cortado

“PROJEÇÃO INTERNACIONAL DA TDM É IMPORTANTE”

 

João Francisco Pinto foi eleito para a Presidência do departamento de informação da Asian Pacific Broadcasting Union, organização que partilha conteúdos, formação profissional e conhecimento tecnológico entre os seus membros. É um “reconhecimento” e “projeta Macau” internacionalmente, comenta o diretor de informação da TDM, numa entrevista em que descreve a organização e objetivos deste mandato.

 

PLATAFORMA MACAU - Quais são os objetivos da Asian Pacific Broadcasting Union e o que está na génese do envolvimento da TDM?

JOÃO FRANCISCO PINTO - A ABU reúne estações de televisão e rádio de uma região que se estende do Médio Oriente até ao Pacífico. Meio mundo e, provavelmente, mais de metade da população mundial. Dentro da organização há vários departamentos e um deles chama-se Asia Vision, que é o da informação, onde se faz a gestão de tudo o que diz respeito, nste caso, à cooperação entre estações de televisão. Fazem parte da ABU cerca de 30 estações de televisão. A que está mais a ocidente é a Turkish Radio Television (TRT) e a mais a leste está nas ilhas Fiji.

 

P.M. - Quais são as mais relevantes?

J.F.P. - A NHK, do Japão, é um dos maiores sistemas de televisão do mundo, tem um dos maiores orçamentos e está à frente na investigação científica e na inovação tecnológica – por exemplo, são os pioneiros das emissões em alta definição. A KBS, da Coreia do Sul, é também muito avançada; a CCTV é um império televisivo e os iranianos também são muito fortes. Depois temos muitas estações de pequenos países ou territórios. Nepal, Butão, Maurícias…

 

P.M. - Qual é a dimensão relativa da TDM nessse quadro?

J.F.P. - Pequena/média.

 

P.M. - Como é que um representante da TDM chega à presidência, ainda que coletiva, da área de informação?

J.F.P.  - A TDM faz parte da Asian Vision há seis anos. Em 2003 criámos o TDM News, o nosso programa de informação em língua inglesa, que tem um  telejornal diferente do do canal português. Tem públicos diferentes, outros critérios editoriais e procura informação em outras geografias. A nossa grande aposta tem sido na informação local, mas damos também  grande importância ao noticiário da Ásia, especialmente o das regiões que nos estão mais próximas. Contudo, as grandes agências de informação produzem informação asiática episodicamente e sem uma visão local; ou seja, quando há qualquer coisa que tenha interesse global.

 

P.M. - Geralmente crises…

J.F.P. - Exctamente. Uma pequena estação como a TDM ultrapassa isto tendo acesso a conteúdos produzidos por televisões de outros países. Esta é a lógica da nossa adesão à Asian Vision, aderindo a uma plataforma onde partilhamos conteúdos com países como o Vietname, a Indonésia ou o Nepal, numa base diária – e não esporádica.

 

P.M. - Quantas notícias estão diariamente disponíveis nessa plataforma?

J.F.P. - Cerca de 40.

 

P.M. - Tem servido também para projetar conteúdos de Macau?

J.F.P. - A nossa ideia é colocar nest plataforma conteúdos que possam ter relevância para esses países. Por exemplo, partilhámos a história da apreensão em Macau de relógios que iam ser enviados para países do sudeste asiático. É o exemplo típico de uma história com potencial para interessar esses países. Entre Janeiro e Julho deste ano enviámos 16 histórias. Pode parecer pouco, se compararmos com o Irão, que mandou 958. Mas aí estamos a falar de um país enorme, com uma agenda geoestratégica, que utiliza esta plataforma para dizer ao mundo quais são os seus interesses. Enviam muitas histórias sobre a Síria, Gaza, as negociações em torno do projeto nuclear… e muitas histórias anti-americanas.

 

P.M. - Sente-se na Ásia em geral essa tendência anti-americana?

J.F.P. - Não.

