sem alvará comercial por parte de cidadãos estrangeiros

A iniciativa foi revelada esta semana, em Malanje, pela ministra do Comércio, Rosa Pacavira, durante um encontro com os responsáveis e funcionários da Direcção Provincial do Comércio. Segundo a dirigente, a venda ambulante está acentuada nas cidades do país e a atividade de cantinas é dominada por estrangeiros com cartões de refugiado e sem alvará comercial.

Rosa Pacavira considerou ser volumoso o trabalho que se tem pela frente para combater o comércio informal, razão pela qual, disse, todo  esforço deve ser envidado pelos técnicos das direções provinciais, em colaboração com o Ministério, para se atingir os objetivos preconizados.

De acordo com a ministra, vai ser implementado, em Malanje, no próximo ano, um centro comercial com várias galerias, cinema e outros serviços, no âmbito do programa de investimentos públicos (PIP) de 2015. Este projeto, explicou, consta do plano provincial da rede de expansão dos centros comerciais, daí que as autoridades da província devem começar já a trabalhar para identificar o espaço para a sua edificação.

Rosa Pacavira anunciou o lançamento, esta semana, do programa de aquisição de produtos agrícolas (PAPAGRO) em Malanje, no município de Cacuso, com vista a incentivar o intercâmbio de produtos hortícolas, fuba, farinha torrada, entre outros. O PAPAGRO está a ser levado cabo pelo Ministério do Comércio no país, com o objetivo de comprar os produtos a partir do próprio camponês, fazendo com que consiga escoar a sua produção e possa sair da condição de pobreza.

Fruto do lançamento desse programa, segundo Rosa Pacavira, urge a necessidade de se instalar na província centros de micro-processamento de alimentos para que os bens adquiridos pelo PAPAGRO possam ser transformados e concorrerem para o combate à pobreza.

Artigos relacionados

 
 

Estudante angolano vence prémio na China

Hortêncio Cassemene venceu um prémio de Melhor Escritor Estrangeiro na China com o livro “The Foreigner”. Uma obra que o angolano descreve como “um guia de adaptação à China”, pensado para ajudar os estudantes internacionais, mas não só, a ultrapassar o choque cultural. Hortêncio Cassemene venceu em maio passado o concurso de Melhor Escritor Estrangeiro

Há obras que custam

As derrapagens nos orçamentos e nos prazos têm marcado as obras públicas. Agora que o metro ligeiro – uma das obras mais ambiciosas da RAEM – volta a ser tema, o PLATAFORMA faz o balanço do projeto e de mais quatro determinantes para a cidade.  O metro ligeiro voltou à ordem do dia. Desta feita, pelas

Um ano depois

Fez 10 mortos, dezenas de feridos e prejuízos avaliados em cerca 12 mil milhões de patacas. O então diretor dos Serviços Meteorológicos de Macau Fong Soi Kun foi demitido na sequência de um processo disciplinar instaurado pelo Governo. O Hato ficou na História. Um ano depois, revisitámos alguns dos sítios fustigados pelo maior tufão dos

“Nova era de aproximação”

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciaram uma nova fase na relação entre os dois países, ultrapassando dívidas e o rapto de um empresário português.  Trocaram piadas e sorrisos. Fizeram juras de novos encontros e de aprofundamento da cooperação bilateral. O encontro entre o primeiro-ministro português António Costa e o

Viagem à Boa Vista

Fomos à terra do escritor Germano de Almeida em busca da morabeza que ele receia ter-se perdido. Descanse o homem das letras – e todos os viajantes apaixonados pelo arquipélago africano. A Boa Vista continua especial. Tenho medo de voltar, receio de se ter perdido a morabeza que lá deixei. Quero ficar com essa memória.

Impasse que perdura

Depois de mais de um ano de tensão política e dois meses após as eleições antecipadas em Timor-Leste, os solavancos políticos continuam por resolver. O impasse entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses sobre a nomeação de nove membros do VIII Governo permanece. De um lado Francisco Guterres Lu-Olo, Presidente da República e