5D3_5296

“Importante é corrigir o comportamento desviante”

A diretora do Instituto de Menores garante que, hoje em dia, a institucionalização é o último recurso. Ada Yu sublinha que o instituto tem reforçado o trabalho contra o preconceito. A responsável desconhece dados essenciais como se há reincidência e quanto custa em média cada menor internado.

- Quantos menores estão no instituto e que crimes cometeram?

Ada Yu – Temos 13 jovens. Todos rapazes. Quatro, todos de Hong Kong, estão aqui por tráfico de droga. Normalmente, os motivos que os levam a praticar este tipo de crime tem que ver com problemas nos estudos, economia familiar e porque querem ganhar mais dinheiro num curto espaço de tempo.

- E os restantes, que crime cometeram?

A.Y. - Coação sexual, furto qualificado, ofensa à integridade física, entre outros.

- Que leitura faz de serem só rapazes?

A.Y. – Desde que comecei a trabalhar aqui, o número de raparigas foi sempre menor. Nunca fizemos um estudo aprofundado sobre esse aspeto.

- Sente que a criminalidade se verifica nos jovens que têm antecedentes familiares?

A.Y. – Conforme os dados estatísticos, não está relacionado. Os menores internados não têm antecedentes criminais na família.

- Que tipo de trabalho, ao nível da reintegração e reinserção, faz o instituto?

A.Y. - O instituto tem três centros: o de observação, o educativo, e o de educação e formação. O centro de observação é para internamento provisório dos menores que aguardam a decisão do tribunal sobre se vão ficar. O tempo de internamento pode ir até aos 30 dias; o centro educativo é para os menores que cometeram um crime cuja a pena é inferior a oito anos. Geralmente ficam internados entre um a três anos; e o centro de educação e formação é para os crimes cuja pena é superior a oito anos. O centro de educação e formação também é destinado a menores reincidentes, ou para menores que são acompanhados pelo Departamento de Reinserção Social. Se o departamento entender que o menor ainda não atingiu o nível pretendido, e mediante decisão do tribunal, volta a ser internado neste centro. 

- Pode explicar melhor o centro de observação?

A.Y. – Antes do tribunal tomar uma decisão sobre o internamento, o menor fica aqui para ser observado no mínimo 20 dias, que podem ser prolongados até 30. Neste período, os técnicos têm de elaborar um relatório para o juiz decidir se o jovem é internado ou não.

- O que fazem nos centros?

A.Y. – Os menores internados no centro educativo têm educação regular, trabalho que é feito em colaboração com os Serviços de Educação e Juventude. Os menores internados no centro de educação e formação têm de participar nos cursos de disciplina, nos treinos físicos e à tarde nos cursos de formação profissional. Ao fim de três meses podem optar por frequentar novamente a educação regular. Também temos aulas de música, de canto e cursos de línguas, com certificado de reconhecimento.

- Referiu que existem cursos de disciplina. Em que consistem?

A.Y. - Treinos de marcha e físicos.

- E os cursos de formação profissional?

A.Y. – São os cursos de de mandarim e inglês aplicados ao mercado de trabalho.

- Como são as visitas?

A.Y. - Cada menor tem direito uma visita por semana e não superior a uma hora.

- Qual é o acompanhamento que é feito da vossa parte depois dos menores cumprirem a pena?

A.Y. – No caso dos locais, e em colaboração com o Departamento de Reinserção Social, há um técnico que os acompanha antes e depois da libertação. Para os menores de Hong Kong também garantimos acompanhamento, que está a cargo do Lar de Acolhimento Temporário. A participação é voluntária.

- E se houver menores que não são locais nem de Hong Kong, que acompanhamento terão?

A.Y. - Por enquanto, não temos casos desses. 

- Qual é a taxa de reincidência?

A.Y. - Não temos dados.

- Não têm dados? 

A.Y. - Não. Geralmente, os menores saem aos 21 anos. Se voltarem a cometer crimes já não tem que ver com o instituto.

- Mas podem sair antes. Não cruzam dados com a prisão?

A.Y. – Nos últimos dois anos não houve casos de reincindência, mas não temos feito estatísticas sobre esse tema.

- O modelo de prisão é o mais indicado para punir e corrigir jovens?

