suely neves

GOVERNO DE CABO VERDE APOIA FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA

 

A 5ª. edição do Festival Internacional de Cabo Verde realiza-se entre 16 e 19 de outubro e já se inscreveram 81 filmes para participar no evento. A partir da próxima edição, o Ministério da Cultura do país vai financiar a deslocação de realizadores.

 

A diretora executiva da Vivo Imagem, promotora do Festival Internacional de Cinema de Cabo Verde, Suely Neves, disse que para a próxima edição do certame, que acontece na Ilha do Sal já em outubro, inscreveram-se 81 filmes.

Neves fez estas declarações no âmbito da assinatura de um protocolo com o Ministério da Cultura que, segundo explicou, vai trazer outro dinamismo e abrir novas portas ao festival, que pretende ser um um incentivo, incubadora e montra dos realizadores cabo-verdianos.

Na primeira edição do CVIFF (2010) inscreveram-se cinco filmes. Cinco anos depois, este número dispara para 81, revelou a promotora do certame para quem os números falam por si.

Os filmes selecionados para o festival de cinema de Cabo Verde serão oficialmente apresentados daqui a cerca de duas semanas, altura em que será igualmente divulgada a programação oficial do certame.

A responsável pela Vivo Imagem caracterizou o protocolo agora assinado como “muito importante” visto que “vem dar à organização a possibilidade de trazer realizadores de renome” a atuar no estrangeiro, inclusive cabo-verdianos para também ministrarem workshops no país. Do acordo ficou o compromisso do Ministério da Cultura em financiar a vinda de um realizador em 2015 e dois no ano seguinte.

Um outro ponto relevante do protocolo será o financiamento do Governo de “spots” publicitários na rádio e na televisão o que, segundo afiançou a responsável, é de capital valor devido ao preço das cotas publicitárias e a repercussão que estes anúncios terão para a publicitação interna, que na sua ótica servirão igualmente de chamariz e incentivo para a criação cinematográfica em Cabo Verde.

Além das vantagens diretas deste acordo, Suely Neves garantiu que o envolvimento oficial do Ministério da Cultura no certame vai atrair novos patrocínios visto ser “um carimbo de aceitação”. Por seu turno, o diretor Nacional das Artes, João Paulo Brito, em representação do Ministério da Cultura na assinatura do protocolo, disse que pensar as políticas para o cinema num país como Cabo Verde é muito complicado. Daí que garantiu “quando há quem faz e fá-lo bem – é necessário apoiar e estimular”.

“Temos para já, do ponto de vista de políticas para o desenvolvimento do cinema, um ponto importante que é a formação da camada mais jovem”. Pelo que João Brito considera o trabalho desenvolvidos pelo Xocante e a Escola Olavo Moniz à margem do festival de cinema “um forte investimento para a formação dos futuros cineastas de Cabo Verde”.

Lamentou igualmente o cenário atual do cinema em Cabo Verde em que muitos dos realizadores nacionais ou desenvolvem uma carreira fora do país ou à custa de um investimento pessoal muito elevado, o que espera vir a mudar com estes incentivos agora reforçados.

João Brito reconheceu ainda que, na altura do lançamento do festival, viu-o como um projeto ousado e confessa ter pensado que “seria um projeto demais para Cabo Verde ou para um grupo restrito de pessoas”. Pelo que confessa assistir com satisfação ao seu crescimento. “Após estes anos, tornou-se num espaço do cinema cada vez mais importante para Cabo Verde”.

Por fim, afirmou que este protocolo vem dar visibilidade nacional a este projeto que “é importantíssimo para Cabo Verde”. Daí que garantiu que “este é o primeiro de vários projetos que o Ministério da Cultura vai assinar para breve com algumas instituições que têm como objetivo promover o cinema e o audiovisual em Cabo Verde”.

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019