PM-209-Banner

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês.

Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM) depois de 19 anos como presidente. Lei Heong Iok reforma-se com a certeza de que o futuro do instituto e do português estão assegurados se não houver “políticas erradas”. Em entrevista ao PLATAFORMA lamenta nunca ter conseguido fazer do IPM uma universidade e assume sentir que há cada vez “mais interferência” no ensino. Com 65 anos, Lei diz que é tempo de tomar conta dos netos. Descarta a possibilidade de assumir funções governativas. Diz que sempre foi um académico e é assim que quer continuar.  

- Como veio para Macau?

Lei Heong Iok – Cheguei em 1975. Concluí o curso superior de língua e cultura inglesas, no então Liceu de Estudos Estrangeiros de Pequim, agora universidade. Depois, vim para Macau como bolseiro para aprender português com o professor Júlio Pereira Dinis, no Liceu de Macau. Aprendi com um grupo de cinco estudantes do Continente num ambiente muito familiar. 

- E como chega a presidente do IPM?

L.H.I. - Depois de três anos a aprender português, voltei a Pequim. Tornei-me professor porque havia grande necessidade de docentes de português. Lecionei durante seis anos. Mais tarde, houve necessidade de contratar intérpretes para a negociação de transferência de soberania. Foi contratada a Nam Kwong para organizar o processo e fui contactado pela empresa para ajudar na área de tradução e interpretação durante as negociações. Estive quase nove anos a trabalhar neste processo. Depois da assinatura da Declaração Conjunta, entrei nos Serviços de Educação e Juventude como assessor da então diretora, a professora Edith Silva. Entretanto, a Escola de Tradução precisou de um sub-diretor e foi assim que entrei no IPM. Em 1997, fui promovido para o cargo de vice-presidente durante quase dois anos. Nas vésperas da transferência, a 1 de setembro de 1999, comecei a desempenhar funções de presidente.

- Assumiu uma posição de destaque numa altura que ainda não era comum alguém do Continente assumir. 

L.H.I. - Foi um período de incerteza e agitação. Senti bastantes dificuldades. Ao mesmo tempo, durante o período de transição, que durou quase dez anos, foram feitos grandes esforços para garantir que tudo fosse feito, e realmente foi, sem sobressaltos. Prepararam-se muitos quadros bilingues, resolveram o chamado problema da língua, investiu-se na formação de talentos jurídicos. Apesar das incertezas e receios, não houve revoluções como sucedeu por exemplo quando Portugal deixou as colónias, onde houve guerras. Aqui foi pacífico. 

- Teve em cargos de responsabilidade nas Administrações portuguesa e chinesa. Sentiu diferença?

L.H.I. – Gostei do desafio, em particular ao nível do ensino do português. Já tinha muito afeto para com a língua e cultura portuguesas. Mas, em 82, fui bolseiro da Fundação Gulbenkian que me permitiu frequentar um curso na Faculdade de Letras. Aperfeiçoei o português, mas também conheci grandes personalidades, como o professor Malaca Casteleiro, de quem sou grande amigo, e grandes escritores como Prado Coelho, pai e filho. Além do português, aprendi muito com eles. Tinha um sentimento de dívida. Sentia que tinha de contribuir para o ensino e divulgação da língua e cultura portuguesas em Macau e em toda a China. Foi assim que comecei a dedicar-me ao ensino do português apesar das incertezas e dificuldades. 

- Foram tempos difíceis para a língua portuguesa.

L.H.I. – Em 2000, logo após a transferência, o número de candidatos ao nosso curso de português caiu abruptamente. Só tínhamos cerca de dez alunos. Não chegava para a abrir uma turma, mas decidimos avançar para não parar o ensino do português no IPM. Nessa altura já havia cursos de português no Continente, mas com poucos recursos. Apenas havia um curso em Pequim e outro em Xangai. Fomos a Xangai e convidámos a turma que existia para vir para Macau durante um ano. Assim, criámos uma cooperação e resolvemos o problema da falta de alunos. No ano seguinte, fomos a Pequim e fizemos o mesmo. Em 2003, o Governo central toma a decisão de criar o Fórum entre a China e os Países de Língua Portuguesa em Macau, que criou boas oportunidades para o ensino do português. Foi assim que o número de alunos começou a aumentar. Além disso, também começámos a trabalhar para estabelecer cooperações com instituições do ensino superior em Portugal. 

