University of Macau

UM PIONEIRA NA TRADUÇÃO AUTOMÁTICA CHINÊS-PORTUGUÊS

 

A Universidade de Macau criou há 18 anos aquela que alegadamente foi a primeira ferramenta do mundo de tradução automática chinês-português. Uma nova versão começa a ser testada no fim do ano e estará disponível na Internet para os tradutores.

 

Ainda antes da transferência do exercício de soberania de Macau para a China, em 1996, a Universidade de Macau lançou um projeto para o desenvolvimento de um Sistema de Pronunciação e Tradução Português-Chinês (PCT, na sigla inglesa), que, segundo Derek Wong Fai, líder da investigação, terá sido o primeiro do género no mundo.

“Em Macau o chinês e o português são línguas oficiais e havia a necessidade de traduções entre estas duas línguas, por isso procurámos fazer uso da tradução automática para tal”, explicou o responsável ao Plataforma Macau, salientando que esta terá sido a “primeira ferramenta do mundo para tradução automática chinês-português”.

De acordo com Derek Wong Fai, este projeto de investigação chegou a contar com uma equipa multidisciplinar de 20 pessoas, mas hoje tem cerca de dez a trabalhar no seu desenvolvimento, entre as quais alunos, e envolveu já um investimento de “alguns milhões de patacas”.

“Investimos muito esforço na pesquisa e estudo de tecnologias, em particular no chinês e português, e começámos por criar um dicionário bilingue, no qual integrámos a pronunciação em cantonense, mandarim e português de palavras”, disse. Quando se pesquisava uma palavra no dicionário era então possível ouvir também a forma como ela deveria ser pronunciada nessas três línguas.

O projeto avançou depois para a tradução de frases e centra-se hoje na tradução automática para facilitar o trabalho do tradutor. “Não pretendemos com esta investigação substituir os tradutores, mas fornecer-lhes ferramentas para melhorarem o seu trabalho e torná-lo mais eficiente”, sublinhou o académico.

Enquanto as versões antigas deste sistema tinham de ser instaladas pelos tradutores nos seus computadores, a nova versão (UM CAT), que está a ser ultimada, estará disponível na Internet, bastando “ter uma conta e fazer o login para se usar as ferramentas de tradução assistida por computador”.

“O sistema que oferecemos disponibiliza uma tradução automática preliminar para que o tradutor possa melhorá-la. O sistema tem de ser fácil de usar, para que o tradutor possa integrar facilmente estas ferramentas no seu trabalho normal, este é o nosso objetivo”, indicou o professor Wong Fai.

A nova versão, que vai substituir a atual, lançada em 2007/2008, e incluirá também a língua inglesa e um dicionário com cerca de 50 mil entradas, permitirá aos tradutores “partilhar conhecimento, por exemplo, de terminologia, com o público e amigos”. O responsável pelo projeto realçou que “a ideia é facilitar o trabalho do tradutor, nomeadamente com contribuições de outras pessoas”.

 

POUCOS UTILIZADORES

O sistema de tradução automática chinês-português da Universidade de Macau, que é um serviço pago, conta atualmente com cerca de 700 utilizadores registados entre tradutores do Governo, de escritórios de advogados e alunos.

“Estas ferramentas não têm muito sucesso em Macau em termos do número de utilizadores, tendo especialmente em conta o que investimos neste projeto, mas comparando com o investimento feito em ferramentas de tradução, por exemplo, pela Google, claro que não é suficiente”, constatou Derek Wong Fai.

Ao referir que este tipo de ferramentas de tradução “é muito utilizado” noutras partes do mundo, o investigador dá o exemplo de Hong Kong, “onde há mestrados sobre utilização de tecnologias de informação na tradução”, para salientar que em Macau, pelo contrário, “não há muita gente a usá-las”.

“O trabalho de tradução mudou, já não se escreve à mão e Macau está ainda a começar” a dar os primeiros passos no campo das novas tecnologias, disse.

Para promover a sua utilização, a Universidade de Macau planeia disponibilizar gratuitamente a nova versão do seu sistema de tradução automática, que começará a ser testada por tradutores no fim do ano. O objetivo, concluiu Derek Wong Fai “é facilitar o trabalho dos tradutores, porque em Macau têm muito trabalho, mas não usam muito ferramentas tecnológicas para melhorar a eficiência do mesmo”.

 

Patrícia Neves

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019