PortodeSines-TGL

Segunda ronda de investimento em parceria

O quinto maior destino de investimento chinês na Europa quer acolher mais capital nas suas indústrias para trabalhar em conjunto os mercados lusófonos. A China vê futuro na relação. Mas a expansão do Porto de Sines continua a ser um projeto adiado. 

Pequim e Lisboa antecipam uma segunda etapa de relacionamento económico, menos assente na compra de participações financeiras e mais apostada no investimento industrial e na realização de parcerias para alcançar outros mercados lusófonos. O futuro, após uma década de parceria global estratégica, é visto por Portugal e China como seguindo a pauta do plano de ação sino-lusófono, assinado no último mês em Macau, aquando da presença dos primeiros-ministros António Costa e Li Keqiang na 5ª Conferência Ministerial do Fórum para a Cooperação entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

A confiança política mútua entre os dois lados tem vindo a aprofundar-se com o aumento do intercâmbio e visitas de alto nível tendo como base as vantagens das duas economias”, indicou Cai Run, o embaixador da China em Lisboa, na inauguração do primeiro Fórum-China Portugal. 

“No futuro, esperamos a ampliação do investimento bilateral e a expansão do investimento para mais vastas áreas. Isto quer dizer que é uma parceria para o futuro”, acrescentou o representante de Pequim.

O Fórum Portugal-China, organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa (CCILC) e Associação Industrial Portuguesa (AIP), recebeu delegações de Cantão, Xangai e da província de Jiangsu cuja vinda foi facilitada pelo diplomata e manteve várias sessões de debate com alguns dos principais agentes económicos em sectores que vão da energia aos transportes, passando pela banca, tecnologia e educação. Nalguns destes sectores, as empresas chinesas – com um stock de investimento total superior a 6,9 mil milhões de dólares em Portugal nos últimos anos – detêm já posições importantes. Noutros, Portugal procura agora fazer com que os interesses convirjam para garantir mais investimento.

“Há muitas oportunidades de investimento trilateral que podem ser aproveitadas em que a capacidade técnica e a dimensão das empresas da China, aliada ao conhecimento da língua, da cultura e dos mercados da África e da América do Sul que as empresas portuguesas têm, pode ajudar”, defendeu o ministro da economia de Portugal, Manuel Caldeira Cabral, perante as delegações empresariais portuguesas e chinesas. 

A expansão do investimento, o estabelecimento do centro logístico de Macau para o comércio sino-lusófono e o aumento dos fluxos turísticos à boleia dos novos voos diretos entre Portugal e China – foram referidos pelo governante português para pintar o retrato futuro da relação. 

“O Porto de Sines é uma porta importante para o mundo e é uma porta importante para a estratégia Uma Faixa, Uma Rota que a China desenvolve. Esta estratégia – uma estratégia de afirmação global – é a estratégia mais correta no mundo de hoje”, insistiu o ministro, depois de já em Outubro o primeiro-ministro português, António Costa, ter sublinhado o mesmo durante a sua participação no encontro do Fórum de Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa. 

“É extremamente importante que Portugal, que é membro fundador do Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas, se associe a este processo [da iniciativa Uma Faixa, Uma Rota]. Este é um processo gerador de investimento, criador de emprego, criador de oportunidades”, reforçou também Marques da Cruz, presidente da CCILC e membro do conselho de administração da EDP, onde a elétrica China Three Gorges detém uma participação de 21,35 por cento.

Sines sem interessados

Em Outubro último, o país assinou com duas entidades financeiras, Haitong Bank e Banco Chinês de Desenvolvimento, um acordo para uma linha de crédito dirigida a empresas chinesas que queiram fixar-se na Zona Industrial e Logística de Sines (ZILS). Algo que a AICEP Global Parques, entidade responsável pela estrutura, acredita que possa acontecer até 2019. 

“Nos próximos dois a três anos o investimento chinês em Portugal, como na Europa, vai deixar de ser um investimento tão-só financeiro e passar a ser um investimento também de localização. Aí, acho que vai haver mudanças significativas, tanto em investimento industrial como em investimento-presença logística em Portugal – e especificamente em Sines”, entende Francisco Palma Mendes, presidente da comissão executiva da AICEP Global Parques. Segundo o responsável, foram já tidas conversas técnicas com os agentes de financiamento para que estes possam informar potenciais interessados.

“O que estamos à espera é que, neste caso Haitong e China Development Bank, possam identificar interessados para os quais temos uma resposta técnica e comercial imediata de maneira a fazer com que esse investimento se possa concretizar”, diz Mendes Palma.

“É suposto à volta do Porto de Sines desenvolver-se plataformas logísticas, e seria ideal que houvesse também plataformas de processing trade, ou seja, de integração industrial. E obviamente que isto precisa de comunicação, e uma das comunicações que precisa é dos caminhos-de-ferro para mercadorias para entrar depois na rede europeia”, comenta Fernanda Ilhéu, responsável da consultora China Logus, associada ao Instituto Superior de Economia e Gestão em Portugal.

A zona de Sines espera melhorias no transporte ferroviário na ligação a Madrid, para uma futura redução do tempo de circulação em cerca de duas horas e aumento do comprimento das composições, de 450 metros para 750 metros. “É importante, não é essencial. Não é por isso que se justifica a não existência do investimento”, afirma a AICEP Global Parques.

A maior empresa chinesa de navegação de transporte, a Cosco, tem o investimento limitado ao porto que detém hoje na Grécia, Pireus, e admite que não será uma melhor ligação ferroviária a mudar as circunstâncias. “A Cosco investir em Portugal não depende propriamente do comboio”, afirma Mário Leão, chefe do departamento de navegação da Cosco em Portugal. “A Cosco tem estado a investir em Pireus porque o Porto de Pireus pertence-lhe. Portanto, tem de valorizar o Porto de Pireus”, explica.

Mas um eventual investimento em parceria em portos portugueses – não necessariamente o de Sines – não está descartado desde que a Cosco se agrupou na Ocean Alliance, que integra também a francesa CMA CGM, a Evergreen e a Orient Overseas. As operações conjuntas passarão a fazer-se em Abril do próximo ano, com Lisboa a segurar o último ponto europeu nas rotas entre o Mediterrâneo e o Atlântico Norte. A CMA detém hoje o terminal da Liscont, em Alcântara, na capital portuguesa, o que poderá potenciar novos investimentos, entende Leão.

“Vai existir agora uma mudança de parceiros e vai depender dos investimentos que os parceiros queiram fazer. Aí é que poderá haver um investimento. E, depois, depende dos próprios resultados financeiros das próprias empresas, porque as empresas de navegação neste momento estão todas muito constrangidas”, afirma o responsável da Cosco em Portugal.

Maria Caetano

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019