GuinéBissauPalácioPresidencialFotoVOA

Políticos guineenses com olhos nas legislativas de novembro

Depois de mais de três anos de uma crise política na Guiné-Bissau, os líderes dos principais partidos do país, nomeadamente Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e Partido de Renovação Social (PRS), chegaram a acordo e abriram caminho a um entendimento.

Tudo começou com um acordo entre os líderes das bancadas parlamentares para a abertura do hemiciclo, que estava encerrado há quase três anos e não se reunia para debater o que quer que fosse.

A ideia foi prolongar a legislatura e eleger a nova direção da Comissão Nacional de Eleições, sem a qual a realização das legislativas previstas para novembro era impossível.

O acordo alcançou-se com a presença de mais uma missão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que visitou o país depois de ter imposto sanções no início de fevereiro a 19 individualidades políticas, entre as quais se destacam o Procurador-Geral da República e vários membros do PRS, por “criarem obstáculos à implementação do Acordo de Conacri”, segundo a organização.

O Acordo de Conacri, assinado em outubro de 2016, tinha como objetivo ultrapassar a crise política através, entre outros pontos, da nomeação de um primeiro-ministro de consenso e a formação de um Governo inclusivo.

Com obstáculos para resolver, a CEDEAO convocou uma cimeira extraordinária dos chefes de Estado e de Governo, com a presença de todas as partes em conflito na Guiné-Bissau.

Foi a partir de Lomé, capital Togo, que a própria CEDEAO anunciou o acordo e o consenso.

O Presidente da Guiné-Bissau nomearia Aristides Gomes primeiro-ministro do país, que trataria de seguida de formar um Governo de consenso.

Coube também à CEDEAO anunciar, a realização de eleições legislativas na Guiné-Bissau a 18 de novembro, a reabertura do hemiciclo para prolongar a legislatura e a eleição de uma nova direção da Comissão Nacional de Eleições.

críticas aos políticos

Desta vez as armas ficaram nos quartéis e não substituíram o diálogo, mas a crise política trouxe consequências negativas para o país e todos os guineenses ficaram mais pobres. As palavras são de Aristides Gomes.

Sem papas na língua, o novo primeiro-ministro guineense disse que as “formas de estruturação das instituições estatais obedecem, cada vez menos, à racionalidade própria de um Estado”.

Para o chefe do Executivo guineense, o processo de estruturação das instituições está a adquirir “dimensões sombrias”.

“A prática política torna-se cada vez mais uma luta do quotidiano para o acesso de indivíduos a postos que dão acesso imediato a bens materiais para fins de satisfação pessoal ou de grupos”, salientou.

Quatro anos após as últimas eleições legislativas, realizadas em abril de 2014, e sete primeiros-ministros depois, a Guiné-Bissau continua sem garantir as necessidades básicas da população, nomeadamente saúde, educação e fornecimento de luz elétrica e água potável, apesar do crescimento económico registado, sustentado na exportação da castanha de caju.

Mas, são as legislativas de 18 de novembro a sua maior preocupação. Orçadas em 7,8 milhões de dólares, a Comissão Nacional de Eleições apenas dispõe de um milhão de dólares, dados pelo Governo guineense, para iniciar os preparativos das legislativas.

O processo deveria começar já este mês com a atualização dos cadernos eleitorais, mas os ‘kits’ necessários ainda não foram adquiridos.

No final de abril, durante a cerimónia de posse, o presidente da Comissão Nacional de Eleições, José Pedro Sambu, deixou o alerta ao Governo e à comunidade internacional.

Sabendo que nos encontramos a sete meses de novo pleito eleitoral, há mais um grande desafio a ser considerado e lançado a todo o sistema eleitoral, que é a atualização de cadernos eleitorais. Para isso é urgente o Governo adquirir ‘kits’ para que o recenseamento eleitoral possa iniciar-se no período estabelecido no cronograma elaborado pela CNE”, afirmou José Pedro Sambú.

Segundo o presidente da CNE, caso o cronograma não seja cumprido poderá haver “problemas na concretização da data marcada” para as legislativas.

“Queria aproveitar para apelar ao Governo da Guiné-Bissau e à comunidade internacional para mobilizarem recursos financeiros para suportar as atividades previstas no cronograma, pois agora é o tempo de ação e não de palavras”, salientou. A comunidade internacional fez sempre depender o apoio às eleições legislativas do fim da instabilidade política e do regresso à normalidade institucional.

A União Europeia já garantiu apoio, esperando-se agora a realização de uma nova reunião com doadores para obter o financiamento necessário para a realização das legislativas.

No último recenseamento eleitoral, realizado em 2013, contabilizou-se cerca de 700 mil eleitores guineenses. Segundo a lei eleitoral do país, a atualização dos cadernos eleitorais deve realizar-se anualmente, mas o processo não é feito há cinco anos.

Todos os partidos guineenses têm defendido uma limpeza dos cadernos eleitorais porque muitos eleitores, entretanto morreram, outros deixaram de viver no país e há ainda a questão da inclusão dos novos eleitores jovens que nesse período completaram 18 anos. 

Isabel marisa serafim-Exclusivo Lusa/Plataforma Macau  11.05.2018

Artigos relacionados

 
 

O que fazem em Lisboa as startups de Macau?

Clara Brito, Wini Cheong e Athena Choi estão a estudar negócios no mercado português. Fazem planos que ligam Macau, China e Portugal.  Portugal está nos planos de alguns dos novos negócios de Macau. As startups apoiadas no programa de intercâmbio do Governo que coloca jovens empresários no espaço de coworking de Lisboa Second Home e

“O Governo interferiu na suspensão do deputado da assembleia”

O advogado de Sulu Sou não tem dúvidas de que o Executivo interferiu no caso que envolveu o deputado. Jorge Menezes elogia a juíza mas defende que o processo em que o ativista foi constituído arguido foi uma derrota do Estado de Direito. Onde pôde, o Governo interferiu. A suspensão de Sulu Sou como deputado

Livre-circulação é nova prioridade da CPLP

A livre-circulação de pessoas dentro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) foi um dos objetivos assumidos na cimeira da organização, em Cabo Verde, que terminou quarta-feira. Os estados-membros também reforçaram a aposta na cooperação económica e voltaram a pedir à Guiné Equatorial que acabe de vez com a pena de morte.  O presidente

“O tribunal não quis estragar a vida ao Sulu Sou”

Pedro Leal discorda da sentença, mas defende que a juíza fez tudo o que podia para resolver o caso de Sulu Sou, para ser julgado rapidamente, por ser deputado e estar suspenso das funções para ser julgado. Um dos advogados de defesa do caso do ano diz não ter sentido interferências no processo judicial. Sulu

Indústria de convenções e exposições ainda por desenvolver

O Governo de Macau tem adotado uma política de promoção da indústria de convenções como uma importante atividade fora do setor do jogo. Peritos da área acreditam que ao longo dos anos a indústria tem evoluído, mas ainda necessita, claramente, de apoio governamental.  Alguns representantes desta indústria não se candidatam aos subsídios oficiais e têm

Impasse que perdura

Depois de mais de um ano de tensão política e dois meses após as eleições antecipadas em Timor-Leste, os solavancos políticos continuam por resolver. O impasse entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses sobre a nomeação de nove membros do VIII Governo permanece. De um lado Francisco Guterres Lu-Olo, Presidente da República e