- Sente que teve responsabilidade no interesse de Pequim no português?

L.H.I. – Realmente sim. Hoje há 38 universidades com cursos de português na China e continua a haver falta de materiais, os professores são muito jovens e inexperientes. Quando fui nomeado presidente, senti essa responsabilidade.

- Sente que a China fez mais pelo português do que Portugal?

L.H.I. – Faço parte da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês. Todos os anos participo na Assembleia Popular Nacional, onde se discute a política nacional. Sempre fui uma voz na defesa do ensino da língua e cultura portuguesas. Senti que era a minha responsabilidade, o meu dever. Macau tem uma singularidade que a distingue entre os milhares de  cidades chinesas, e que tem como símbolo máximo a língua e a cultura portuguesas. Esta mistura luso-chinesa é a parte mais especial. Macau tem esta singularidade que deve manter e cultivar ainda mais. Há um valor educativo, económico e até diplomático. Através dessa língua e cultura, Macau está a mostrar a importância e papel que tem ao mundo. 

- De que maneira encaixa o ensino no projeto da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, e que papel pode ter o IPM?

L.H.I. – Temos 11 cidades aqui ao lado às quais Macau pode servir de plataforma com os países lusófonos. Além de uma plataforma, temos também as comunidades macaense e portuguesa que fazem a diferença. A plataforma não é só para chineses. Tem de ser bilateral. Têm de ser criadas condições para mais portugueses virem para Macau e fazerem a sua vida aqui: serem docentes, advogados, técnicos, etc. E depois, através de Macau, entrarem na China. Em Macau, podem aprender a língua. Foi por isso que o IPM também criou mais cursos de chinês como língua estrangeira.

- Sente que a aposta do Continente no português acabará por prejudicar Macau?

L.H.I. – Se pensarmos a curto prazo, sim, pode acontecer. Se tivermos mais ambição, não. A China está e vai continuar a importar mais produtos de Portugal, África, Brasil. Nas áreas de engenharia, transportes, entre outras, também vai haver mais trocas. Podem criar-se milhares de empregos. Não tem de haver preocupação com o desemprego. A união faz a força e tem de haver cooperação. Os líderes de instituições do ensino superior têm de ter esta visão para ajudar o Governo a abrir mais os olhos ao mundo lusófono. É preciso conjugar esforços para levar as empresas lusófonas e chinesas a criarem mais oportunidades para os jovens graduados. Não pode ser só ao nível dos Governos. É preciso trabalhar. Teoria não chega. Consensos não bastam.

- Quando é que percebeu que a aproximação à lusofonia e a aposta no português eram cruciais? 

L.H.I. – Foi com a criação do Fórum. Senti que havia uma oportunidade. Senti-me encorajado também por muitos colegas, como os professores Luciano de Almeida, Carlos André e Malaca Casteleiro. Não se cansaram de viajar para me apoiar. Quando houve falta de alunos, apareceu-me aqui o professor Luciano de Almeida quase como um milagre. Bateu-me à porta e disse-me que queria uma cooperação com o IPM e que queria criar um curso de tradução e interpretação de português-chinês em Leiria. O IPM aceitou imediatamente. Primeiro ajudámos Leiria a criar o curso e depois apostámos na vinda dos alunos. A cooperação tornou-se triangular, e passou a incluir Pequim. Hoje em dia, temos cooperação com quase todos os politécnicos de Portugal. A nossa turma de alunos chineses, por exemplo, está em Castelo Branco. 

- Mas e se tivesse de aconselhar o seu filho, dir-lhe-ia para escolher Macau ou o Continente para estudar português?

