Manuel da Silva_GLP_01 copy

“Há uma nova Lusofonia, onde não se fala só português e o chinês vai fazer parte”

O Festival This Is My City chega ao fim de mais uma edição no domingo, com a estreia em São Paulo, Brasil. O fundador Manuel Correia da Silva diz que o evento prova que Macau pode ser a ligação entre a China e os países de língua portuguesa. A Lusofonia já está a mudar, defende. E também se deve a Macau. 

- Qual é o balanço da última edição?

Manuel Correia da Silva – Foi o maior festival até hoje. Um festival como este deve ser sobre a experiência que as pessoas têm na cidade com aqueles artistas e conteúdo. Acho que foi consensual a mais valia que trouxemos. Temos muito por onde crescer.

- Têm conseguido envolver as várias comunidades que vivem em Macau, sobretudo a chinesa?

M.C.S. – Este ano pudemos comprovar isso. A maioria da audiência que encheu as Oficinas Navais era chinesa. Até agora, estávamos muito focados nas bandas portuguesas e decidimos que tínhamos de mudar, e passar a trazer as chinesas. Sente-se logo a reação. Da Lusofonia, de fora, do ocidente, vêm os convidados do lado da indústria, os palestrantes. Ao nível de bandas é para ser sempre da China. Não vale a pena trazer um agente português a Macau ouvir as bandas portuguesas? Isso já ele conhece. Tem de vir ver o que se passa deste lado, em Macau e na China. 

- É um evento que deixou de estar associado à comunidade portuguesa?

M.C.S. – Tivemos a surpresa de ter gente de Hong Kong, por exemplo, que temos de ser capazes de atrair. Podemos oferecer uma experiência que não existe lá, neste tipo de cidade, arquitetura e tempo que Macau ainda tem, mais lento. Queremos também a comunidade de Macau mais envolvida, incluindo a do próprio bairro, que temos necessariamente de trabalhar. Como mudámos sempre de espaço, não conseguimos estudar a zona. Este ano sentimos que convém ficarmos ali (nas Oficinas Navais) para trabalhar com o bairro e tentar que o This Is My City, que provou que está a crescer e chega a outras comunidades, consegue fazer parte do sítio onde acontece.

- Resultaram projetos novos?

M.C.S. - Foi outra surpresa. Há muitas coisas alinhadas. As pessoas não têm ideia do que se passa na China. Muitos dos convidados organizam festivais e querem os artistas chineses que participaram no This Is My City nesses festivais. É isso que queremos fazer: exportar artistas. E é assim que Macau passa a ter papel muito interessante: o de exportador da China. Através das ligações privilegiadas que tem, a eventos como o nosso, ao Brasil e Portugal, torna-se muito fácil. E o mesmo acontece ao contrário. O diretor do Beishan World Music Festival e do Beishan Jazz Festival de Zhuhai viu o Celeste Mariposa e já estamos a falar como é que se pode fazer uma versão do This Is My City mais alargada na cidade. Mas disse logo que não queria bandas chinesas porque já as tinha. Quer bandas portuguesas e lusófonas.

- Sentem que encontraram o vosso lugar: serem o pano de amostra do que se faz na China e na Lusofonia?

M.C.S. – Essa é a missão. 

- E a estreia em São Paulo?

M.C.S. – A banda chinesa Wu Tiao Ren é a cabeça de cartaz num programa com mais seis bandas brasileiras. Também fomos convidados para palestras: uma sobre a ligação do Brasil à Lusofonia, e a outra sobre festivais no mundo. Há representantes da América Latina, Europa, América do Norte e da China. E é engraçado porque a China vai estar representada por Macau, pelo This Is My City. É a prova do papel que podemos ter. 

- E tem sentido representarem a China?

M.C.S. – Se me perguntarem sobre a China não vou falar sobre o país todo porque não o conheço. Vou falar sobre esta China, a região do Delta do Rio das Pérolas. Temos de mostrar a outra China ao mundo, que não é a das notícias. É a China das pessoas que andam à nossa volta que são muito mais interessantes e parecidas connosco. Só há uma maneira de olhar para a ideia de a China se apropriar de Macau para fazer parte da Lusofonia, quando não é lusófona: sentido de oportunidade. E há duas formas de o usar: as vias comercial e política, e a cultural, que podemos explorar. Há uma palestra sobre a Lusofonia e há um chinês, há um concerto dedicado à Lusofonia e atuam os Wu Tiao Ren, que cantam em cantonês. Há uma nova Lusofonia, onde não se fala só português e o chinês vai fazer parte.

- Que desafios surgem com o projeto do Delta do Rio das Pérolas?

