naom_591f1201ad44c

Xanana Gusmão, a voz mais ausente no debate político

A voz mais ausente do debate político que desde as eleições legislativas de julho domina Timor-Leste pertence a quem, agora como no passado, parece voltar a ter na mão a chave para decidir o que vai ocorrer no país nos próximos anos.

Xanana Gusmão, líder histórico timorense e presidente do segundo partido mais votado, o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), saiu de Timor-Leste a 11 de setembro num périplo enorme, que o levou aos Estados Unidos, Europa, Ásia e Austrália, e ainda não tem data marcada para o regresso. Já por duas vezes os jornalistas se concentraram no aeroporto à espera da sua chegada; delegações do partido já viajaram para Bali para encontros, e há referências a contactos telefónicos e até videoconferências. Pontualmente surge uma mensagem em vídeo ou uma resposta a perguntas de jornalistas, mas declarações alargadas que ajudem a clarificar as complicadas águas da política nacional timorense continuam a escassear.

A data do regresso já se tornou alvo de piadas em Timor-Leste, com alguns a dizerem mesmo que Xanana Gusmão pode só regressar ao país em meados de dezembro ou até mesmo no próximo ano. 

Na agenda do líder timorense tem estado, em particular, a negociação sobre a fronteira marítima com a Austrália e a discussão com as petrolíferas sobre o poço Greater Sunrise, contactos com investidores e Governos, bem como ‘lobby’ para o futuro desenvolvimento do país.

Com Xanana Gusmão ausente, resta tentar interpretar o pouco que o líder timorense vai dizendo. Publicamente, os seus maiores discursos foram na Conferência Nacional do partido, em agosto, quando se demitiu e quando o CNRT aprovou uma resolução a reiterar o compromisso de ser oposição.

Essa postura foi repetida publicamente nas negociações com a Fretilin para a formação de Governo e confirmadas ao Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo, numa reunião a três, onde estiveram Xanana Gusmão e o secretário-geral da Fretilin, e atual primeiro-ministro, Mari Alkatiri.

As poucas mensagens que vão chegando desde aí reiteram a postura que Xanana Gusmão mantém desde a campanha eleitoral: se o CNRT não conseguisse maioria absoluta (perdeu por escassos 1100 votos para a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente, a Fretilin) o partido ficaria na oposição.

Um discurso em que garantiu que Timor-Leste tinha mudado desde 2007 e que o CNRT não faria o que fez então: em alternativa à Fretilin, também mais votada nas eleições desse ano, Xanana Gusmão liderou uma Aliança de Maioria Parlamentar (AMP).

O líder histórico timorense foi taxativo, afirmando que “o partido não aceitará propostas, de ninguém, nem convidará nenhum partido para formar coligações, porque não pretende participar no governo”.

Quer a demissão de Xanana Gusmão quer a resolução sobre a oposição foram agora revogadas. Numa curta 2.ª Conferência Nacional, no domingo passado, o partido devolveu os plenos poderes a Xanana – estava sem plenos poderes à espera da sua demissão ser avaliada num Congresso Extraordinário – e revogou a decisão que o impedir, aparentemente, de poder ser Governo.

Acordo a três

A mesa da conferência, que assina o comunicado difundido pelo CNRT no domingo, confirma ainda ter autorizado a Comissão Política Nacional, liderada por Xanana Gusmão, a “negociar, celebrar e assinar um acordo político para a formação de uma aliança de maioria parlamentar que respeite os princípios políticos que constam da plataforma política” já celebrada com o Partido de Libertação Popular (PLP, terceira força mais votada, com oito deputados eleitos) e o partido Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan (KHUNTO, quinto mais votado com cinco eleitos). 

Com o curto comunicado de duas páginas – saído de um encontro onde foram convidados e discursaram quer o presidente do PLP, Taur Matan Ruak, quer o líder do KHUNTO, José dos Santos Naimori – o CNRT resolve alguma das críticas que têm sido dirigidas ao partido.

Por um lado, restaura os plenos poderes de presidente a Xanana Gusmão – numa altura em que alguns já questionam o estado da relação do líder com o partido –, ao mesmo tempo elimina a resolução que para alguns impedia o CNRT de liderar a nova AMP e, ao mesmo tempo, abre a porta à formalização desse acordo a três.

Ainda há dias, em Perth, o primeiro-ministro Mari Alkatiri insistia que “constitucional e legalmente, a AMP não existe”, já que, sustentou “qualquer coligação político-partidária envolve lideranças político-partidárias” e, no caso do CNRT, a participação nessa coligação implica “voltar à sua Conferência Nacional para fazer uma decisão contrária daquela que fez” depois das eleições. 

