PM-230-Banner

A reunião que mudou a história

Há 40 anos uma reunião do Partido Comunista da China marcou o início do processo de abertura e reformas económicas. Deng Xiaoping escrevia a primeira página de uma História marcada por profundas transformações dentro e fora de portas. 

Naquele  início de dezembro de 1978, Deng Xiaoping estava finalmente em condições para começar a moldar o “gigante adormecido” e lançar uma série de políticas que operariam uma transformação  económica e social sem par – designada de reforma e abertura (‮’‬ُ‮-٢‬开‮)‬ّ) com um claro impacto à escala global. 

A Revolução Cultural, período de grande turbulência social e económica em que uma parte das funções do Estado foram suspensas, tinha terminado dois anos antes, 1976 ano em que Mao Zedong faleceu e em que o “Bando dos Quatro”  - poderoso grupo radical Maoísta liderado por Jiang Qing, mulher de Mao – foi preso. As feridas começavam a ser saradas, estando a China a ser liderada por um fiel seguidor de Mao, Hua Guofeng, que ainda assim permitiu a reabilitação de Deng, caído em desgraça durante a Revolução Cultura, por “desvios   direitistas”. 

A terceira reunião plenária do 11o Comité Central do Partido Comunista da China (PCC), realizada entre 18 e 22 de dezembro no hotel , ficou para a História como o primeiro passo da nova era sob a égide de Deng Xiaoping, à altura vice presidente do Comité Central do PCC e presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês. Na verdade, Deng nunca precisou de assumir o cargo de Secretário-geral do Partido, Chefe de Estado ou de Governo para ser o arquiteto das reformas e líder de facto da China nas duas décadas seguintes.

Após três décadas de prevalência ideológica sobre os mais variados aspectos da vida quotidiana, chegava a hora de libertar o génio empreendedor do povo chinês para alavancar o processo de modernização do país. Essa era a linha defendida por Deng que se impôs no partido e no Estado. 

A reunião de dezembro do Comité Central decidiu promover as Quatro Modernizações – indústria, agricultura, defesa e ciência e tecnologia – como principal missão do PCC na nova fase de desenvolvimento do país. Foi abandonada a teoria de Mao da revolução contínua e o “culto da personalidade” – embora o contributo do fundador da RPC tenha sido elogiado. Estava aberto o caminho para o modelo de liderança colectiva que iria singrar nas quatro décadas seguintes. 

A partir desta altura os ensinamentos de Deng Xiaoping tornaram-se traves mestras do curso que o país seguiria, sob a batuta do binómio reformas e aberturas numa perspectiva de “procura da verdade através dos factos” e “libertação do pensamento”.

Os primeiros passos foram dados na agricultura, com a reversão da colectivização. Na indústria, foi introduzido um sistema dual de preços segundo o qual as empresas estatais passaram a poder vender a produção acima da quota estabelecida, sendo as mercadorias vendidas ao preço estabelecido e preço do mercado. A iniciativa privada começou a ganhar espaço, ao mesmo tempo que a China reabriu as portas ao investimento estrangeiro. Para isso foram instrumentais as zonas económicas especiais (ZEE) criadas logo em 1980:  Shenzhen, Zhuhai e Shantou na província de Guangdong, e Xiamen em Fujian. Rapidamente estas e outras zonas com regime especiais tornaram-se nos motores de um ciclo de crescimento que multiplicou por mais de 10 vezes a dimensão da economia e permitiu retirar da pobreza cerca de 800 milhões de pessoas, segundo dados do Banco Mundial. 

A escolha das duas principais ZEE não foi ao acaso, uma vez que Shenzhen e Zhuhai são adjacentes a Hong Kong e Macau, enclaves com sistemas económicos, capitalistas e administrados a data pelo Reino Unido e Portugal respectivamente.

A própria fórmula escolhida para o retrocesso da administração dos dois territórios, o princípio Um País Dois Sistemas é ela própria resultado dessa lógica flexível e experimentalista lançada por Deng, que iniciou um processo de “grande aprendizagem”, como é salientado pelo sinólogo Kerry Brown num artigo de análise no China Daily, que republicamos nesta edição na páginas 25 a 27. 

