sokols-conferencia

Sokols 2017: A “oposição” que vem do norte

Promoveram uma das maiores manifestações políticas do país, barraram o primeiro-ministro para reclamar o cumprimento de promessa eleitorais, estiveram na linha da frente no apoio à retirada dos manuais escolares com erros e denunciaram a destruição do edifício histórico do antigo consulado inglês no Mindelo. Chama-se Sokol s20017 e querem, a partir de São Vicente, levantar a voz dos cidadãos de todas as ilhas contra o centralismo da capital cabo-verdiana.

A cinco de julho, quando o “establishment” celebrava na cidade da Praia, na ilha de Santiago, o 42º aniversário da independência de Cabo Verde, milhares de cabo-verdianos saiam às ruas na cidade do Mindelo, na ilha de São Vicente, manifestando-se contra o centralismo da capital.

Num país sem grande tradição de mobilização popular e cívica, a manifestação surpreendeu pela dimensão e pelo nível de contestação a um Governo com pouco mais de ano e meio de funções.

Dois meses depois, a comitiva do primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva foi momentaneamente barrada por manifestantes à saída do aeroporto Cesária Évora, no Mindelo, aquando de uma visita à ilha.

Por trás dos protestos, está o mesmo movimento: o Sokols2017, um grupo de cidadãos que contesta o que considera o “centralismo exacerbado” da capital cabo-verdiana e a concentração de investimentos na ilha de Santiago. Um coletivo que quer ver o país regionalizado e descentralizado.

O Sokols2017 inspira-se nos Sokols de Cabo Verde ou Falcões de Cabo Verde, uma organização juvenil criada em 1932, em São Vicente, por um funcionário da Western Telegraph Company, à semelhança do movimento checo surgido em 1862.

Salvador Mascarenhas, um veterinário formado em Portugal, é o rosto mais mediático do movimento, mas rejeita o papel de líder num grupo de “simples cidadãos”, que tem “vários facilitadores”.

Em plena contestação à construção de um hotel no espaço daquele que foi o antigo consulado britânico do Mindelo, um edifício histórico entretanto demolido, e já a preparar nova manifestação para 13 de janeiro, Nelson Faria, outro dos “facilitadores” explica a génese e as motivações do movimento.

“A ideia surgiu a partir de um grupo de reflexão sobre a vivência, situação atual de São Vicente e de Cabo Verde resultante da atuação política” e da “necessidade de fazer valer a voz da sociedade civil” numa “democracia, até ao momento, ‘propriedade’ dos partidos”, resume.

Os elementos do movimento definem-se como “simples cidadãos” que se juntam num movimento “apartidário, orientado para o posicionamento político da sociedade civil” e que rapidamente foi rotulado de “bairrista” por defender mais para São Vicente.

“A conotação bairrista tem sido a menos própria”, lamenta Nelson Faria, destacando a intensão de fazer alastrar o movimento pelas ilhas: “[que] em cada uma [haja] um Sokols capaz de reivindicar as necessidades locais e fazer valer a posição do cidadão sobre a governação local e central”.

“Surgiu em São Vicente e atua sobretudo em São Vicente por esta [ilha] ser o epicentro do descontentamento generalizado, onde a população já se encontra num nível de consciência que possibilita atuação capaz de melhorar o bem comum”, sustentou.

Ao Sokols original, que em 1939 foi extinto e substituído pela Mocidade Portuguesa, foram buscar os “valores intemporais” do civismo, da atuação cidadã e da cultura do desenvolvimento pessoal e intelectual.

 “Valores do bem comum são e serão sempre intemporais, por isso, serviram ontem, servirão hoje e ainda amanhã”, entende Nelson Faria.

Uma mobilização “quase” surpreendente

A polícia não divulgou os números da manifestação de 5 de julho e a organização apontou para mais de dez mil manifestantes, mas o certo é que as ruas do Mindelo se encheram de gente e sobretudo de indignação pelo que consideram as promessas não cumpridas de descentralização de investimentos. 

Nelson Faria diz que, por um lado, a adesão foi surpreendente, mas, por outro, era de certa forma esperada. “Não é prática tanta adesão das pessoas às manifestações. Aliás, foi a primeira manifestação cívica, de caráter político, em São Vicente, com tamanho número de pessoas. Por outro lado, não surpreende dado o descontentamento generalizado da população e a necessidade de mudança do paradigma em que vivemos”, disse. 

