B4_2

TRADUTOR LANÇOU DICIONÁRIO ELETRÓNICO CHINÊS-PORTUGUÊS

 

O professor de português e tradutor de Macau Iao Kam Kong lançou este verão um dicionário eletrónico chinês-português com cerca de 70 mil entradas – com e sem o novo acordo ortográfico – em cada uma das duas línguas e prepara outras 20 mil que prevê disponibilizar até ao fim do ano.

“Constatei que não havia nenhum dicionário chinês-português atualizado no mercado, porque a última edição impressa disponível já foi publicada em 2001, em Pequim, por isso, lancei este na Internet para os alunos que aprendem português e para os tradutores e penso que tem mais entradas atualizadas do que a versão impressa”, explicou o autor em declarações ao Plataforma Macau.

A opção pela Internet, disse, tem como objetivo “proporcionar uma consulta mais direta a alunos e tradutores”, sendo que o “Iao Dicionário” é ainda de acesso gratuito.

Ao constatar que “o dicionário eletrónico é mais conveniente do que a versão em papel, porque podemos consultá-lo rapidamente e de forma interativa”, este professor de português sublinhou que as “novas tecnologias tornam o trabalho do tradutor mais eficiente” e o acesso a grandes quantidades de informação que facilitam “ajudam a melhorar também a sua qualidade”. “Hoje já nenhum tradutor faz o seu trabalho com a caneta, mas recorre ao computador”, realçou.

Para Iao Kam Kong, ferramentas como o Google Tradutor, disponíveis em várias línguas, “não são perfeitas, já que é muito difícil desenvolver uma aplicação de tradução, pois a língua é viva, tem o seu desenvolvimento, em que alguns vocábulos desaparecem, outros surgem e o seu sentido varia”.

Neste contexto, o professor do Centro de Difusão de Línguas dos Serviços de Educação e Juventude alerta que “o dicionário e as novas tecnologias são meios de apoio importantes, mas o conhecimento da língua é o mais importante”.

A página eletrónica do “Iao Dicionário” (www.iao-dicionario.com) está, para já, apenas disponível em chinês, mas as versões portuguesa e inglesa deverão estar prontas “no início do próximo ano”, segundo o autor.

 

Patrícia Neves

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019