A16_2

TELEMÓVEIS DA GERAÇÃO 4G A CAMINHO

 

Os futuros operadores de serviços de telecomunicações 4G deverão estar a operar no primeiro trimestre de 2015, em resultado de um concurso que decorre até 18 de novembro.

Segundo o diretor dos Serviços de Regulação das Telecomunicações, Hoi Chi Leong, as respetivas propostas serão abertas no dia seguinte, havendo depois um período de análise de decisão da atribuição das licenças que, nos primeiros dois anos de concessão, poderá ser acrescida de uma quinta licença a decidir pelo Governo.

As licenças de operação dos serviços 4G, que o Governo diz irão proporcionar “maior velocidade a custos mais baixos por volume de utilização”, serão válidas por oito anos e no arranque do serviço terão de garantir uma cobertura de 50% da Região Administrativa Especial, sendo que os restantes 50% terão de ser garantidos até ao início de 2016.

A concessão da licença não tem custos imediatos para os operadores, mas à semelhança dos serviços 3G, os operadores terão de pagar à Administração uma taxa de 5% sobre as receitas brutas arrecadadas, valores que significam “muitas dezenas de milhões de patacas” tendo em consideração os cálculos atuais.

Hoi Chi Leong disse ainda que “não está definido” o tempo em que as duas redes – 3G e 4G – vão coexistir no mercado, dependendo as decisões das opções feitas pelos consumidores.

Esta postura é, na mesma linha, seguida na manutenção dos serviços 2G em Macau que Hoi Chi Leong justifica com o número de turistas e residentes que ainda recorrem a esta tecnologia de telecomunicações e que, por isso, é mantida na Região tendo em consideração as necessidades dos utilizadores.

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019