Na prática, a AMP 2 já tinha sido oficialmente anunciada. Primeiro numa carta que os 35 deputados dos três partidos assinam, em papel timbrado do Parlamento Nacional, e remetem ao Presidente da República, e depois numa cerimónia a 12 de outubro.

Nesse dia, os chefes das bancadas dos três partidos – Arão Noé Amaral (CNRT), Fidelis Magalhães (PLP) e Luís Roberto da Silva (KHUNTO) – assinaram uma “plataforma política de Aliança de Maioria Parlamentar” (AMP), documento que deveria ter como testemunhas os líderes máximos dos partidos, dos quais apenas o responsável do KHUNTO esteve presente.

“Na situação atual, o Governo não tem o apoio da maioria parlamentar, o que cria dificuldades na implementação do programa sem adequada força política, o que deixa em causa o desenvolvimento do país”, referia o texto desse documento a três.

Na semana seguinte, Mari Alkatiri e o seu elenco governativo levam ao Parlamento Nacional o Programa do Governo que acaba por ser alvo de uma moção de rejeição. Uma segunda implica a queda do Governo.

E é aqui que a situação atual se encontra. O Governo ainda não confirmou exatamente quando vai levar ao Parlamento o segundo texto do programa. A oposição continua a insistir que está preparada para ser alternativa de Governo e que o Executivo não tem o apoio de que necessita para fazer vingar as suas políticas durante cinco anos de legislatura.

De um lado está o CNRT, que garante que a posição vincada inicialmente pela bancada – e agora confirmada pela Conferência Nacional – tem o aval de Xanana Gusmão. Do outro, Mari Alkatiri, que garante que Xanana Gusmão já aceitou ser líder de uma nova Alta Autoridade para o desenvolvimento da costa sul, anunciada pelo atual Executivo. Deixando ao mesmo tempo que um dos seus homens mais próximos, Agio Pereira – que foi o seu braço direito durante longos anos no Governo e no último ano nas negociações com a Austrália – integre o Executivo liderado por Alkatiri. 

António Sampaio-Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Artigos relacionados

 
 

O que fazem em Lisboa as startups de Macau?

Clara Brito, Wini Cheong e Athena Choi estão a estudar negócios no mercado português. Fazem planos que ligam Macau, China e Portugal.  Portugal está nos planos de alguns dos novos negócios de Macau. As startups apoiadas no programa de intercâmbio do Governo que coloca jovens empresários no espaço de coworking de Lisboa Second Home e

“O Governo interferiu na suspensão do deputado da assembleia”

O advogado de Sulu Sou não tem dúvidas de que o Executivo interferiu no caso que envolveu o deputado. Jorge Menezes elogia a juíza mas defende que o processo em que o ativista foi constituído arguido foi uma derrota do Estado de Direito. Onde pôde, o Governo interferiu. A suspensão de Sulu Sou como deputado

Livre-circulação é nova prioridade da CPLP

A livre-circulação de pessoas dentro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) foi um dos objetivos assumidos na cimeira da organização, em Cabo Verde, que terminou quarta-feira. Os estados-membros também reforçaram a aposta na cooperação económica e voltaram a pedir à Guiné Equatorial que acabe de vez com a pena de morte.  O presidente

“O tribunal não quis estragar a vida ao Sulu Sou”

Pedro Leal discorda da sentença, mas defende que a juíza fez tudo o que podia para resolver o caso de Sulu Sou, para ser julgado rapidamente, por ser deputado e estar suspenso das funções para ser julgado. Um dos advogados de defesa do caso do ano diz não ter sentido interferências no processo judicial. Sulu

Indústria de convenções e exposições ainda por desenvolver

O Governo de Macau tem adotado uma política de promoção da indústria de convenções como uma importante atividade fora do setor do jogo. Peritos da área acreditam que ao longo dos anos a indústria tem evoluído, mas ainda necessita, claramente, de apoio governamental.  Alguns representantes desta indústria não se candidatam aos subsídios oficiais e têm

Impasse que perdura

Depois de mais de um ano de tensão política e dois meses após as eleições antecipadas em Timor-Leste, os solavancos políticos continuam por resolver. O impasse entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses sobre a nomeação de nove membros do VIII Governo permanece. De um lado Francisco Guterres Lu-Olo, Presidente da República e