Foto 2ª Vaga IPIM PLataforma Macau

Conteúdo Patrocinado – Macau oferece serviços que acrescentam valor às empresas

Macau é mais que uma porta de entrada, é também uma ampla plataforma de serviços para as empresas dos países de língua portuguesa que procuram novas oportunidades e novos mercados. E para as empresas da China Continental é o local ideal para obterem acesso a informação sobre os mercados lusófonos.

Os serviços disponibilizados pelo Instituto de Promoção do Comércio e Investimento de Macau (IPIM) fazem toda a diferença. Neste contexto, o Centro de Exposição dos Produtos Alimentares dos Países de Língua Portuguesa, conjugado com o Portal para a Cooperação na Área Económica, Comercial e de Recursos Humanos entre a China e os Países de Língua Portuguesa”, atuam como uma nova plataforma para fornecer serviços simultaneamente online e offline, para os clientes e empresários dos países de língua portuguesa, da China Continental e de Macau.

Foto 2ª Vaga IPIM PLataforma Macau

 

O bom sabor dos negócios

O Centro de Exposição dos Produtos Alimentares dos Países de Língua Portuguesa, sito na Praça do Tap Seac, numa zona de excelência no centro historico de Macau.As empresas têm uma montra sem igual para os seus produtos.Cada produto em exibição possui um QR code exclusivo, de modo que os clientes/comerciantes sejam informados, por leitura móvel, sobre o historial dos respetivos produtores e/ou distribuidores, além de informações acerca dos próprios produtos. No caso dos produtos disponíveis para transacção na modalidade “B2C”, os interessados podem ainda optar por ligar-se a plataformas de compras online, que fornecem os respectivos produtos por via de compra online.
Desde que abriu ao público, o Centro já realizou diversas atividades, ajudando as empresas a elevar o prestígio dos produtos de marca. Quanto aos residentes de Macau e turistas, encontram aqui um espaço único onde podem simplesmente desfrutar novos sabores ou iniciar contactos para negócios.

 

Portal aberto a todos

O Portal para a Cooperação na Área Económica, Comercial e de Recursos Humanos entre a China e os Países de Língua Portuguesa é um instrumento de grande valor para as empresas. Aqui os empresários podem obter respostas a muitas das suas necessidades sobretudo informações sobre profissionais bilingues de língua chinesa e portuguesa, dados económicos e comerciais, assim como de produtos alimentares dos países lusófonos.
A Universidade de Macau, o Instituto Politécnico de Macau, o Instituto Português do Oriente, bem como a Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau e outros institutos académicos locais são as entidades de apoio desta base. Várias câmaras e associações comerciais locais cooperam na recolha e divulgação de informações. Atualmente, os sectores que compõem a  base de dados são: tradução, convenções e exposições, relações públicas, setor bancário e obras públicas.

 

Encontros com frutos

Além de usufruir dos serviços, as empresas podem igualmente aproveitar para desenvolver contactos todos os anos no Encontro de Empresários para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O referido Encontro realiza-se desde 2005, rotativamente em cada país de expressão portuguesa. Ao longo dos últimos 13 anos, milhares de empresários têm colhido frutos dos encontros empresariais, aproveitando para conhecer o ambiente de negócios dos vários países de língua portuguesa. As delegações empresariais incluem também entidades governativas e empresariais de Macau e da China Continental o que tem permitido a assinatura de centenas de protocolos e memorandos de entendimento, que se traduzem em projetos de cooperação e negócios com vantagens para todas as partes.

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019