L.H.I. - Realmente Macau pode fazer mais e melhor. Não podemos andar sempre a falar do passado. Temos características que as restantes cidades chinesas não têm. Temos meios de comunicação em português, temos uma comunidade portuguesa, que para mim é o fator mais importante. São peritos, académicos, especialistas que o Governo deve aproveitar muito bem e assim pode fazer muito melhor. É este o meu ponto de vista.

- Há 19 anos que está à frente do IPM. Não é demasiado tempo à frente duma instituição sobretudo pública?

L.H.I. - Às vezes sinto que sim, mas quem corre por gosto não cansa.

- Mas do ponto de vista institucional, não acha que é muito?

L.H.I. – De facto devo deixar a liderança às novas gerações. Preparámos os sucessores e hoje já os temos. A professora Han Lili, que concluiu a tese de Doutoramento na Universidade de Lisboa, está muito bem preparada. É bilingue. Vai ocupar o lugar do professor Luciano de Almeida quando deixar a direção da Escola Superior de Línguas e Tradução. Para o cargo do professor Carlos André temos mais um bilingue muito bom [Gaspar Zhang]. Sempre nos esforçámos no sentido de formar docentes e dirigentes para não deixar cair este prédio quando a velha geração sair.

- Sai ao mesmo tempo que saem outros nomes importantes no ensino e formação do bilinguismo, como o professor Carlos André. Acha que a instituição se vai ressentir?

L.H.I. – Terá impato, em particular no ensino do português. Mas eu, os professores Carlos André e Luciano de Almeida começámos a preparar o futuro há mais de cinco anos. Dos bons, escolhemos os melhores.

- Já há um sucessor para o professor?

L.H.I. – Não me compete escolher o meu sucessor.

- Mas sugeriu um nome?

L.H.I. – Propus um nome. Depende da tutela decidir e anunciar.

- Sente que se for esse o escolhido, a instituição fica bem entregue?

L.H.I. – Penso que sim. Há poucos dias, o secretário Alexis Tam não revelou o nome, mas realçou que era um conhecedor do IPM. Posso acrescentar que é um conhecedor da plataforma e até de Portugal. Quando comecei a preparar a nova geração, comecei a enviá-la para Portugal com regularidade para criar raízes e relações. A singularidade de Macau é a língua e cultura portuguesas. A China precisa. Macau pode fazer mais e melhor com esta língua e cultura. O IPM está no centro. É preciso uma geração boa e preparada. Portugal é a fonte de onde bebemos. Não podemos esquecer. O IPM é o baluarte.

- Lamenta sair do IPM sem ter conseguido o estatuto de universidade?

L.H.I. – Às vezes sim. Não fui o primeiro a levantar essa questão, mas era parte do meu sonho. Antes da transferência, havia um estudo sobre o futuro do IPM que mencionava que devia mudar para universidade. Comecei a trabalhar nesse sentido. E sabe porquê? Na cultura chinesa tende a valorizar-se as universidades e a desvalorizar os politécnicos. O IPM escolhe os melhores de Macau, China, Portugal, entre outros países. O IPM, no que diz respeito à qualidade, não é inferior. Os nossos programas são internacionalmente reconhecidos. O IPM nunca conseguiu mudar para universidade. Há pessoas que não gostam. 

- Mas porque nunca lhe foi atribuído esse estatuto?

L.H.I. - É muito estranho. Não sei explicar e não quero especular.

- O IPM e a Universidade de Macau são as entidades universitárias mais conhecidas e que mais têm apostado no português. Como é a relação entre ambas?

L.H.I. - Deve haver uma relação de complementaridade. Apesar de poderem e terem de cooperar, devemos competir porque é a competição que nos faz progredir. A universidade e o instituto devem andar de mãos dadas, sobretudo no ensino do português. Mas devem competir. Sinto orgulho ao revelar que o nosso corpo docente é o maior de Macau. Temos 16 bilingues chineses com bom domínio do português, e portugueses são 31. É o maior corpo docente de português. Ao todo, são 47, muito maior do que o corpo docente da universidade para não falar de outras instituições. Penso que o futuro do IPM e do português estão garantidos se não houver políticas erradas. 

-Sente que a liberdade académica tem diminuído?

