MTel QUER OFERECER SERVIÇO INTEGRADO DE INTERNET, TELEFONE E VÍDEO

 

A MTel, a primeira concorrente da CTM no mercado da rede fixa de telecomunicações, vai oferecer em breve serviços de Internet e espera conseguir licenças para, no futuro, poder oferecer um serviço integrado de Internet, telefone e vídeo.

 

A MTel, que tem cinco acionistas, nomeadamente quatro de Macau e um de Hong Kong, começou esta semana a oferecer um serviço de linhas especiais dedicadas a dados, disponibilizará em breve o acesso à Internet, concorreu a uma licença 4G e aguarda a abertura de concursos para telefone fixo e vídeo, com a meta de oferecer um serviço integrado.

“Se lançarem um concurso só para telefone fixo, nós vamos concorrer, se lançarem um concurso para uma licença de serviços de vídeo [incluindo televisão], vamos concorrer, e se lançarem um concurso conjunto, também vamos concorrer”, afirmou o presidente da MTel, Michael Choi, em declarações ao Plataforma Macau.

Ao defender que o público “tem o direito de usufruir de serviços de dados, voz e vídeo num só dispositivo”, Michael Choi adiantou que a empresa tem como objetivo oferecer futuramente pacotes de serviços integrados com base no pagamento de um depósito e com um preço base, sendo que a fatura será conjunta para Internet, telefone fixo e móvel e vídeo.

A operação da rede fixa de telecomunicações da MTel, a primeira concorrente da CTM neste mercado, é, segundo o seu presidente, “um serviço sobretudo para empresas, como bancos, operadoras de jogo e governo”, já que em causa está a Intranet, o transporte de dados. Cerca de 20 empresas testaram gratuitamente este serviço da nova operadora, que espera agora vir a angariar como clientes.

A MTel prevê disponibilizar também em breve serviços de Internet. “Já estamos prontos para oferecer estes serviços, através de cabos de fibra ótica, em mais de 30% do território, em Macau, na Taipa e em Coloane, aguardamos só a aprovação do Governo nas próximas semanas”, apontou Michael Choi.

O presidente e CEO da MTel adiantou que a estratégia de angariação de clientes da empresa passará pela oferta de “serviços de qualidade, a uma velocidade mais rápida, com uma rede mais segura e preços mais baixos”. “A nossa vantagem é o facto de toda a nossa rede ser de fibra ótica e vamos também oferecer melhores preços, entre 10 e 20% mais baixos” do que os que são atualmente praticados pela CTM, salientou o responsável.

No que se refere à velocidade, Michael Choi realça que se os “servidores de certos sites estiverem fora de Macau, a velocidade com que o utilizador consegue aceder aos mesmos não depende da MTel, podendo ser mais lenta”, mas garante que “em Macau não haverá limitações”.

 

MAIS DE 20 “FORNECEDORES” DE INTERNET

 

De acordo com o presidente da MTel, há mais de 20 empresas de Macau registadas com o direito de fornecer serviços de Internet. “Mas só uma o faz de facto, a CTM”, constatou Michael Choi, considerando que essas empresas “ainda não acordaram” e que poderão interessar-se em começar a operar no mercado com o início da atividade da MTel.

“Antes de a MTel lançar a rede de fibra ótica, talvez essas empresas tenham considerado que o investimento que teriam de fazer para fornecer serviços de Internet era muito elevado, pois estavam dependentes da rede fixa”, ou seja, da CTM, e agora também da MTel. Michael Choi tem, assim, a expectativa de que a concorrência que a sua empresa traz ao mercado leve “mais empresas a interessarem-se por fornecer serviços de Internet” e que para isso procurem parcerias com a MTel.

A concorrente da CTM tem hoje uma cobertura de cerca de 30% do mercado local, no final do próximo ano terá de atingir entre 50 e 55%, no final de 2016 terá de ter uma cobertura de 70% e, em 2018, quase 100% do território. “A nossa quota de mercado estará dependente da nossa cobertura”, apontou o CEO.

Ao sublinhar que existem preocupações em Macau em relação à gestão do negócio da MTel, Michael Choi disse acreditar que “Macau, nos próximos anos, vai continuar a desenvolver-se economicamente e isso fará com que o mercado seja maior”. “Nós procuramos uma parte desse mercado, por isso não nos consideramos como verdadeira concorrência da CTM, pois há espaço para todos. É como no setor do jogo, Stanley Ho estava antes sozinho, mas depois da liberalização o mercado aumentou e todos conseguiram beneficiar”, comparou. Para o presidente da MTel, as duas empresas “conseguirão obter boas receitas no futuro e a vantagem de serem duas é que as pessoas ganharão melhores serviços”.

 

À ESPERA DO TELEFONE

E VÍDEO

 

A MTel espera que o Governo lance “muito em breve” um concurso para atribuir licenças para o serviço de telefone fixo, no qual “está muito interessada”, segundo afirmou ao Plataforma Macau o presidente, Michael Choi.

Enquanto este processo não avança, a empresa aguarda os resultados do concurso para a atribuição de licenças 4G, no qual participa com a U Hong Communications Limited, a principal acionista da MASTV, que deverão ser anunciados no primeiro trimestre de 2015.

Ao recordar que a “licença da TV Cabo terminou em abril”, Michael Choi exorta o Executivo a “lançar um concurso o mais depressa possível para atribuir uma licença semelhante de modo a que o público possa beneficiar de serviços modernos de vídeo”. “Os serviços de vídeo, dados e voz estão relacionados e integrados na prática, então por que é que o Governo só pondera lançar mais tarde o concurso?”, questionou o empresário. Quando o concurso abrir, “claro” que a MTel está interessada em entrar na corrida, acrescentou.

A MTel aguarda a luz verde das autoridades para abrir as portas da sua primeira loja em Nam Van, planeando abrir seis a sete nos próximos sete anos.

 

Patrícia Neves

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019