Coincidência ou não, nos últimos meses o Governo tem vindo a anunciar uma série de investimentos para a ilha. Contudo na proposta de Orçamento de Estado para 2018, São Vicente, apesar de ser a segunda ilha mais populosa do país, é apenas a quinta região em matéria de investimentos previstos.

“Como é possível que a população não se manifeste quando os ocupantes de cargos políticos se autodescredibilizam, são incoerentes e continuam a brincar com a expectativa das pessoas?”, questiona.

O movimento quer “um Cabo Verde equilibrado, justo, descentralizado e harmonioso, com oportunidades de emprego, educação e saúde para todos”. Por isso, prepara para o início do ano nova “resposta da sociedade civil” à forma como o país está a ser conduzido, e garante que “está fora de questão” tornar-se um partido político.

“O Sokols 2017 é e continuará a ser um movimento cívico, apartidário, com orientação para dar voz a sociedade civil na nossa democracia. Isto não quer dizer que o Sokols não venha apoiar a cidadania presente na governação, nomeadamente eleição de deputados sem trela partidária através de listas uninominais, ou movimentos independentes na governação das autarquias locais”, sustenta Nelson Faria.

Ativo em várias frentes, o movimento consideraria uma vitória, relativamente ao poder central, a conquista de mais descentralização e autonomia para as ilhas.  Uma revisão constitucional que permita que as ilhas sejam tratadas como igual parte do arquipélago – com a possibilidade de desenvolvimento autónomo pelas suas capacidades e oportunidades -, meritocracia como via de ocupação de cargos públicos, e participação dos cidadãos como deputados na Assembleia Nacional através de listas uninominais, são causas pelas quais o Sokols 2017 promete bater-se sem tréguas.

A data da nova batalha já está marcada: 13 de janeiro, novamente em São Vicente e, esperam os ativistas, também nas outras ilhas. 

Cristina Fernandes Ferreira -Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Artigos relacionados

 
 

“A China já não é um mercado de dinheiro fácil”

Nos calcanhares dos EUA, a China é um dos mercados mais dinâmicos para as empresas de tecnologia à procura de investidores. Bessie Lee, da Witihinlink, falou na Web Summit sobre o melhor caminho para lá chegar. Bessie Lee, diretora executiva da incubadora e investidora chinesa Withinlink, foi uma das oradoras da Web Summit, em Lisboa,

“Quando decidi assumir esta posição, sabia que tinha de ser mais cautelosa”

Sabe que vai estar debaixo de olho do Governo e de Pequim agora que lidera a Novo Macau. Kam Sut Leng diz não ter medo das consequências que possam surgir por ser a nova presidente da principal organização democrata de Macau.  Kam Sut Leng é a primeira mulher a assumir a liderança da maior associação

LAG 2018 sem surpresas

O Chefe do Executivo apresentou esta semana na Assembleia Legislativa as Linhas de Ação Governativa (LAG) para 2018. O documento não despertou grande entusiasmo, seguindo a linha do esperado. Deputados deixaram críticas a Chui Sai On sobretudo por anunciar iniciativas sem fixar prazos. Os efeitos do Hato ainda se fazem sentir no debate político. “No documento

Novo impulso à gastronomia com reconhecimento da UNESCO

Foi no passado dia 1 de novembro, que Macau voltou a fazer história. Era já madrugada na região quando a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, anunciou a designação de “Macau, China” como nova cidade membro da Rede de Cidades Criativas da UNESCO (UNESCO Creative Cities Network – UCCN) na área da Gastronomia.  Essa nova designação

Lusofonia com menos um piloto

O português Tiago Monteiro (Honda Civic) vai falhar a etapa de Macau do campeonato do mundo de carros de turismo (WTCC), no qual é quarto classificado, na sequência do acidente que sofreu há dois meses em Barcelona. A participação lusófona fica assim reduzida a cinco pilotos. Depois de já não ter marcado presença nas últimas duas

A crise e o risco de uma paralização na ciência brasileira

A dualidade do ideograma “crise” no chinês tradicional – “risco” e “oportunidade” – é muitas vezes citada no Brasil, país cujo cenário começa a estabilizar-se depois de dois anos conturbados na gestão política e económica, como um símbolo de motivação. No entanto, para cientistas brasileiros “crise” tem-se traduzido apenas em “risco” de paralização dos seus