A.Y. - A função do instituto não é prender o menor no instituto, mas sim corrigir. Muitos saíram e conseguiram ter um bom emprego ou prossseguir os estudos com sucesso. Errar é humano. O mais importante é corrigir o comportamento desviante.

- O instituto tem 13 menores e nunca superou os 20. É uma questão de política de justiça ou a criminalidade é mesmo reduzida nestas idades?

A.Y. - O instituto tem capacidade para 75 menores. Antes da entrada em vigor da lei 2/2007 – Regime Tutelar Educativo dos Jovens Infratores – havia mais do que há hoje. Mas com esta lei, o tribunal começou aplicar outras medidas, como a advertência policial no caso dos crimes ligeiros e quando os menores assumem a culpa. 

- O internamento é a última medida?

A.Y. - Sim.

- Há diferentes regimes à semelhança de outros países, como fechado e semiaberto?

A.Y. - O internamento de um menor no centro educativo varia entre um a três anos, mas podem sair antes do fim da pena. Os técnicos podem propor ao tribunal que o menor seja libertado antes em função do bom comportamento. Mas mesmo que cumpra todos requisitos, o menor tem de ficar pelo menos um ano. 

- Tendo em conta de que se trata de um grupo tão pequeno que permitiria uma proximidade maior com a equipa, há um trabalho mais individual?

A.Y. – O trabalho não é só com os 13 menores, mas com as famílias que também acompanhamos. Há muitas situações que estão relacionadas com a família. Proporcionamos aconselhamento individual e em grupo, e incentivamos os menores a fazerem trabalho voluntário. Muitas vezes, familiares e menores acabam por pedir ajuda depois das horas de expediente por motivos de instabilidade emocional. Os nossos técnicos também têm de acompanhar estas situações.

- Há sempre o perigo de serem estigmatizados. Como procuram combater o preconceito?

A.Y. – Todos temos passado. Os próprios menores não se importam que a sociedade saiba que são ex-internos. Os técnicos trabalham com eles no sentido de se encararem positivamente. Muitos voltam para nos visitar, e telefonam-nos depois de saírem.

- Como é a mentalidade em Macau?

A.Y. – Em conjunto com o Departamento de Reinserção Social, que estabelece o contacto com o exterior, delineamos um plano de vida com eles: se querem prosseguir os estudos ou arranjar emprego. Quando querem estudar, tratamos de conseguir uma escola e têm sido aceites. Quando querem trabalhar, os empregadores também se têm mostrado recetivos. Claro que houve rejeições, tanto de escolas como de patrões, mas estamos a esforçar-nos neste aspeto.

- Como é feita a vigilância? Quantas câmaras tem o instituto e quantas estão previstas?

A.Y. – Só temos câmaras nas zonas públicas. Nas camaratas não.

- A privacidade dos menores está devidamente protegida?

A.Y. - Faço questão de garantir que dentro das camaratas não há câmaras. Apenas nos corredores e áreas públicas, e no centro de observação. Mas mesmo no centro de observação, as câmaras estão desligadas. Só se liga uma câmara no caso de haver um menor com instabilidade emocional e quando há risco de automutilação. E mesmo assim, a câmara só é ligada depois da proposta dos técnicos de aconselhamento social e de acompanhamento, e mediante a minha autorização. 

- Quanto gasta ao erário público o instituto e cada recluso, em média?

A.Y. – Não tenho esses dados.

- Como é composta a equipa?

A.Y. – Temos perto de 50 trabalhadores. Temos um psicólogo, três técnicos sociais, um docente do ensino primário, um formador de eletricidade, e quatro trabalhadores da secretaria. Um motorista e quatro serventes, e 31 técnicos de aconselhamento.

- Tendo em conta o reduzido número de menores, justifica-se manter o instituto?

A.Y. – Se não houvesse necessidade, o instituto não teria sido criado. Quanto ao futuro, é impossível prever.

- Há alguma iniciativa no sentido de procurar outras soluções para jovens que não seja a institucionalização?

A.Y. - Para onde vão os jovens que cometem crimes, se não houver o instituto? Pode ter a certeza de que o internamento é a ultima medida adotada. Antes da entrada em vigor da nova lei, os menores eram encaminhados para o Departamento de Reinserção Social ou integrados no insituto. Com a nova lei, passou a recorrer-se a mais medidas e o internamento é o ultimo recurso. 

Catarina Brites Soares 14.12.2018

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019