Uma segunda fase de reformas  teve lugar entre 1984 e 1992 com a contínua diminuição da intervenção do Estado nos negócios e uma primeira fase de privatização de empresas estatais. Contudo, várias medidas tomadas geraram problemas de corrupção e inflação e descontentamento que acabou ter expressão nos protestos de Tiananmen que também reclamavam maior abertura política e liberdades. Após a repressão violenta do movimento dos estudantes, a China viveu um par de anos de algum retrocesso nas reformas que foi invertido com a famosa tour pelo sul de Deng que relançou as políticas de abertura à economia de mercado, que foram implementadas já sob a liderança do presidente Jiang Zemin e primeiro-ministro Zhu Rongji que levaram a bom porto o processo de entrada da China na Organização Mundial do Comércio em 2000. Em 2005, o sector privado já contribuía para mais de metade da produção de riqueza no país. No entanto, o desmantelamento dos mecanismos de segurança social dos tempos de Mao e o despedimento de trabalhadores de empresas estatais entretanto privatizados geraram focos de insatisfação social, que se acentuaram com o aumento das desigualdades. O período da liderança de Hu Jintao entre 2003 e 2013  foi marcado por políticas sociais que procuraram corrigir alguns desses desequilíbrios, por um contínuo crescimento económico e a emergência de empresas “campeões nacionais”  - muitas delas estatais – que começaram a competir com  os grandes grupos internacionais. Com Xi Jinping esta tendência foi aprofundada ao mesmo tempo que o PCC aumentou a sua influência sobre as empresas, tendo, por outro lado, sido criadas novas áreas com políticas económicas mais avançadas – as zonas de livre comércio espalhadas sobretudos pelas províncias mais desenvolvidas. 

——————————————————————————————————————————————————————————————————–

IMG_2665

“Abertura permitiu a afirmação de Macau”

Tinha 18 anos quando Deng Xiaoping lançou o processo de reformas e abertura da China. Nas décadas seguintes testemunhou junto do seu pai, o empresário Chui Tak Kei – um dos líderes da comunidade empresarial chinesa de Macau – as mudanças que tiveram lugar dos dois lados da fronteira. Numa entrevista sobre o 40º aniversario das reformas económicas, Chui Sai Peng destaca o lado humano da contribuição dos empresários de Macau sobretudo em vilas e aldeias na província de Guangdong. Quatro décadas volvidas, o Delta do Rio das Pérolas prepara-se para o projeto da Grande Baía,  um processo transformacional que Chui, deputado eleito indiretamente na Assembleia Legislativa de Macau e delegado na Assembleia Popular Nacional, prevê que vai mudar o estilo de vida e pensamento na região.

Plataforma: Vamos recuar ao final de 1978, quando Deng Xiaoping deu início ao processo de abertura e reformas. Onde estava e como teve conhecimento disso?

Chui Sai Peng: Estava estudar no exterior em 1978. Tinha iniciado os meus estudos no ensino superior. Não pude assim testemunhar nessa altura o início de magnífico processo que iria mudar a China. Havia na altura pouca informação. Ninguém sabia o que esperar. Claro que desde 1972 quando foram estabelecidos laços com os Estados Unidos e aquando da entrada da República Popular da China nas Nacões Unidas, esperavam-se mudanças, mas ninguém sabia em concreto o que iria acontecer. Deng Xiaoping fez algo de extraordinário em estabelecer as linhas gerais, numa estratégia muito inovadora e criativa. 

- Como era visitar a China continental naquela naltura, por exemplo a cidade vizinha de Zhuhai?  

C.S.P.: Vinha a Macau frequentemente e tinha uma perspectiva positiva sobre a China. Ia muitas vezes com o meu pai a Xinhui, vila natural dos nossos antepassados onde as pessoas era muito simpáticas e receptivas. Pude testemunhar esse progresso sempre que lá ia à medida que as reformas avançavam. Os meios comunicação foram melhorando. 

- O seu pai, Chui Tak Kei,  era um destacado empresário, filantropo e líder da comunidade chinesa local. Que papel teve neste processo de  abertura na China?

C.S.P.: O meu pai fez parte deste processo como participante e beneficiário. Sempre prestou muita atenção à vila dos nossos antepassados. Levava muitos produtos e bens para lá.  Construía pavimentos para toda a vila, o abastecimento de água. Na altura foi algo de muito importante para a população. 

Quando a vila precisava de certos serviços como por exemplo autocarros, investia em joint-ventures que depois passavam para as mãos locais assim que a operação estava montada. Sabia que quando uma pessoa contribui para ajudar o outro não têm qualquer dúvida sobre a natureza do gesto, mas quando estamos perante uma operação meramente económica é diferente. 

Só foi possível fazer isso por causa da abertura, que passou a permitir a entrada de  bens, serviços e recursos na China continental. O meu pai esteve entre os pioneiros desse processo. 

- O presidente Xi Jinping elogiou o contributo de Macau para o processo de abertura. Em concreto como é que foi materializado esse apoio, em comparação com Hong Kong?

