IMG_1884

Aproveitar o momento

Macau encorajada a tirar proveito do ambiente positivo nas relações luso-chinesas após visita de Xi Jinping a Portugal.

Macau deve ter foco em “projetos concretos com resultados palpáveis” salientou ao PLATAFORMA Rodrigo Brum, Secretário-Geral Adjunto do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, na sequência da visita do presidente chinês Xi Jinping a Portugal, nos passados dias 4 e 5 de dezembro. A parceria estratégica luso-chinesa foi elevanda a  um novo patamar com a assinatura de vários acordos de cooperação e a entrada de Portugal na Iniciativa Faixa e Rota através de um memorando de entendimento.  Brum está confiante que o  sucesso da visita e a assinatura de 17 protocolos terão certamente reflexo positivo nas relações bilaterais entre a China e Portugal”, sendo que neste contexto “o papel de Macau está relacionado com a sua localização e características históricas que lhe atribuem uma função de facilitador de relações comerciais, culturais e outras”.

Na declaração comum divulgada no final da visita, os dois países reconheceram “os notáveis êxitos de desenvolvimento que a Região Administrativa Especial de Macau alcançou desde o seu estabelecimento” [20 de dezembro de 1999] e “o papel importante de Macau para o relacionamento luso-chinês”.

Lisboa e Pequim “expressaram a disposição de reforçar o seu papel [de Macau] como ponte e elo de ligação para promover as relações de amizade de longo prazo”, ao mesmo tempo que era salientada a vontade dos dois países de continuarem “a apoiar o papel de Macau como plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa”.

Rodrigo Brum afirmou ao PLATAFORMA que o futuro passa por resultados das medidas implementadas em setores da economia que não o jogo “para assegurar reconhecimento pelos investidores e empresários de todo o mundo como parceiro ou base de localização de futuras relações comerciais com a China”. O “reconhecimento efetivo” do papel de Macau passa também pela “melhoria das condições de financiamento” aos projetos relacionados com os Países de Língua Portuguesa. 

Poucos dias após a visita de Xi Jinping a Portugal, Macau assinou em Pequim o acordo de apoio à participação na Iniciativa Faixa e Rota. No dia 6  de dezembro, o Chefe do Executivo de Macau, Chui Sai On, e o Director da Comissão Nacional para o Desenvolvimento e Reforma, He Lifeng, selaram o entendimento que visa criar um centro modal de transportes, comércio e logística no âmbito da Rota da Seda Marítima no Século XXI com o objetivo de impulsionar a construção do Centro Mundial de Turismo e Lazer. A dimensão sino-lusófona do envolvimento da RAEM não foi deixado de parte: ficou estabelecido que Macau articulará a Plataforma de Serviços para a Cooperação Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa e a iniciativa Faixa e Rota. Uma das missões é  incentivar a internacionalização da moeda chinesa nas relações com os países lusófonos. 

José Carlos Matias 14.12.2018

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019