800

Estudar as relações sino-lusófonas

A Universidade de Coimbra (UC) anunciou a criação de um curso de formação avançada em torno das relações entre a China e o mundo lusófono. 

Com o título “A China e os Países de Língua Portuguesa na Economia Mundial: Comércio, Turismo, Cooperação e Desenvolvimento”, o curso é coordenado por Carmen Amado Mendes, professora de Relações Internacionais da Faculdade de Economia da UC e autora de livros e artigos académicos sobre a transição de Macau, as negociações entre Portugal e a China e em torno do papel de Macau como plataforma entre a China e os países de língua portuguesa.

Carmen Mendes explica ao PLATAFORMA que “este curso procura reinventar o futuro desta relação secular”. Neste contexto, sublinha, a “Universidade de Coimbra desempenhou   um papel importantíssimo na história do relacionamento com o Oriente,  tendo sido durante muito tempo, a única universidade do mundo lusófono”. 

O programa destina-se a “atuais e futuros diplomatas, governantes, jornalistas, advogados e juristas, gestores, empreendedores e investidores, ou intermediários, que trabalhem sobre as relações da China com os países lusófonos e europeus”. 

O curso inclui quarto seminários abordando os sistemas políticos da China, da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e da União Europeia, o turismo, investimentos e relações comerciais sino-lusófonas, as economias emergentes e a cooperação Sul-Sul e questões inter-culturais englobando a China e o mundo lusófono. 

Além disso, vai também oferecer disciplinas de língua portuguesa e língua chinesa para negócios. 

A criação deste curso surge na sequência de outras iniciativas da UC de aproximação à China nos últimos anos. A mais sonante foi a inauguração do Instituto Confúcio há dois anos, sediado no Colégio de Jesus da UC, um local com um simbolismo particular dado que foi do primeiro colégio jesuíta em Coimbra que começaram a sair muitos dos missionários que rumaram à China e ao Oriente há cerca de cinco séculos. O número de alunos chineses na UC tem vindo a aumentar significativamente, chegando no atual ano lectivo a cerca de  300, em resultado da criação em 2014 de uma via especial de acesso a  estudantes da China continental, através da qual estes podem candidatar-se à UC com base nos resultados do Exame Nacional de Entrada no Ensino Superior, conhecido como Gaokao. 

José Carlos Matias  01.06.2018

Artigos relacionados

 
 

Estudante angolano vence prémio na China

Hortêncio Cassemene venceu um prémio de Melhor Escritor Estrangeiro na China com o livro “The Foreigner”. Uma obra que o angolano descreve como “um guia de adaptação à China”, pensado para ajudar os estudantes internacionais, mas não só, a ultrapassar o choque cultural. Hortêncio Cassemene venceu em maio passado o concurso de Melhor Escritor Estrangeiro

Há obras que custam

As derrapagens nos orçamentos e nos prazos têm marcado as obras públicas. Agora que o metro ligeiro – uma das obras mais ambiciosas da RAEM – volta a ser tema, o PLATAFORMA faz o balanço do projeto e de mais quatro determinantes para a cidade.  O metro ligeiro voltou à ordem do dia. Desta feita, pelas

Um ano depois

Fez 10 mortos, dezenas de feridos e prejuízos avaliados em cerca 12 mil milhões de patacas. O então diretor dos Serviços Meteorológicos de Macau Fong Soi Kun foi demitido na sequência de um processo disciplinar instaurado pelo Governo. O Hato ficou na História. Um ano depois, revisitámos alguns dos sítios fustigados pelo maior tufão dos

“Nova era de aproximação”

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciaram uma nova fase na relação entre os dois países, ultrapassando dívidas e o rapto de um empresário português.  Trocaram piadas e sorrisos. Fizeram juras de novos encontros e de aprofundamento da cooperação bilateral. O encontro entre o primeiro-ministro português António Costa e o

Viagem à Boa Vista

Fomos à terra do escritor Germano de Almeida em busca da morabeza que ele receia ter-se perdido. Descanse o homem das letras – e todos os viajantes apaixonados pelo arquipélago africano. A Boa Vista continua especial. Tenho medo de voltar, receio de se ter perdido a morabeza que lá deixei. Quero ficar com essa memória.

Impasse que perdura

Depois de mais de um ano de tensão política e dois meses após as eleições antecipadas em Timor-Leste, os solavancos políticos continuam por resolver. O impasse entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses sobre a nomeação de nove membros do VIII Governo permanece. De um lado Francisco Guterres Lu-Olo, Presidente da República e