china-cyber-security-3

REFORÇADA “SEGURANÇA” NO CIBERESPAÇO

 

A “atualização” da “Grande Firewall da China” interrompeu parcialmente o serviço fornecido por servidores localizados no estrangeiro.

 

O bloqueio de servidores estrangeiros que permitem navegar a Internet na China sem as restrições impostas pelo governo visa “manter a segurança do ciberespaço”, justificou um alto funcionário chinês citado hoje pelo China Daily.

“O rápido desenvolvimento da Internet está a obrigar o ministério da Indústria e Tecnologia de Informação (MIIT) a utilizar novos meios para manter a segurança do ciberespaço e o seu estável funcionamento”, disse Wen Ku, diretor do desenvolvimento de telecomunicações do MIIT.

“O país precisa de novos métodos para enfrentar novos problemas. O desenvolvimento da Internet tem de ser feito de acordo com a lei chinesa”, acrescentou.

Só através de uma VPN (Virtual Proxy Network) sedeada fora da China é possível aceder aos sites bloqueados pelo governo chinês em nome da “segurança nacional” e da “estabilidade social”, nomeadamente Facebook, Google, Youtube ou Twitter.

Na semana passada, o controlo de Pequim sobre a Internet “aperfeiçoou-se”, anunciou um jornal do Partido Comunista Chinês a propósito da “atualização” da chamada “Grande Firewall da China”, que interrompeu parcialmente o serviço fornecido por servidores localizados no estrangeiro.

Descrita na imprensa oficial chinesa como um ato de “soberania ciberespacial”, a “atualização” afetou sobretudo o sistema operativo dos smartphones, tablets e outros dispositivos móveis.

A população online da China aumentou quase 200 milhões nos últimos quatro anos, atingindo 648 milhões no final de 2014. Cerca de 30% têm entre 20 e 29 anos e mais de dois terços acedem à Internet através de dispositivos móveis. A assinatura de uma VPN custa o equivalente a seis dólares por mês (cerca de 40 yuan) – menos do que um bilhete de cinema.

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019