M.C.S. – Macau é muito graúdo em termos culturais, comparando com Zhuhai e mesmo com Shenzehn. Temos uma agenda cultural fantástica. Podemos discutir se gostamos ou não, mas há muita coisa a acontecer, muito investimento e tudo muito bem organizado. Em Zhuhai não se passa nada, o que quer dizer que está por fazer. Vivo lá e sei. E agora há uma ponte, e um comboio. Há cada vez mais gente jovem. A cidade tem mais de 30 universidades. As pessoas que já estão a tentar dinamizar Zhuhai estiveram no This Is My City e querem trabalhar com Macau. A integração na região passa primeiro por Zhuhai e a cultura tem um papel fulcral. Shenzhen igual. O nosso parceiro desta edição foi a Design Society, que tem uma atitude pró-Delta e foi por isso que nos recebeu. Não há ninguém de Macau a ir lá. Há muito por fazer.

- A integração vai implicar que Macau perca identidade?

M.C.S. – Uma coisa é certa: vai mudar. A integração vai-nos diluir mais uns nos outros. Mas para protegermos o que deve ser protegido – que ainda não sei bem o que é, essa identidade e essa diferença – temos de sair daqui para percebermos no que somos diferentes. É interessante falar com as pessoas de Zhuhai e de Hong Kong, e ver do que gostam: da arquitetura, da zona da cidade mais silenciosa, do ambiente mais familiar. Neste momento, estou muito mais interessado no que vamos ganhar do que no que vamos perder.

- Que vai ganhar Macau?

M.C.S. – Ainda não faço bem ideia, mas acho que vamos ser muito mais diversos e regionais, e vamos ser obrigados a competir. A competição vai permitir perceber mais rapidamente onde somos bons e diferentes para podermos ter um lugar no Delta. Uma coisa é certa: a Lusofonia é uma dessas diferenças. 

- A ideia de Macau como plataforma tornou-se um slogan. Está a cumprir esse papel? Macau é visto dessa forma?

M.C.S. – Não. Só nas reuniões oficiais do Governo. Mas começamos a ter esse papel quando organizamos iniciativas como a que fizemos no This Is My City, com a presença em Shenzhen e Zhuhai. O Governo faz um esforço, que é político, estratégico, e que faz parte de um plano da própria China. Essa é a missão deles. Se também acreditamos nesse papel, também temos de fazer alguma coisa. Não podemos esperar que o Governo faça tudo. 

- A Lusofonia é só vontade política ou existe?

M.C.S. - Existe, mas também tem de ser forçada. A língua portuguesa criou uma cultura de matriz portuguesa. O que se passa é que hoje é tudo muito mais globalizado. Há a necessidade de inventar um novo nome para essa comunidade que tem esta língua como matriz mas que começa a brincar com outras línguas e outros espaços geográficos, e já não está preocupada se é lusa. É os Wu Tiao Ren, que são de Cantão, e não falam inglês ou português. 

- Dizem que a vossa aposta deve ser mais em cidades de segundo e terceiro plano, em vez das grandes como Pequim que já estão esgotadas. De que cidades falam?

M.C.S. - Para já Shenzhen e Zhuhai. No futuro, devíamos explorar Dalian, uma cidade portuária, bastante desenvolvida, com uma agenda cultural interessante, enorme. Pequim, contradizendo-me, é importante porque há muitas bandas e agentes a vir dali. Mas agora temos de nos focar no Delta, e mais neste quadrado: Macau, Zhuhai, Hong Kong, Shenzhen.

- O Governo tem-vos apoiado?

M.C.S. – Apoia e desde sempre. E só é possível pelo apoio que nos dá. Gostava que houvesse mais cumplicidade e acho que devia haver mais apoio. Merecemos. Mas o saldo é positivo porque temos total liberdade na curadoria e na produção.

- Alguma vez, nestes 12 anos, houve condicionamentos à liberdade artística?

M.C.S. – Não. Só não posso fazer barulho depois das 10, o que cumprimos com todo o rigor.

- O nome do festival é This Is My City. O que trouxeram à cidade?

M.C.S. – Cada vez que fazemos um This Is My City sinto que estamos a construir com a cidade, a usar o espaço público, o erário público, portanto estás a jogar com as peças da cidade. Ter a liberdade de poder decidir é um empoderamento brutal, significa que a cidade é tua. Também é um grito de liberdade. Apesar de estarmos no estrangeiro, isto é China, temos a possibilidade de usar a cidade. 

- Como seria o festival ideal daqui a 10 anos?

M.C.S. – Podia ter mais expressão nas cidades da Lusofonia, por exemplo africanas. Há uma grande presença chinesa em África mas é muito política e económica. Culturalmente seria fantástico ter essa presença e Macau pode ter esse papel. 

‭ ‬Catarina Brites Soares 07.12.2018

FOTOS: Gonçalo Lobo Pinheiro

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019