plataforma-petroleo-mar

QUEDA DO PREÇO DO BARRIL “PIOR DO QUE O ÉBOLA”

 

A descida do preço do petróleo deverá ter um impacto superior à epidemia de Ébola que atacou parte do continente africano em 2014 e vai ter significativas implicações para os países exportadores de petróleo na região.

 

De acordo com o site da agência noticiosa Platts, especializada no setor energético, as economias africanas começaram já a sofrer o efeito da descida do preço do petróleo, que chegou a estar abaixo dos 50 dólares no princípio do ano, o que representa uma queda superior a 50% face aos preços do verão de 2014.

“Com o preço do crude em mínimos de cinco anos e meio, os maiores produtores africanos – Nigéria, Angola, Líbia e Argélia – enfrentam desafios orçamentais cada vez maiores por que mais de 70% das receitas destes países vêm da produção de petróleo”, escreve a Platts, notando que a Nigéria, por exemplo, precisa que o petróleo esteja a 123 dólares por barril para equilibrar o orçamento, ao passo que a Líbia precisa de vendas a 124 dólares por barril.

A Nigéria, o maior produtor da África subsariana, já estava a assistir a um declínio da sua produção, não só por causa dos atentados do grupo terrorista Boko Haram, mas também devido ao fenómeno do roubo de petróleo, cujo custo ascende a milhares de milhões de dólares e levou a Shell, uma das maiores a operar no sector, a equacionar sair do país.

Com a descida do preço do petróleo, a Nigéria é obrigada a fazer cortes na despesa em vésperas de eleições, o que complica a situação interna, analisa a Platts, acrescentando que o fenómeno do petróleo de xisto – barato e rápido de produzir nos Estados Unidos – é parcialmente responsável pela diminuição das exportações para os Estados Unidos, uma tendência comum à Nigéria, Líbia e Argélia, que produzem um tipo de petróleo muito semelhante ao que é atualmente produzido no estado do Dakota do Norte.

As exportações de Angola para os Estados Unidos caíram para os 4,9 milhões de barris, em julho, quando em março de 2007 estavam quase nos 22 milhões de barris, o que obrigou Angola a procurar novos clientes e a ter de oferecer descontos para conseguir aliciar os novos compradores.

No caso de Angola, o declínio da produção, que não passou os 1,66 milhões de barris por dia na primeira metade de 2014, obrigou o Governo a rever as metas para os próximos anos, atirando para 2017 a barreira dos 2 milhões de barris diários, e a baixar o preço de referência, de 98 dólares para 81 dólares por barril, que acaba por ser a previsão oficial do Governo para a média do preço em 2015.

As dificuldades de Angola, no entanto, não são as mesmas que os países que, para além de terem de enfrentar um ‘buraco’ no orçamento, têm também de combater grupos terroristas armados que discordam das opções governamentais. No Gabão e na Nigéria, os sindicatos do setor petrolífero já fizeram greves, provocando danos à economia, mas esta forma de luta empalidece quando comparada com os métodos usados por grupos terroristas, como o al-Shabaab, da Somália, que tem atacado cidadãos do Quénia para forçar a retirada das tropas quenianas da Somália.

No Sudão do Sul, um dos países mais pobres do mundo, as eleições foram adiadas no seguimento de confrontos e de acusações mútuas entre o Governo e a oposição por causa da utilização de mercenários do Sudão para intimidar os opositores.

Dadas as dificuldades por que os Estados produtores de petróleo vão passar em 2015, vários analistas têm vindo a chamar a atenção para a possibilidade de um aumento da violência e das actividades terroristas em África, nomeadamente na Líbia e na Argélia.

Até a África do Sul, até há pouco tempo a maior economia africana, enfrenta problemas como as ferozes críticas dos ambientalistas por causa da exploração de gás de xisto na zona do Karoo, para além das já tradicionais faltas de eletricidade.

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019