sulu sou 4

Mão pesada para Sulu Sou

O Ministério Público pediu pena de prisão efetiva para o deputado suspenso Sulu Sou e para o ativista Scott Chiang durante o julgamento que envolve os dois membros da Associação Novo Macau, segundo o canal português da Rádio Macau. Ambos são acusados do crime de desobediência qualificada na sequência de uma manifestação organizada em 2016 contra o Chefe do Executivo.

Para o Ministério Público – que defende que ficou provado em tribunal que os democratas cometeram o crime de que são acusados – a pena de multa não seria suficiente já que carece de efeitos dissuasores. A defesa – protagonizada pelos advogados Jorge Menezes e Pedro Leal – pede a absolvição dos arguidos e alega que Sulu e Chiang nunca desobedeceram às autoridades ao contrário do que argumenta a acusação. 

Os advogados defendem ainda que os distúrbios que aconteceram no dia dos protestos foram provocados pelas autoridades e não pelos manifestantes. A primeira fase do julgamento teve lugar esta semana, na segunda-feira e terça-feira. 

Menezes e Leal reiteram que os manifestantes cumpriram as ordens da polícia e defendem haver motivações políticas no caso protagonizado pelos democratas Chiang e Sulu. 

Referindo-se a um dos pontos mais controversos do caso, e invocando a versão das testemunhas e as imagens da polícia, os advogados lembram que os arguidos abandonaram o Palácio de Santa Sancha segundos depois de terem sido avisados pelas autoridades de que a reunião em frente à casa do Chefe do Executivo seria considerada ilegal se não seguissem a ordem – como também já tinha explicado Sulu Sou em entrevista ao PLATAFORMA.  Recorde-se que alguns manifestantes decidiram dirigir-se à residência oficial do Chefe do Governo, depois da manifestação, para entregar uma petição que acabou por ser enviada em forma de aviões de papel para o interior daquele espaço por de não ter sido possível deixá-la a Chui Sai On. 

Pedro Leal, que representa Scott Chiang, acusa mesmo as autoridades de “atuação algo ridícula” já que teve como alvo sobretudo jornalistas e agentes da polícia – fardados e à paisana – uma vez que, de acordo com um dos chefes da Polícia de Segurança Pública, eram apenas cerca de dez os manifestantes entre as 50 pessoas que se encontravam no local. 

No Tribunal Judicial de Base ficou a saber-se também que Sulu Sou está a ser investigado por mais quatro processos-crime por causa das eleições legislativas de 2017. O deputado é acusado de campanha ilegal. Recorde-se que o jovem, de 27 anos, foi eleito em setembro depois de cerca de nove mil eleitores terem votado na lista que encabeçava. Meses depois, deixava de poder sentar-se no hemiciclo graças à suspensão votada pela maioria dos deputados que assim lhe retiraram a imunidade e permitiram que fosse a julgamento. 

O antigo presidente da Novo Macau, Scott Chiang, comunicou em tribunal que também está a ser investigado em “mais dois ou três” casos relacionados com atividades políticas. 

No julgamento desta semana, soube-se também que o Ministério Público mandou arquivar parte do caso que fez com que Sulu Sou fosse suspenso. A acusação não inclui a susposta desobediência do democrata às autoridades quando o mandaram subir para o passeio na manifestação contra o líder do Governo, Chui Sai On. Ainda assim a delegada do Ministério Público e juíza insistiram nesta parte do processo.

Durante o julgamento foram testemunhar polícias que insistiram ter havido desobediência na parte do processo arquivada. Os oficiais afirmam que Scott Chiang e Sulu Sou incitaram o protesto a seguir contra o cordão da polícia que pretendia bloquear o acesso à Avenida Panorâmica de Nam Van, pela estrada.

A leitura da sentença está agendada para 29 de maio, quando se ficará a saber o desfecho do caso que pode levar à perda de mandato de Sulu Sou. Se for condenado a mais do que 30 dias de prisão e a Assembleia Legislativa assim o decidir, o jovem democrata perde o lugar de deputado no hemiciclo. 

Artigos relacionados

 
 

Estudante angolano vence prémio na China

Hortêncio Cassemene venceu um prémio de Melhor Escritor Estrangeiro na China com o livro “The Foreigner”. Uma obra que o angolano descreve como “um guia de adaptação à China”, pensado para ajudar os estudantes internacionais, mas não só, a ultrapassar o choque cultural. Hortêncio Cassemene venceu em maio passado o concurso de Melhor Escritor Estrangeiro

Há obras que custam

As derrapagens nos orçamentos e nos prazos têm marcado as obras públicas. Agora que o metro ligeiro – uma das obras mais ambiciosas da RAEM – volta a ser tema, o PLATAFORMA faz o balanço do projeto e de mais quatro determinantes para a cidade.  O metro ligeiro voltou à ordem do dia. Desta feita, pelas

Um ano depois

Fez 10 mortos, dezenas de feridos e prejuízos avaliados em cerca 12 mil milhões de patacas. O então diretor dos Serviços Meteorológicos de Macau Fong Soi Kun foi demitido na sequência de um processo disciplinar instaurado pelo Governo. O Hato ficou na História. Um ano depois, revisitámos alguns dos sítios fustigados pelo maior tufão dos

“Nova era de aproximação”

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciaram uma nova fase na relação entre os dois países, ultrapassando dívidas e o rapto de um empresário português.  Trocaram piadas e sorrisos. Fizeram juras de novos encontros e de aprofundamento da cooperação bilateral. O encontro entre o primeiro-ministro português António Costa e o

Viagem à Boa Vista

Fomos à terra do escritor Germano de Almeida em busca da morabeza que ele receia ter-se perdido. Descanse o homem das letras – e todos os viajantes apaixonados pelo arquipélago africano. A Boa Vista continua especial. Tenho medo de voltar, receio de se ter perdido a morabeza que lá deixei. Quero ficar com essa memória.

Impasse que perdura

Depois de mais de um ano de tensão política e dois meses após as eleições antecipadas em Timor-Leste, os solavancos políticos continuam por resolver. O impasse entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses sobre a nomeação de nove membros do VIII Governo permanece. De um lado Francisco Guterres Lu-Olo, Presidente da República e