LULS6097

Cidades do futuro

O estúdio luso-brasileiro de intervenções urbanas e culturais, Sobreurbana, foi convidado para ser membro da Guangzhou Public Artist Association. A ideia é ajudar a reformar o espaço público de Cantão com a intervenção da comunidade. Macau vai ser o intermediário.

Estiveram na Semana de Arte Urbana e no Fórum de Imagem e Design da Cidade de Guangzhou por um misto de “sorte e oportunidade”. A Guangzhou Public Artist Association (GPAA), organizadora, procurava projetos que juntassem urbanismo, arte e comunidade. O Conselho Internacional dos Arquitetos de Língua Portuguesa (CIALP) – entidade parceira da GPAA – procurou exemplos no mundo lusófono e sugeriu o projeto Casa Fora de Casa, do estúdio de intervenções urbanas e culturais Sobreurbana. 

“O convite da GPAA e da CIALP teve por base o interesse manifestado pelo Governo de Cantão em trabalhar mecanismos que promovam uma relação mais estreita entre os habitantes e os espaços públicos da cidade”, explica André Gonçalves, à frente do projeto.   Na apresentação que fez em Cantão do projeto Casa Fora de Casa, estiveram presentes membros do Governo local, designadamente o presidente da Câmara da cidade e o chefe do departamento de urbanismo. A ideia conquistou profissionais e políticos. “O feedback foi excelente, já que, aparentemente este tipo de prática não é conhecido no território. No dia em que fiz a apresentação fui convidado para ser membro da GPAA.”  

A GPAA – uma rede internacional e interdisciplinar de pessoas e entidades que usam a arte para melhorar os espaços públicos -, o CIALP – cujo trabalho também passa por promover a cooperação de ideias e projetos entre o Continente, Macau e os países de língua portuguesa – e o estúdio vão agora definir como se vai desenhar a parceria. Ainda sem estar claro de que forma, a ideia passa por ter Macau como intermediário. 

O objetivo é articular uma rede de artistas, arquitetos, urbanistas, designers, geógrafos, biólogos, empreendedores, académicos e decisores políticos para melhorar a qualidade de vida das cidades. O trabalho conjunto vai incluir a ativação e revitalização de espaços públicos, preservação do património e herança cultural, proteção ambiental e sustentabilidade. 

André Gonçalves diz ter sentido haver uma verdadeira vontade política de Cantão, capital da província de Guangdong, em “humanizar a cidade” e “melhorar a experiência do quotidiano”. “Há potencial para se experimentarem novos projetos que envolvam mais as comunidades na construção dos lugares”, afirma. 

O português e a brasileira Carol Farias, fundadores do estúdio Sobreurbana, são a cara do Casa Fora de Casa. O projeto procura envolver a comunidade na construção dos espaços públicos das cidades que, como realça André Gonçalves, “são de todos e por isso deveriam ser pensados para e por todos”. Gonçalves explica que o nome representa a visão que o comunicador e a arquiteta procuram passar de que a cidade é uma “continuação da casa”. “Por isso temos o direito e a obrigação de os cuidar”, defende.

A ideia surgiu por sentirem que as pessoas se desresponsabilizam perante o espaço público, e que a construção dos lugares comuns está muitas vezes entregue a especialistas “fechados num escritório, sem conhecimento pleno das culturas e comunidades” que os ocupam. “Acreditamos que as pessoas cuidam mais do que conhecem e com o qual se identificam. Caso contrário, limitam-se a queixar-se e a ficar à espera de que o poder público resolva os problemas”, afirma.

A primeira edição do projeto foi realizada em Goiânia, capital do Estado de Goiás, no Brasil, e recebeu o prémio de Melhor Ação Urbana Participativa, no I Encontro de Urbanismo Colaborativo, realizado no ano passado em Curitiba, também no Brasil. Agora está na mostra da Bienal de Arquitetura de São Paulo, a decorrer até janeiro do próximo ano.

Alterar a ordem

O processo de reconstrução do espaço público implica várias fases, tendo sempre a comunidade como protagonista já que, e “apesar de leiga” em matéria de urbanismo e arquitetura, é quem conhece e sente os problemas. “Procuramos fazer a ligação entre o poder público, que é quem decide, e a população, que é quem usa”, resume André Gonçalves.

Ainda que haja pilares que são indissociáveis do projeto – como a colaboração e inclusão de diferentes vozes -, há abertura para que se adaptem ferramentas e metodologias às características de cada local, comunidades, recursos disponíveis e objetivos. É por isso que André Gonçalves acredita que o conceito se pode vingar nesta parte do mundo. 

O oriente não lhe é estranho. Viveu em Macau dois anos, quando tinha 14. Diz que foi na cidade e na Ásia que desenvolveu uma nova forma de olhar e viver o espaço. 

“Macau, por ser um ponto de encontro das mais diversas culturas, proporcionou e ainda proporciona essa experiência de eterna descoberta, que é o que torna a vida na cidade fascinante”, realça. 

Agora, e pelo ofício, repara e acrescenta outros detalhes. “É uma cidade particularmente fascinante porque muita da sua vida acontece na rua e nas praças. Talvez devido ao preço da habitação, o espaço público é a sala de estar de muita gente. As zonas pedestres de algumas ruas, o ‘wi-fi’ gratuito, a existência de bancos, casas de banho e caixotes de lixo, facilitam a permanência das pessoas no espaço público”, nota. 

O comunicador sente, no entanto, que há aspetos a corrigir. A falta de esplanadas, o trânsito “antipático” aos peões, as “gaiolas” que revestem muitos prédios – “e que transmitem insegurança” – foram alguns traços que incomodaram André Gonçalves na passagem por Macau. “Alguns são temas fraturantes e difíceis de resolver. Necessitam de uma forte participação popular, mas devidamente informada e capacitada para construir”, considera.

Por isso, os projetos que hoje desenvolvem juntam urbanismo, cultura e comunicação, sempre partindo da aproximação entre a comunidade e o poder político. “A comunicação com o Governo começa desde o primeiro minuto. Sem o seu aval, todo o esforço é em vão. É positivo que as autoridades também queiram fazer parte do processo e que tenham abertura para pensar fora da caixa”, realça.

Carol Farias e André Gonçalves voltam a Macau no segundo semestre do próximo ano, e quem sabe já para começar a trabalhar. “Confesso que já tinha iniciado um plano audacioso de viver e trabalhar entre Portugal e o Brasil. Agora fiquei muito tentado em juntar Macau e a China continental à equação”, revela.

Ao contrário da colega e companheira Carol Farias, formada em arquitetura e urbanismo, André Gonçalves vem das artes e comunicação. “O meu interesse pela área surgiu quando me apercebi que posso fazer a diferença. Mesmo sem formação técnica, ou talvez por ausência dessa formação, consigo desenvolver uma perspetiva diferente”, entende.

Afinal de contas, frisa, conceber e repensar o espaço são coisas que fazemos desde pequenos. “Todos fazemos a cidade, embora por vezes não tenhamos consciência disso. Quem é mais especialista, o cidadão que vive o espaço quotidianamente ou o técnico que o conhece através de uma planta?” 

Sou Hei Lam

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019