L.H.I. – É preciso separar as águas. Primeiro, uma instituição de ensino superior deve respeitar a lei. Mas, a primeira coisa e a mais importante é a liberdade académica. Não só tem de ser respeitada e mantida, como deve ser desenvolvida. Só com liberdade é que os professores conseguem pensar, criticar e criar. Toda gente fala de inovação e criatividade. Sem liberdade não há inovação ou criatividade, os estudantes não podem criticar livremente. É preciso criar com base na crítica. Aqui não deve haver limites. Por um lado, deve respeitar-se os docentes, por outro os alunos devem desafiá-los. Só assim se constrói uma geração melhor que a anterior. 

- Sente que essa liberdade está em risco?

L.H.I. – Em certo sentido sim. Como presidente, sinto interferência de vários lados, departamentos do Governo. Além dos processos burocráticos, sinto interferência mesmo.

- Acha que o Segundo Sistema está em risco?

L.H.I. - Não aceito esta ideia. Existe uma relação entre o primeiro e o segundo sistemas. Os dois funcionam no mesmo território, através do mesmo Governo. Dependem de outros fatores, internos e externos. E esse também é um desafio aos governantes de Macau.

- O que vai fazer depois de deixar o IPM?

L.H.I. – Quero ajudar a minha filha na educação dos meus netos. São o meu grande amor. Quero levá-los e ir buscá-los à escola. Mas o IPM é parte da minha vida. São mais de 20 anos de dedicação. A parte da gestão não me interessa, mas o ensino do português sim. Se o IPM precisar de mim, gostava de continuar. 

- Mas para ensinar?

L.H.I. – Para investigação. 

- Tendo em conta a experiência que tem, sobretudo na área da educação, imagina-se com responsabilidades governativas?

L.H.I. – A História não vive de imaginação.

- Mas gostava?

L.H.I. – Não. Gosto de ser académico. É assim que me sinto cómodo.

Catarina Brites Soares 13.07.2018

Artigos relacionados

 
 

“Há uma nova Lusofonia, onde não se fala só português e o chinês vai fazer parte”

O Festival This Is My City chega ao fim de mais uma edição no domingo, com a estreia em São Paulo, Brasil. O fundador Manuel Correia da Silva diz que o evento prova que Macau pode ser a ligação entre a China e os países de língua portuguesa. A Lusofonia já está a mudar, defende.

A reunião que mudou a história

Há 40 anos uma reunião do Partido Comunista da China marcou o início do processo de abertura e reformas económicas. Deng Xiaoping escrevia a primeira página de uma História marcada por profundas transformações dentro e fora de portas.  Naquele  início de dezembro de 1978, Deng Xiaoping estava finalmente em condições para começar a moldar o

“Não fazia falta na Universidade de Macau”

Quatro anos depois, Inocência Mata está de volta à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Do período passado no território, a professora leva a riqueza da experiência humana e cultural, bem como a decepção de ter sido “subaproveitada” na Universidade de Macau. “Estava à espera de encontrar um outro tipo de academia”, admite. Inocência

País em impasse político

As eleições legislativas foram adiadas ‘sine die’ e ninguém se compromete com uma data. A tensão política regressou ao país. Desta vez, por alegadas irregularidades no processo eleitoral. Depois de mais de três anos de uma grave crise política, os principais atores políticos guineenses chegaram em abril a um acordo sobre um nome para ser

China e Portugal, uma relação que vem de longe

O reforço do papel de Macau no relacionamento entre a China e Portugal e como plataforma entre a China e os países de língua portuguesa, assim como a assinatura de um memorando de entendimento que formaliza a adesão de Lisboa à iniciativa de Pequim “Uma Faixa, Uma Rota” são dois dos marcos da visita de

“Desvinculei-me de mim”

“Sétimo Sentido” marca uma nova fase na carreira do escritor e professor de comunicação José Manuel Simões. O ex-jornalista e diretor do Departamento de Comunicação da Universidade de São José publica a sua terceira obra de ficção, tendo como referência uma viagem que fez à Índia e a voz de uma personagem feminina, a médica