jair-bolsonaro-1539967491847_1920x1080

Que acordos para o futuro do Brasil?

O candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro foi eleito no domingo Presidente da República Federativa do Brasil. Bolsonaro conseguiu 55,1 por cento dos votos, enquanto Fernando Haddad não foi além de 44,9 por cento. Resta saber com que apoios o novo líder vai contar para governar o país. 

“Somos declarados vencedores desse pleito, seguindo ensinamento de Deus”, disse Jair Bolsonaro, no primeiro discurso depois de ser eleito 38º Presidente da República Federativa do Brasil na noite de domingo, através de um vídeo partilhado na página do Facebook. O capitão do Exército na reserva, candidato pelo Partido Social Liberal (PSL), afirmou que existem “condições de governabilidade” e agradeceu ao povo brasileiro. “Vamos juntos cumprir a nossa missão. Vamos juntos mudar o destino do Brasil”, apelou.

Defensor da ditadura militar – regime que vigorou no Brasil entre 1964 e 1985 -, Jair Messias Bolsonaro nasceu a 21 de março de 1955 (63 anos) e iniciou a carreira política como uma figura caricata de posições extremas e discursos agressivos em defesa da autoridade do Estado e dos valores da família cristã. Apelidado de “mito” e “herói” pelos apoiantes e de “perigo à democracia” por críticos e adversários, Jair Bolsonaro está na política brasileira há 28 anos e foi eleito deputado (membro da câmara baixa) sete vezes consecutivas, mas sem nunca ter ocupado um cargo importante no Parlamento.

Bolsonaro ganhou notoriedade nos últimos anos e transformou-se num líder capaz de mobilizar milhares de eleitores desiludidos com a mais severa recessão económica da História do Brasil, que eclodiu entre os anos de 2015 e 2016, ao mesmo tempo que as lideranças políticas tradicionais do país têm sido envolvidas em escândalos de corrupção.

Acordos e Futuro

Embora seja a segunda bancada do congresso de deputados, o PSL tem apenas 13 por cento dos lugares e terá de negociar apoios, por troca de lugares no Executivo para garantir o apoio ao seu programa de Governo. Os analistas apontam os deputados ligados aos setores evangélicos, da agropecuária e da liberalização das armas (a conhecida bancada BBB – Bíblia, Boi e Bala – transversal a vários partidos) como os óbvios. Além disso os partidos do centro-direita, em particular o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), serão outros apoiantes óbvios. 

O Presidente brasileiro ainda em funções, Michel Temer, mostrou-se convicto de que o sucessor, Jair Bolsonaro, “fará um Governo de paz e harmonia” que o Brasil precisa. O juiz federal brasileiro Sérgio Moro, responsável pela prisão do ex-Presidente Lula da Silva (PT), também felicitou Jair Bolsonaro pela vitória nas eleições presidenciais, e defendeu a necessidade de reformas na Economia e Administração Pública.

Apesar de a extrema-direita brasileira ter vencido as presidenciais, os partidos de esquerda saíram reforçados nas eleições para os Governos regionais, conquistando mandatos em nove dos 27 estados do Brasil.

Dos nomes anunciados para o Governo, destaca-se o futuro ministro da Fazenda. Paulo Roberto Nunes Guedesm, um economista liberal, formado pela universidade de Chicago. Onyx Lorenzoni, deputado federal reeleito pelo DEM do Rio Grande do Sul nas eleições de 7 de outubro, será o ministro da Casa Civil, uma espécie de “número dois” do Executivo. É a ele que lhe vai competir o papel de agendar encontros de Bolsonaro com outros parlamentares, com o objetivo de aumentar o apoio do candidato do PSL entre os congressistas.

Para ministro da Defesa, foi anunciado Augusto Heleno Ribeiro Pereira, general da reserva do Exército brasileiro. Antigo comandante das Forças de Paz da ONU no Haiti, foi notícia em 2014, quando afirmou que as Forças Armadas não deveriam pedir desculpas por violações aos Direitos Humanos cometidos durante a ditadura militar. No que respeita ao Ministério da Ciência e Tecnologia, o nome escolhido por Bolsonaro é Marcos Cesar Pontes, o primeiro astronauta latino-americano. 

Carolina de Ré 02.11.2018

Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019