 

P.M. - Pode falar-se numa cultura mediática asiática, analisando os conteúdos dessa plataforma?

J.F.P. - Não. Ao contrário do que se passa na Europa, onde somos mais ou menos todos iguais, aqui estamos a lidar com países de geografias muito distintas, com questões domésticas, políticas e religiões muita diferentes.

 

P.M. - Qual é a televisão que mais surpreende, em termos tecnológicos, profissionalismo e qualidade dos conteúdos?

J.F.P. - O Japão e a Coreia do Sul estão muito à frente, até na abordgem aos assuntos e na independência que as suas histórias revelam.

 

P.M. - A CCTV tem uma forte estratégia de internacionalização. Nota-se isso nesta plataforma?

J.F.P. - Os conteúdos que colocam aqui – duas a três histórias por dia – são os mesmos do canal inglês da CCTV. Habitualmente há uma história sobre um parceiro asiático de visita à China, outra de um acidente, um destastre, e uma terceira sobre cultura e tradição. O Japão, por exemplo, tem uma estrutura de envio muito semelhante.

 

P.M. - Voltemos ao percurso da TDM e à chegada à presidência da Asian Vision…

J.F.P. - Desde início representei a TDM nas reuniões, colaborando ativamente no desenvolvimento do projeto. Tem havido várias mudanças positivas, como a da partilha de conteúdos via internet, porque quando o envio era feito apenas por satélite, era tão caro que nós recebíamos mas nem sequer enviávamos. Fomos sempre colaboradores interssados no desenvolvimento e na organização da plataforma de partilha e, nos últimos anos tenho-me envolvido mais profundamente em diversas ações de formação e seminários. Uma das últimas ações foi sobre serviço público para minorias, que é no fundo o que a TDM está a fazer, mas também já falei, por exemplo, sobre a gestão de redações bilingues, que é outro tema forte na Ásia. Nesta última reunião, que se realizou na Turquia, havia a necessidade de eleger a nova liderança do News Group e acabei por ser eleito com o apoio claro do Japão, da Coreia e da CCTV – que é um importante parceiro da TDM.

 

P.M. - É um prémio pessoal e para a TDM?

J.F.P. - A presença da TDM em organizações internacionais é importante para Macau e o reconhecimento do nosso papel projeta também o nome de Macau. É a demosntração de que existe cá um serviço público seguro, de qualidade, credível e produzido em quatro línguas, que é algo que poucas estações públicas conseguem fazer.

 

P.M. - Para além do reconhecimento, o cargo pode ter efeitos práticos para a TDM?

J.F.P. - Há o reconhecimento da competência da TDM e das pessoas que a representam; isso é óbvio. O que eu disse  após a nomeação é que quero falar em nome das pequenas estações de televisão, que durante 30 anos tiveram uma voz ténue. Além da troca de informação, a Asian Vision oferece formação pofissional, envia jornalistas de pequenas emissoras para estagiarem noutros países, em estações de maior dimensão e tem um papel importante na troca do conhecimento e na modernização tecnológica. Quero dar novo impulso a essas áreas, que beneficiam estações de menor dimensão.

 

P.M. - Quais são os outros objetivos desta presidência?

J.F.P. - Aumentar a nossa dimensão, atingindo pelo menos os 40 associados, aumentar o número e a relevância das histórias trocadas – nesta altura cerca de 940 por mês. Menciono a título de exemplo países como as Filipinas, o Paquistão ou a Nova Zelândia, que queremos integrar neste projeto. Temos dois candidatos praticamente a entrar das antigas repúblicas soviéticas, mas não temos ainda o Cazaquistão, que é provavelmente o mais importante daquela banda de países. Não temos ainda nenhum estado árabe – o Irão é persa. Outro dos desafios é o da potencial de adesão de países não asiáticos. Isto aconteceu com a Eurovisão, que tem já muitos membros que, não sendo europeus, têm interesse nos conteúdos europeus.

 

Paulo Rego

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019