chui sai on

CHUI SAI ON SEM RIVAIS NA CORRIDA À CHEFIA DO EXECUTIVO

 

Novamente sem adversários, o chefe do Executivo foi proposto por 331 membros do colégio eleitoral

 

O chefe do Executivo de Macau, Fernando Chui Sai On, vai concorrer sozinho a um segundo mandato como líder do Governo, depois da Comissão Eleitoral não ter recebido nenhuma outra candidatura válida, foi anunciado.   Um comunicado da Comissão Eleitoral, distribuído na terça-feira, anunciou que Chui Sai On entregou a sua candidatura com 331 proponentes membros do colégio eleitoral que escolhe o líder do Governo, enquanto um outro residente, Lei Kuong Un, apresentou a sua “candidatura” com 110 nomes, mas nenhum deles elemento do colégio eleitoral.

Um candidato a chefe do Governo de Macau tem de ser proposto por um mínimo de 66 dos 400 elementos do colégio eleitoral. Este órgão escolhe depois no dia 31 de agosto quem será o ‘quarto’ chefe do Governo de Macau, que tomará posse a 20 de dezembro.

Numa nota enviada à imprensa, a Comissão Eleitoral revelou também que a 16 de agosto, durante três horas, o candidato a chefe do Governo terá de apresentar o seu programa político aos 400 elementos do colégio eleitoral, seguindo-se uma sessão de debate com os presentes.

Há cinco anos, quando se candidatou pela primeira vez a líder do Governo, Chui Sai On também concorreu sozinho.

O seu antecessor, Edmund Ho, que cumpriu igualmente dois mandatos à frente do Governo – nos primeiros 10 anos depois da transição de poderes de Portugal para a China, que aconteceu a 20 de dezembro de 1999 – apenas teve oposição na primeira eleição.

 

Artigos relacionados

 
 

O que fazem em Lisboa as startups de Macau?

Clara Brito, Wini Cheong e Athena Choi estão a estudar negócios no mercado português. Fazem planos que ligam Macau, China e Portugal.  Portugal está nos planos de alguns dos novos negócios de Macau. As startups apoiadas no programa de intercâmbio do Governo que coloca jovens empresários no espaço de coworking de Lisboa Second Home e

“O Governo interferiu na suspensão do deputado da assembleia”

O advogado de Sulu Sou não tem dúvidas de que o Executivo interferiu no caso que envolveu o deputado. Jorge Menezes elogia a juíza mas defende que o processo em que o ativista foi constituído arguido foi uma derrota do Estado de Direito. Onde pôde, o Governo interferiu. A suspensão de Sulu Sou como deputado

Livre-circulação é nova prioridade da CPLP

A livre-circulação de pessoas dentro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) foi um dos objetivos assumidos na cimeira da organização, em Cabo Verde, que terminou quarta-feira. Os estados-membros também reforçaram a aposta na cooperação económica e voltaram a pedir à Guiné Equatorial que acabe de vez com a pena de morte.  O presidente

“O tribunal não quis estragar a vida ao Sulu Sou”

Pedro Leal discorda da sentença, mas defende que a juíza fez tudo o que podia para resolver o caso de Sulu Sou, para ser julgado rapidamente, por ser deputado e estar suspenso das funções para ser julgado. Um dos advogados de defesa do caso do ano diz não ter sentido interferências no processo judicial. Sulu

Indústria de convenções e exposições ainda por desenvolver

O Governo de Macau tem adotado uma política de promoção da indústria de convenções como uma importante atividade fora do setor do jogo. Peritos da área acreditam que ao longo dos anos a indústria tem evoluído, mas ainda necessita, claramente, de apoio governamental.  Alguns representantes desta indústria não se candidatam aos subsídios oficiais e têm

Impasse que perdura

Depois de mais de um ano de tensão política e dois meses após as eleições antecipadas em Timor-Leste, os solavancos políticos continuam por resolver. O impasse entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses sobre a nomeação de nove membros do VIII Governo permanece. De um lado Francisco Guterres Lu-Olo, Presidente da República e