chan

A China está a intrometer-se nos assuntos de Myanmar?

Desde que os conflitos militares começaram a 25 de agosto no estado de Arracão, em Myanmar, mais de 600 mil pessoas de etnia Rohingya fugiram para o país vizinho, o Bangladesh. 

O Ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, no dia 18 de novembro fez uma visita oficial ao Bangladesh para se encontrar com Sheikh Hasina, atual primeira-ministra, e com Abul Hassan Mahmud Ali, atual ministro dos Negócios Estrangeiros de Bangladesh. Depois dessa reunião ambos os ministros das relações externas comunicaram que a China está disposta a prestar ajuda como país fraterno na questão do povo Rohingya.

Depois do encontro de Wang Yi, em Myanmar, com a Ministra dos Negócios Estrangeiros birmanesa, Aung San Suu Kyi, ambos apresentaram em conferência de imprensa as medidas em três fases que a China tenciona tomar para ajudar nesta questão. 

Numa primeira fase consta pôr em prática um cessar-fogo e reestabelecer a ordem, de forma a criar segurança para a população e retirá-la da categoria de refugiados; numa segunda fase, encorajar ambos os lados a desenvolver e reforçar a comunicação mútua, fazendo com que através de uma relação amigável seja encontrada uma solução para o problema; finalmente, numa terceira fase, confrontar diretamente a raiz do problema e procurar uma solução para o mesmo. Além disso, a China apela ainda a toda a comunidade internacional para dar apoio a estas áreas necessitadas, de forma a diminuir a pobreza e ajudar ao desenvolvimento das mesmas.

Após o encontro entre os dois, Wang Yi deu claramente a entender à ministra Aung San Suu Kyi que não estava a fazer um discurso unilateral. Este falou do problema do povo Rohingya, adotando um ponto de vista histórico. Wang yi não julgou o Myanmar como se estivesse numa posição moralmente superior, ao contrário de outros países que adotaram esta atitude e apontaram o dedo ao Myanmar. Wang Yi e Aung San Suu Kyi discutiram durante o encontro estas três fases propostas pela China. 

A proposta é simples: primeiro é necessário um cessar-fogo, caso contrário irá continuar a haver feridos e mortos, o que afetará consequentemente a imagem do governo de Myanmar, incluindo a de Aung San Suu Kyi. A segunda fase é o diálogo. De momento, a comunicação é algo difícil de realizar, visto que a maior parte do povo Rohingya fugiu de Myanmar e, por isso, é primeiro necessário possibilitar o seu regresso. Aqui surge o problema da recuperação das habitações originais, e aqui talvez a China possa intervir. Na terceira e última fase, a China pode ter um papel ainda mais ativo. Os problemas existentes, e que ao longo deste tempo não têm sido resolvidos, surgem na forma de questões religiosas, étnicas e de soberania, mas a raiz está na pobreza. Assim que é seguida uma via de desenvolvimento, independentemente do lugar, torna-se mais fácil debater todas as outras questões. Nesse sentido, as medidas do projeto “Uma Faixa, Uma Rota” irão prestar uma ajuda.

Para Myanmar e para Aung San Suu Kyi, esta visita de Wang Yi aconteceu, precisamente em tempo de necessidade. Esta ajuda chinesa deu uma luz de esperança ao Myanmar, que não sabia como cumprir aquilo a que se tinha comprometido. A China conseguiu nesta situação adotar uma posição correta. Em vez de seguir a postura adotada pela restante comunidade internacional, a China, pelo contrário, deu resposta aos problemas e forneceu uma ajuda que tanto necessitavam. No futuro, a China não será apenas capaz de articular a sua iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”, mas também poderá encontrar resolução para os conflitos de longo prazo entre o Myanmar e o povo de etnia Rohingya. 

DAVID Chan 

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram