doctvcplp

CPLP LANÇA PROGRAMAS DE FOMENTO A DOCUMENTÁRIOS E FICÇÃO PARA TELEVISÃO

 

O DOCTV CPLP vai ser reeditado em novembro, estando previsto o lançamento de um novo programa paralelo para a podução de telefilmes e a partilha de conteúdos entre as televisões públicas dos países lusófonos.

 

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vai lançar, em novembro, a segunda edição do Programa de Fomento à Produção e Teledifusão do Documentário (DOCTV CPLP) e um novo programa paralelo para produção de ficção para televisão (FICTV CPLP), estando ainda prevista a partilha de conteúdos entre as estações de televisão públicas dos nove Estados-membros.

O anúncio foi feito em Lisboa, no dia 11, no final de uma reunião entre responsáveis do setor do audovisual de Portugal, uma delegação brasileira liderada pelo Secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura do Brasil, Mario Borgneth, e o secretário executivo da CPLP, Murade Murargy.

Numa declaração enviada ao Plataforma Macau, a diretora-geral da CPLP, Georgina de Mello, explica que a reunião foi solicitada pela embaixada do Brasil e que a delegação liderada por Mario Borgneth “submeteu um conjunto de novos projetos muito interessantes, um dos quais é o DOCTV CPLP, que será reeditado”.

A proposta brasileira será “executada no próximo ano, ano e meio, no quadro dos 40 anos das independências dos países africanos de língua oficial portuguesa e dos 20 anos da CPLP”, acrescentou.

Segundo a mesma responsável, os programas em causa “são iniciativas que se vão preparar e lançar proximamente” e serão discutidas num “fórum que vai ter lugar em Lisboa no mês de novembro”. “Depois irão a público em meados do próximo ano em termos de concurso”, adiantou.

Os documentários e telefilmes, que têm o objetivo de dar a conhecer melhor as realidades dos diferentes Estados-membros, serão depois exibidos nas estações de televisão públicas da lusofonia.

De acordo com a agência Lusa, o projeto custará 2,5 milhões de euros (3,2 milhões de dólares norte-americanos) e será financiado por Portugal e pelo Brasil, não estando ainda definida a verba que caberá a cada país.Os ministérios da Educação e da Cultura de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, assinaram, em Lisboa, em novembro de 2008, os Termos de Adesão à Rede DOCTV. O concurso internacional de seleção de projetos foi lançado a 06 de abril de 2009.

A primeira edição do DOCTV CPLP contou com a participação de representantes de Angola (Instituto Nacional de Cinema e TPA), Brasil (Ministério da Cultura, IRDEB, TV Brasil e TV Cultura), Cabo Verde (IPC – Instituto de Promoção Cultural e RTCV), Guiné-Bissau (Instituto Nacional de Cinema e RTGB), Moçambique (Instituto Nacional de Audiovisual e Cinema e TVM), Portugal (Ministério da Cultura, Instituto de Cinema e Audiovisual e RTP), São Tomé e Príncipe (TVS) e Macau (TDM).

Os nove DOCTV CPLP foram transmitidos desde 2010, em horário nobre, em diversas televisões e repetidos até à data, para além de serem exibidos em cidades capitais onde há representações dos Estados-membros da CPLP, na senda da promoção da língua portuguesa e da diversidade de expressões culturais, fomentando a circulação do audiovisual em português no mundo.

São membros da CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019