PM-112.Banner-Web-670x288

Comunicação concertada

Os turistas parecem começar a visitar o território por outros motivos que não apenas o jogo. Analistas contactados pelo PLATAFORMA concordam que há mudanças e que essas se devem sobretudo às ações de promoção da cidade no exterior, mas defendem que ainda há muita coisa a fazer. 

Compras, gastronomia e património foram os três primeiros motivos que levaram os turistas ao território, no primeiro trimestre do ano, segundo o Índice de Satisfação dos Turistas de Macau. Estudiosos da área declaram ao PLATAFORMA que, apesar de já se notarem mudanças, ainda há muito a fazer até chegar à diversificação turística, referindo, por exemplo, que falta uma estratégia de comunicação concertada entre os diferentes operadores.

De acordo com o estudo publicado trimestralmente pelo Instituto de Formação Turística (IFT), as principais razões para a deslocação dos visitantes ao território foram as compras (25,9 por cento), a gastronomia (25,3 por cento) e os monumentos classificados como Património Mundial (18,4 por cento). Por seu turno, o jogo contou apenas com 10 por cento dos turistas, o que corresponde a menos 3,7 por cento do que no período homólogo do ano passado. 

Glenn McCartney, professor assistente do programa de Gestão de Hotelaria e Jogo da Universidade de Macau, defende que se notam já algumas mudanças, ainda que pequenas. “Há naturalmente mais segmentações — mais estadas durante o verão, mais visitas familiares ou de casais, temos muito mais disso”, diz ao PLATAFORMA. “O jogo continua a ser a atração primária e tudo gira à volta disso, mas começa a aparecer o lazer à volta do jogo. Inclui as compras, a gastronomia e o entretenimento familiar”, acrescenta o também proprietário de alguns estabelecimentos de lazer e de restauração em Macau.

Quanto à origem dos visitantes, o docente diz que o mercado principal continua a ser a China Continental e a região vizinha, apesar de se notarem “pequenos aumentos” em relação a outros países, como a Índia e a Coreia do Sul.

O docente acredita que as mudanças estão a surgir devido à crescente promoção do território no exterior, chegando a uma maior audiência. Ainda assim, Macau continua “a ser uma cidade assente no jogo”, vendo-se poucos movimentos positivos em setores como os da indústria das convenções e exposições (MICE, na sigla inglesa), que continuam “a não conseguir atrair” os grandes organizadores de eventos deste género.

Quanto ao que falta fazer, o docente declara que o tempo médio de permanência no território continua a ser pequeno. E realça que muito passa pela “falta de uma resposta conjunta em termos de estratégia de comunicação”, com os agentes turísticos a levar adiante diferentes ações de promoção. “Há um nível de confusão no que estamos a oferecer. Temos os hotéis e depois temos diferentes departamentos do Governo a fazer essa campanha. Não há uma ação comum”, declara. Quando isso mudar, o docente acredita que a duração da permanência dos visitantes “também irá aumentar”.

Além disso, Glenn McCartney refere que o Executivo “deveria definir metas”, salientando que a visão atual “parece não estar orientada em função de objetivos”.

Um novo perfil

A professora assistente do programa de Hospitalidade e Gestão de Jogo da Universidade de Macau, Amy So, acredita que já se veem mudanças no perfil de visitantes a deslocarem-se ao território, dado que há uma oferta turística mais diversificada. “Com mais resorts integrados e non-gaming facilities, acredito que haverá [mais] mudanças no tipo de visitantes”, diz ao PLATAFORMA.

E defende que o jogo começa a ser menos procurado em Macau, dado que “há maior concorrência na região”, levando a que os turistas se desloquem a outros sítios para esse efeito. Além disso, a docente universitária acredita que as operações de promoção da cidade levadas a cabo pela Direção dos Serviços de Turismo (DST) e pelos hotéis-resort têm “ajudado”.

No futuro, Amy So acredita que “o tipo de visitantes continuará a mudar”, com cada vez mais turistas a vir a Macau em busca de outras ofertas que não o jogo.

Para o diretor interno do programa de programa de Hospitalidade e Gestão de Jogo da Universidade de Macau, Desmond Lam, dada a crescente oferta de outros produtos que não os casinos, começam a ver-se “mudanças na proporção de visitantes que procuram lazer e entretenimento, contra os jogadores VIP, que continuam a afastar-se do território”. Assim, refere, os turistas vêm em busca de “compras, gastronomia e atrações culturais [grandes eventos]”, levando a que o jogo se transforme num subproduto ao invés “de o único produto que consomem em Macau”. 

Na opinião do docente, ainda que seja positivo diversificar o portfólio turístico, “há que não abandonar “a oferta em termos de jogo, no que toca aos segmentos de massa e VIP”, já que se tratam da “especificidade” do território. “O nosso enfoque no mercado de massas deve continuar, já que sustenta o posicionamento de Macau como centro mundial de turismo e lazer, mas devemos começar a desenvolver sinergias entre as nossas ofertas de jogo e não-jogo. Ambas são valiosas para o sucesso no futuro”, salienta.

Recorde-se que, segundo o Índice de Satisfação dos Turistas de Macau, olhando para cada uma das dez áreas relacionadas com o turismo, os eventos tiveram o nível mais elevado de satisfação (78,9 num total de 100), seguindo-se os transportes (74,2) e os casinos (72,9). Dos dez setores analisados, o património teve a pior pontuação.

Ainda de acordo com o estudo do IFT, entre Janeiro e Março, a maior parte dos visitantes veio da China Continental (68,5 por cento), Hong Kong (20,9 por cento) e Taiwan (5,5 por cento). Os inquiridos procedentes de outros países ou territórios da Ásia representaram 3,7% do total, enquanto os restantes eram oriundos de outros continentes.

O Centro de Investigação sobre Turismo do IFT começou a realizar este estudo no terceiro trimestre de 2009, altura em que a satisfação global dos turistas de Macau alcançou 70,4 pontos. Macau recebeu 7,45 milhões de visitantes entre janeiro e março. 

Luciana Leitão 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019