C.S.P.: Em comparação com Hong Kong, os empresários de Macau começaram por ajudar aldeias e vilas de Guangdong, mas não tanto uma perspectiva de apenas de negócios mas também me termos humanistas, ao partilharem o seu desenvolvimento e riqueza. Em termos relativos, Macau teve um contributo muito significativo. Se for a câmaras municipais e outras infraestruturas na China continental encontra muitas placas de agradecimento a pessoas de Macau. 

Em termos de negócios propriamente ditos, entre os primeiros empresários a investir no Continente encontram-se Ng Fok, Susana Chou ou Ho Yin.  A nossa contribuição em termos empresariais foi importante, mas ainda mais foi o lado humano. 

- E o que beneficiou Macau deste processo de abertura? 

C.S.P.: Beneficiou muito, claro. Com a abertura o comércio teve vantagens recíprocas. Por outro lado, passamos a ter trabalhadores fabris e da construção da China em Macau, o quer foi importante para ajudar no nosso desenvolvimento. Antes da abertura isso não era possível não porque o Governo de Macau não quisesse, mas as autoridades chinesas não autorizavam. 

Isso contribuiu para o grande desenvolvimento industrial de Macau nos anos 1970 e 1980, sobretudo no têxtil. Também em termos de atração de investimento houve benefícios.  A maioria dos bancos principais são agora da China continental, o que tem promovido o desenvolvimento da nossa economia. Isso não seria possível sem uma rápida abertura.  E após a pneumonia atípica, com a abertura para o influxo maior de visitantes da China, a economia cresceu muito.  O cheque de 10 mil patacas que os residentes agora auferem têm que ver com isso, com a pujança económica , que advém do turismo e lazer . A abertura permitiu a afirmação de Macau como destino turístico mundial. 

- Temos agora o projeto da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau. Como é que vai funcionar este processo de integração?

C.S.P.: Estamos todos à espera do anúncio forma do plano (por parte do Governo Central). E esse plano terá um impacto substancial relativamente ao que vai acontecer subsequentemente. Para já, estamos a seguir um caminho. E penso que as três zonas de livre comércio de Guangdong – Hengqin, Qianhai e Nansha – estão a seguir caminhos diferentes porque cada uma dessas zonas têm características um pouco diferentes. 

- A Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau é um factor importante de integração… 

C.S.P.: As cidades na zona ocidental do Delta do Rio da Pérolas como Macau, Zhuhai, Zhongshan e Jiangmen estão a procurar tirar vantagens da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau e da futura ponte entre Shenzhen e Zhongshan. Tudo isto vai trazer mudanças no nosso estilo de vida e maneira de pensar.  Penso que o plano vai acelerar o ritmo de integração. Cada cidade deve apostar no seu nicho. Cada uma tem a sua história em termos económicos e de recursos humanos. Não é possível mudar uma cidade de centro manufatureiro para cidade de alta tecnologia da noite para o dia. Estamos ao mesmo tempo a colaborar e a competir uns com os outros. Esta é uma boa demostração das vantagens de uma economia livre porque se a China ainda fosse uma economia planeada socialista as pessoas não estariam a competir. 

- Os ensinamentos de Deng Xiaoping mantêm-se válidos hoje?

C.S.P. Sim, sem dúvida, os ensinamentos de Deng Xiapoing foram determinantes ao longo destas quatro décadas. O presidente Xi tem enfatizado isso mesmo de que iria prosseguir o caminho da abertura 

- Estamos agora na chamada Nova Era de Xi Jinping que alguns analistas vêem como bastante diferente da de Deng Xiaipong. Qual é a sua visão?

C.S.P.: A Era de Deng Xiaoping tinha uma base de desenvolvimento baixa, ao passo que a Era de Xi Jinping tem um ponto de partida elevado. 

Essa é uma diferenca clara. Há determinação nas duas fases. No tempo de Deng ele teve que resolver vários problemas. As questões fáceis foram resolvidas primeiro. Agora com Xi Jinping, como o próprio costuma dizer, a China está numa zona de águas profundas porque já passámos a zona de águas  de pouca profundidade. Os aspectos mais fáceis foram tratados e agora temos questões mais de longo prazo, e difíceis e complexas para serem resolvidas. A China já não é uma ilha. Tem de lidar com o mundo. E agora terá que ser líder no mundo. Como o mundo muda, os desafios também mudam. E o rumo a seguir, o método e âmbito  de análise , a avaliação de risco são muito diferentes. 

José Carlos Matias 07.12.2018

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019