chui sai on

CHUI SAI ON SEM RIVAIS NA CORRIDA À CHEFIA DO EXECUTIVO

 

Novamente sem adversários, o chefe do Executivo foi proposto por 331 membros do colégio eleitoral

 

O chefe do Executivo de Macau, Fernando Chui Sai On, vai concorrer sozinho a um segundo mandato como líder do Governo, depois da Comissão Eleitoral não ter recebido nenhuma outra candidatura válida, foi anunciado.   Um comunicado da Comissão Eleitoral, distribuído na terça-feira, anunciou que Chui Sai On entregou a sua candidatura com 331 proponentes membros do colégio eleitoral que escolhe o líder do Governo, enquanto um outro residente, Lei Kuong Un, apresentou a sua “candidatura” com 110 nomes, mas nenhum deles elemento do colégio eleitoral.

Um candidato a chefe do Governo de Macau tem de ser proposto por um mínimo de 66 dos 400 elementos do colégio eleitoral. Este órgão escolhe depois no dia 31 de agosto quem será o ‘quarto’ chefe do Governo de Macau, que tomará posse a 20 de dezembro.

Numa nota enviada à imprensa, a Comissão Eleitoral revelou também que a 16 de agosto, durante três horas, o candidato a chefe do Governo terá de apresentar o seu programa político aos 400 elementos do colégio eleitoral, seguindo-se uma sessão de debate com os presentes.

Há cinco anos, quando se candidatou pela primeira vez a líder do Governo, Chui Sai On também concorreu sozinho.

O seu antecessor, Edmund Ho, que cumpriu igualmente dois mandatos à frente do Governo – nos primeiros 10 anos depois da transição de poderes de Portugal para a China, que aconteceu a 20 de dezembro de 1999 – apenas teve oposição na primeira eleição.

 

Artigos relacionados

 
 

“A China já não é um mercado de dinheiro fácil”

Nos calcanhares dos EUA, a China é um dos mercados mais dinâmicos para as empresas de tecnologia à procura de investidores. Bessie Lee, da Witihinlink, falou na Web Summit sobre o melhor caminho para lá chegar. Bessie Lee, diretora executiva da incubadora e investidora chinesa Withinlink, foi uma das oradoras da Web Summit, em Lisboa,

“Quando decidi assumir esta posição, sabia que tinha de ser mais cautelosa”

Sabe que vai estar debaixo de olho do Governo e de Pequim agora que lidera a Novo Macau. Kam Sut Leng diz não ter medo das consequências que possam surgir por ser a nova presidente da principal organização democrata de Macau.  Kam Sut Leng é a primeira mulher a assumir a liderança da maior associação

LAG 2018 sem surpresas

O Chefe do Executivo apresentou esta semana na Assembleia Legislativa as Linhas de Ação Governativa (LAG) para 2018. O documento não despertou grande entusiasmo, seguindo a linha do esperado. Deputados deixaram críticas a Chui Sai On sobretudo por anunciar iniciativas sem fixar prazos. Os efeitos do Hato ainda se fazem sentir no debate político. “No documento

Novo impulso à gastronomia com reconhecimento da UNESCO

Foi no passado dia 1 de novembro, que Macau voltou a fazer história. Era já madrugada na região quando a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, anunciou a designação de “Macau, China” como nova cidade membro da Rede de Cidades Criativas da UNESCO (UNESCO Creative Cities Network – UCCN) na área da Gastronomia.  Essa nova designação

Lusofonia com menos um piloto

O português Tiago Monteiro (Honda Civic) vai falhar a etapa de Macau do campeonato do mundo de carros de turismo (WTCC), no qual é quarto classificado, na sequência do acidente que sofreu há dois meses em Barcelona. A participação lusófona fica assim reduzida a cinco pilotos. Depois de já não ter marcado presença nas últimas duas

A crise e o risco de uma paralização na ciência brasileira

A dualidade do ideograma “crise” no chinês tradicional – “risco” e “oportunidade” – é muitas vezes citada no Brasil, país cujo cenário começa a estabilizar-se depois de dois anos conturbados na gestão política e económica, como um símbolo de motivação. No entanto, para cientistas brasileiros “crise” tem-se traduzido apenas em “risco” de paralização dos seus